Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Onda congelante deve provocar recordes de temperaturas mínimas no Natal nos EUA

    Cerca de 240 milhões de pessoas no país estão sob alertas de inverno desde o final da semana

    Baixas temperaturas já produziram colisões fatais de carros em todo o país
    Baixas temperaturas já produziram colisões fatais de carros em todo o país Clay LeConey/Unsplash

    Reuters

    Uma onda ártica atingiu grande parte dos Estados Unidos neste sábado (24), causando quedas de energia, cancelamentos de voos e acidentes de carro. A expectativa é de que a queda das temperaturas marque a véspera de Natal mais fria já registrada para várias cidades, da Pensilvânia à Geórgia.

    Prevê-se que as temperaturas não passem de -13ºC em Pittsburgh, superando o recorde mínimo em véspera de Natal desde 1983, disse o Serviço Nacional de Meteorologia (NWS).

    O mesmo deve ocorrer em cidades da Geórgia e da Carolina do Sul – como Atenas e Charleston,  enquanto a previsão é de que a capital Washington deve ter o dia mais frio em 24 de dezembro desde 1989.

    A onda de recordes de temperaturas mínimas para este período foi prevista quando temperaturas já congelantes nos EUA foram acentuadas por uma forte massa de ar frio, e passou por grande parte do leste do país neste fim de semana natalino.

    As baixas temperaturas já produziram colisões fatais de carros em todo o país, com a CNN relatando pelo menos 14 mortos em acidentes relacionados ao clima.

    O frio ártico combinado com uma “bomba ciclone” de neve pesada e ventos fortes na região dos Grandes Lagos na sexta-feira e nos vales do Alto Mississippi e Ohio causaram estragos em sistemas de energia, estradas e tráfego aéreo comercial.

    O clima extremo de inverno foi responsável por pelo menos cinco mortes na sexta-feira (23). Dois motoristas morreram e vários outros ficaram feridos em um engavetamento de 50 veículos que fechou a Ohio Turnpike em ambas as direções durante uma nevasca perto de Toledo, forçando a evacuação de motoristas em ônibus para evitar que congelassem em seus carros, disseram autoridades.

    Mais três mortes relacionadas ao clima foram confirmadas no vizinho Kentucky – duas de acidentes de carro e uma de um morador de rua que morreu de exposição.

    Ponta a ponta

    Da fronteira canadense à mexicana e de costa a costa, cerca de 240 milhões de pessoas ao todo estavam sob alertas de inverno e alertas de algum tipo na sexta-feira, de acordo com o serviço meteorológico.

    O NWS disse que seu mapa de riscos meteorológicos existentes ou iminentes “retrata uma das maiores extensões de alertas de inverno de todos os tempos”.

    Com os sistemas de energia em todo o país sobrecarregados pela crescente demanda por calor e danos causados por tempestades nas linhas de transmissão, até 1,8 milhão de residências e empresas nos EUA ficaram sem energia desde o início da manhã de sábado, de acordo com o site de rastreamento Poweroutage.us.

    As interrupções alteraram as rotinas diárias e os planos de férias de milhões de americanos durante um dos períodos de viagens mais movimentados do ano.

    A American Automobile Association estimou que 112,7 milhões de pessoas planejavam se aventurar nas estradas entre sexta-feira e 2 de janeiro.

    Pelo menos 3.741 voos nos Estados Unidos foram cancelados neste sábado, com um total de 10.297 atrasos, de acordo com o serviço de rastreamento de voos FlightAware.

    Mais de 5.000 voos foram cancelados na sexta-feira, disse o rastreamento de voos. A cidade de Buffalo e seu condado vizinho à beira do Lago Erie, no oeste de Nova York, impuseram uma proibição de dirigir, e todas as três pontes fronteiriças da área de Buffalo foram fechadas para o tráfego de entrada do Canadá devido ao clima.

    O clima severo levou as autoridades de todo o país a abrir centros de aquecimento em bibliotecas e delegacias de polícia, enquanto correm para expandir abrigos temporários para os sem-teto.

    O desafio foi agravado pelo afluxo de migrantes que cruzam a fronteira sul dos EUA aos milhares nas últimas semanas.

    O frio intenso intensificado por ventos fortes se estendeu pelo extremo sul até a fronteira dos EUA com o México, levando os fatores de resfriamento do vento entre -18ºC  a -13ºC em El Paso, no Texas. A exposição a tais condições pode causar congelamento em poucos minutos.