O que este homem está fazendo após passar 33 anos isolado em uma ilha

Mudar de casa e começar uma nova vida pode ser difícil para qualquer pessoa. Ainda mais para um homem de 82 anos

Morandi viveu sozinho por anos em ilha italiana
Morandi viveu sozinho por anos em ilha italiana Manuro Morandi/Facebook

Silvia Marchettida CNN

Ouvir notícia

Por quase 33 anos ele viveu uma vida de eremita em uma bela ilha do Mediterrâneo, onde era o único habitante.

Mauro Morandi, conhecido como Robinson Crusoe da Itália depois de desenvolver seguidores leais online, foi o zelador da ilha de Budelli, na Sardenha, abraçando o silêncio, a solidão e a tranquilidade da natureza enquanto vivia em uma velha cabana de pedra na praia.

Não havia agitação social, nem comida requintada, nem amigos — seus únicos companheiros eram pássaros e gatos. Ele dormia em uma espécie de berço e tinha poucas roupas. Abandonando todos os confortos, ele pregou uma existência monástica de auto-reflexão e meditação na praia rosa de Budelli pontilhada com poeira de coral.

Então seu mundo feliz chegou ao fim.

Depois de anos lutando com as autoridades do parque marinho que queriam despejá-lo para transformar a ilha em um observatório ambiental, em maio Morandi aceitou seu destino. Depois de postar uma mensagem vigorosa de demissão — “minhas bolas estão quebradas” (gíria para “estou farto”) — ele deixou a ilha.

Mudar de casa e começar uma nova vida pode ser difícil para qualquer pessoa. Ainda mais para um homem de 82 anos que passou três décadas vivendo uma existência solitária em uma ilha paradisíaca. É possível seguir em frente e reajustar?
Para Morandi, a resposta é um enfático “sim!”

“Nunca acaba realmente”, Morandi disse à CNN. “Eu sou a prova de que uma segunda vida nova é possível. Você sempre pode começar tudo de novo, mesmo se tiver mais de 80 anos, porque há outras coisas que você pode experimentar — e um mundo totalmente diferente.”

Provando seu ponto de vista, Morandi aparentemente está prosperando desde que voltou à civilização na ilha habitada de La Maddalena, não muito longe de Budelli.

“Estou feliz e redescobri o prazer de viver uma vida boa e desfrutar do conforto do dia a dia”, diz ele.

Usando o dinheiro de sua aposentadoria como professor, ele comprou um apartamento com todos os luxos que antes não tinha.

Morandi tem aprimorado suas habilidades como comunicador. Depois de anos de solidão, ele agora está ansioso para conversar com as pessoas, trocar opiniões e postar fotos e comentários nas redes sociais para interagir com o mundo. Ele também tem escrito suas memórias.

“Por muito tempo vivi sozinho e por muitos anos depois que aterrissei na Budelli, não tive vontade de falar com ninguém”, diz ele. “É verdade, eu não posso mais desfrutar da solidão da ilha, mas minha vida agora deu uma nova guinada, focada em me comunicar com os outros e estar perto de outras pessoas.”

Morandi, originalmente de Modena, no norte da Itália, chegou à sua antiga casa em Budelli em 1989 por acidente enquanto tentava navegar da Itália para a Polinésia. Ele se apaixonou pelas águas cristalinas, pelas areias de coral e pelo belo pôr do sol — e tornou-se zelador da ilha.

Embora encontrasse visitantes ocasionais, ele viveu quase sempre sozinho. Nos últimos anos, sua presença online, postando imagens de Budelli, fez com que ele se conectasse a uma comunidade virtual.

Agora ele tem a presença real das pessoas. Sua casa nova é pequena, pintada de branco, completa com terraço com vista panorâmica do mar, e fica na movimentada cidade turística de La Maddalena, embora em um local mais silencioso que garante sua privacidade.

Ele diz que sente falta do silêncio de Budelli. Ele não está acostumado ao barulho de carros, caminhões e “motocicletas com silenciadores quebrados passando”, mas, no geral, ele gosta do novo ambiente e o acha bastante relaxante.

Romance reacendido

As vantagens incluem uma cozinha totalmente equipada, um quarto com cama king-size e — o maior luxo de todos — um chuveiro. Ele também tem prateleiras cheias de livros.

Outro bônus de retornar à civilização é o reacender de uma velha chama. Morandi agora compartilha sua nova morada com uma ex-namorada de sua juventude.

E, depois, tem a comida.

Saborear novamente pratos deliciosos que não comia há décadas o fez se lembrar do “gosto da vida” e de tudo que ele abandonou, diz ele, como degustar vinhos e licores com amigos após o jantar.

Mas ele não está se empanturrando de sorvete, pizza ou presunto. Ele está faminto por algo que era abundante em Budelli, mas impossível de comer: peixe.

“Ainda continuo levando uma vida simples, de manhã desço a Cala Gavetta para comprar peixe fresco da rede. Finalmente, depois de tantos anos de abstinência, posso comer peixe novamente. Isso pode parecer incrível, mas eu tenho pratos suficientes de peixe frito fresco e crocante”, diz.

“Na ilha eu não tinha barco, então não podia pescar, e a comida era escassa e limitada. Sempre tive que esperar que as pessoas me trouxessem mantimentos do continente e, quando não podiam vir, tinha que me virar com o que eu tinha. Aqui, se eu precisar comprar alguma coisa, eu simplesmente vou até a cidade.”

Montanhas e refeições

Mauro Morandi
Morandi vem saboreando pratos de frutos do mar frescos desde que deixou a ilha / Mauro Morandi/Instagram/Reprodução

Morandi admite que viver em Budelli se tornou difícil, especialmente durante o último inverno, que trouxe temperaturas mais frias do que o normal e condições sombrias que fizeram com que sua geladeira movida a energia solar não conseguisse manter os alimentos frescos, fazendo-o se alimentar somente de enlatados por meses.

Ele ainda se lembra da primeira vez que voltou a comer peixe fresco quando, durante uma viagem pós-Budelli aos Alpes italianos, ficou com um amigo dono de um restaurante onde saboreou tanto a paisagem montanhosa quanto a culinária gourmet.

“Foi magnífico, descobri que havia beleza até ali: a paisagem, as montanhas, a comida. Comi o melhor linguine allo scoglio (espaguete raso com frutos do mar), e era bem mais barato que em La Maddalena. Afinal, o o peixe mais fresco da Itália não é encontrado na Sardenha, mas é enviado para mercados do norte, como Milão.”

Morandi documentou sua viagem de volta à terra postando selfies comendo solas grelhadas com batatas e tomates, explorando o Monte Branco e visitando pitorescas aldeias nas montanhas. Ele planeja voltar aos Alpes no Natal.

É uma mudança de opinião em relação ao ano passado, quando Morandi, em conversa com a CNN, disse que estava pronto para fazer todo o possível para permanecer no Budelli. “Eu não sei para onde ir, certamente não em uma casa no norte, nem o que fazer, esta é a minha vida”, disse ele na época.

Agora ele se delicia com a sua rotina em La Maddalena.

“De manhã, tomo café da manhã no meu terraço com café de cevada”, diz ele. “Então, depois de fumar meu charuto, desço para uma caminhada até o porto por um caminho minúsculo que liga minha casa, ou para a aldeia onde encontro pessoas e compro mantimentos. Eu caminho muito, o médico diz que é a melhor maneira de curar minha perna dolorida, mas muitas vezes as pessoas me dão uma carona de volta para casa, então não preciso carregar malas pesadas.”

Um homem ocupado

Agora totalmente vacinado contra a Covid-19 e feliz em usar uma máscara em público, ele gosta de conviver com os habitantes locais.

“Fiquei surpreso com a quantidade de pessoas amistosas e geralmente sou convidado para um café, almoço ou jantar”, diz ele. “Eu estava preocupado com a recepção dos moradores locais. Fico feliz que nem todo mundo me odeia, apenas aqueles que tiveram inveja da vida que levei em Budelli. Muitos gostam de mim. Eles vêm e me parabenizam pela minha batalha e querem tirar fotos comigo.”

Muitas pessoas, especialmente no exterior, o viam como um herói por dedicar sua vida à ilha, enquanto outros afirmavam que ele estava usando um mito romântico “bon sauvage” para esconder o fato de que era um ocupante ilegal.

A propriedade da Budelli mudou várias vezes nos últimos anos. Desde 2015, é do Parque Nacional de La Maddalena, tornando obsoleta a função de zelador de Morandi.

As autoridades disseram à CNN que estavam simplesmente cumprindo a lei ao “restaurar a estrutura ilegal” em que Morandi vivia — uma ex-estação de rádio da Segunda Guerra Mundial. Eles disseram que ele “não tinha título” para ficar na ilha, já que ela não era mais privada.

A batalha de Morandi para permanecer se tornou manchete globalmente, e mesmo agora que ele se foi, ainda está no centro das atenções. Ele escreveu um livro sobre sua vida na ilha de náufrago, está planejando um segundo e diz que sua história pode em breve se tornar o assunto de um filme.

Então, como ele se vê daqui a alguns anos e qual será o seu futuro?

Morandi diz que está se estabelecendo para sempre em La Maddalena: “Estarei bem aqui. O mar e a praia mais intocados, Punta Tegge, estão próximos e posso me deslocar de ônibus se precisar.”

Silêncio perdido

Ele voltaria se as autoridades do parque mudassem de ideia?

“Não é o que eu quero no momento”, diz ele. “No entanto, posso estar disposto a voltar como zelador apenas se desta vez for pago para fazer meu trabalho. Não vou trabalhar de graça novamente.”

Budelli não está totalmente em seu passado. Morandi ocasionalmente retorna em viagens de um dia para recolher alguns pertences que deixou para trás.

Ele ainda se preocupa com o futuro da ilha. Como zelador, ele regularmente afugentava os turistas que invadiam a praia rosa proibida, limpava o lixo da areia e impedia que os invasores passassem a noite.

Por enquanto, La Maddalena é seu novo mundo — um que ele planeja descobrir.

“Estive nessa ilha há tanto tempo e este lugar estava tão perto o tempo todo que eu percebi agora que não sabia disso.”

Então, a cada dia, quando ele anda pela cidade, ele tira fotos de lugares silenciosos e esquecidos, talvez ainda caçando aquele silêncio perdido.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Tópicos

Mais Recentes da CNN