Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Opinião: Por que o Reino Unido terá outro premiê não escolhido pelo povo

    Com renúncia de Liz Truss na semana passada, Partido Conservador elegeu Rishi Sunak

    A residência oficial do primeiro-ministro britânico, no número 10 da Downing Street
    A residência oficial do primeiro-ministro britânico, no número 10 da Downing Street Foto: tefan Rousseau/PA Images via Getty Images

    Laura Beersda CNN*

    O Partido Conservador do Reino Unido, que resistiu à renúncia de dois primeiros-ministros desde dezembro de 2019, não pode permanecer no governo por mais dois anos sem convocar eleições gerais. Bem, tecnicamente, eles poderiam. Mas isso não significa que devam.

    De acordo com a lei britânica, desde que um partido tenha uma maioria parlamentar, ele pode continuar no poder por até cinco anos antes de convocar uma eleição.

    E o Partido Conservador, apesar de ter sofrido uma série de recentes derrotas nas eleições, ainda mantém uma maioria parlamentar de 71, o que significa que a próxima eleição geral britânica pode ocorrer só em janeiro de 2025.

    Enquanto isso, um novo primeiro-ministro foi nomeado na segunda-feira (24). O ex-ministro das Finanças da Grã-Bretanha Rishi Sunak foi o eleito.

    Desde o anúncio da renúncia de Liz Truss na quinta-feira (20), os parlamentares conservadores vêm citando a lei para defender a aparente determinação do partido de permanecer no poder, apesar da insistência dos partidos da oposição e até de alguns conservadores de que uma eleição geral é agora uma questão moral.

    Mas, como qualquer criança de três anos sabe, existem dois significados para “Você não pode fazer isso!”, que por um lado significa: “Você não pode fazer isso porque é realmente impossível”. Mas há também: “Você não pode fazer isso porque é inconcebível”. Quando um dos meus filhos bate na cabeça do outro e eu grito: “Você não pode fazer isso!”, ambos os meninos entendem o que quero dizer.

    Mudar de líder duas vezes durante um mandato parlamentar sem consultar o eleitorado britânico é o equivalente político de bater no seu irmão só porque ele o aborreceu. Você simplesmente não pode fazer isso e esperar se safar. Isso é especialmente verdade quando, como no momento político atual, houve reveses dramáticos da política partidária desde a eleição geral anterior.

    O Reino Unido está enfrentando a inflação, custos crescentes de empréstimos e déficits previstos em grande escala, o que provavelmente exigirá aumentos significativos de impostos, cortes de gastos ou ambos.

    As decisões políticas tomadas nos próximos meses terão implicações nos próximos anos. Há um imperativo político para que os britânicos tenham uma palavra a dizer sobre como seus líderes devem enfrentar a crise atual.

    Ao ignorar esse imperativo, o partido conservador corre o risco de erodir ainda mais a fé no processo democrático do Reino Unido, em um momento em que a democracia está sob ameaça significativa em todo o mundo.

    Há um imperativo político para que os britânicos tenham uma palavra a dizer sobre como seus líderes devem enfrentar a crise atual

    Laura Beers

    Na situação atual, é insustentável argumentar que o mandato que o público deu a Boris Johnson e o manifesto eleitoral conservador de 2019 ainda se mantenham. Isso é verdade apesar do fato de Sunak ter servido no governo de Boris Johnson.

    Seria verdade mesmo que Johnson retornasse a ser primeiro-ministro – uma incrível reencarnação política na qual Johnson considerou seriamente tentar antes de anunciar no domingo (23) que não concorreria à liderança, apesar da “muito boa chance de ser bem-sucedido na eleição com os membros do Partido Conservador”.

    Mesmo antes de Truss anunciar sua renúncia, os partidos de oposição estavam pedindo uma eleição geral após seu desastroso “mini-orçamento”, a série de mudanças políticas que se seguiram e sua decisão de demitir seu recém-nomeado chanceler, Kwasi Kwarteng.

    Após o anúncio de renúncia de Truss, o líder trabalhista Keir Starmer reiterou esses apelos, enfatizando que o povo britânico tinha o direito de opinar sobre a questão de quem deveria liderar o país.

    “Os conservadores não podem responder às suas últimas bagunças simplesmente estalando os dedos e arrastando as pessoas no topo sem o consentimento do povo britânico. Eles não têm mandato para colocar o país em mais um experimento; A Grã-Bretanha não é seu feudo pessoal para governar como desejam”, disse Starmer.

    Boris Johnson e Rishi Sunak em Londres / 1/12/2021 REUTERS/Henry Nicholls

    Da mesma forma, Nicola Sturgeon, líder do Partido Nacional Escocês, afirmou que havia agora um “imperativo democrático” de realizar eleições gerais, e o líder do Partido Liberal, Ed Davey, insistiu que os conservadores tinham o “dever patriótico” de “dar voz ao povo” sobre a direção futura do país.

    Que os partidos de oposição da Grã-Bretanha estejam clamando por uma eleição não é surpreendente. A última pesquisa de opinião mostra o Partido Trabalhista com mais de 30 pontos sobre os Conservadores, a maior liderança de pesquisa do partido na história.

    Se uma eleição fosse convocada nos próximos meses, os trabalhistas quase certamente ganhariam uma maioria confortável, independentemente de Sunak.

    Mas a convicção de que “o público britânico merece uma opinião adequada sobre o futuro do país” vai além das fileiras da oposição. Uma pesquisa do YouGov realizada na quinta-feira descobriu que quase dois terços dos britânicos acreditavam que o substituto de Truss deveria convocar eleições gerais antecipadas.

    Ao afirmar o imperativo de uma eleição geral antecipada após duas mudanças de liderança, os partidos da oposição têm a história do seu lado. Os partidos políticos britânicos frequentemente fazem uma única mudança de primeiro-ministro sem convocar eleições antecipadas.

    Gordon Brown substituiu Tony Blair em junho de 2007 e não realizou eleições por quase três anos. John Major substituiu Margaret Thatcher em novembro de 1990 e não convocou eleições por mais um ano e meio. Semelhante a Brown, Jim Callaghan, que sucedeu Harold Wilson, durou quase três anos sem eleições.

    Mas em cada um desses casos, os homens que assumiram o cargo eram membros de longa data e do alto escalão das administrações de seus predecessores e (com exceção do abandono altamente impopular das taxas de Major) continuaram em grande parte o programa de políticas no qual seu antecessor havia sido eleito.

    Nesse sentido, sua ascensão ao cargo de primeiro-ministro foi mais parecida com a ascensão de um vice-presidente após a morte de um presidente nos Estados Unidos – uma mudança significativa no governo, mas aceita por estar dentro dos limites da legitimidade democrática.

    Ex-premiê britânica Liz Truss / 20/9/2022 REUTERS/Toby Melville

    Em contraste, o único primeiro-ministro da era moderna a governar sem buscar um novo mandato eleitoral após duas mudanças de liderança foi Winston Churchill, cujo governo de coalizão durante a guerra contou com o apoio unido de todos os partidos na Câmara dos Comuns e o claro apoio do público britânico.

    Antes de Churchill, precisamos olhar para 1828, quando o duque de Wellington sucedeu o visconde Goderich, que por sua vez sucedeu George Canning (que morreu após 119 no cargo e que manteve o título de primeiro-ministro mais curto por quase duzentos anos, até Liz Truss tomar o título para ela).

    O conservador Wellington permaneceu no cargo por um ano e meio sem convocar uma eleição geral. Mas a Grã-Bretanha em 1828 não era uma verdadeira democracia.

    Menos de 10% dos homens adultos podiam votar, e vários deputados representavam áreas que eram efetivamente controladas por um punhado de famílias ricas. A noção de responsabilidade democrática simplesmente não existia da maneira que existe agora.

    Hoje, no século 21, com o sufrágio universal adulto, Starmer está certo de que os conservadores não podem tratar a Grã-Bretanha como seu feudo pessoal. Depois de tudo o que aconteceu desde a renúncia de Boris Johnson em julho, eles devem buscar um novo mandato para permanecer no poder.

    Depois de todo o caos e disfunção, o povo britânico merece uma opinião sobre quem deve governar o país.

    *Nota do editor: Laura Beers é professora de história na American University. Ela é autora de “Your Britain: Media and the Making of the Labor Party” (“Sua Grã-Bretanha: Mídia e a formação do Partido Trabalhista”, na tradução livre) e “Red Ellen: The Life of Ellen Wilkinson, Socialist, Feminist, Internationalist” (“Red Ellen: A Vida de Ellen Wilkinson, Socialista, Feminista, Internacionalista”, na tradução livre). As opiniões expressas são exclusivamente dela. Leia mais opinião na CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original