Para os haitianos, terremoto revive trauma do desastre de 2010

"O trauma está voltando. Estou em casa e estamos apenas imaginando, vamos dormir dentro de casa? vamos dormir na varanda?", relatou uma haitiana

Haiti depois do terremoto de 2010: tendas montadas por afetados pelos tremores se espalharam por Porto Príncipe
Haiti depois do terremoto de 2010: tendas montadas por afetados pelos tremores se espalharam por Porto Príncipe Foto: Adrienne Mong / NBCU Photo Bank / NBCUniversal via Getty Images

Andre Paultre, Kate Chappell e Sarah Marsh, da Reuters

Ouvir notícia

Quando Lydie Jean-Baptiste viu seus vizinhos fugindo de suas casas no sábado e sentiu o chão começar a tremer sob seus pés, a haitiana de 62 anos foi inundada por memórias terríveis do terremoto de uma década atrás que devastou sua cidade natal.

Para muitos no país caribenho, o grande terremoto de sábado – que matou mais de 300 pessoas e deixou centenas feridas – reviveu o trauma do tremor de 12 de janeiro de 2010, do qual o país ainda estava se recuperando.

“Os vizinhos, eu os vi correndo e correndo. Eu disse ‘O que aconteceu?’ Eles disseram ‘Terremoto!’ E eu corri para a porta da frente”, disse Jean-Baptiste. “De repente, tive todas aquelas imagens de 12 de janeiro vindo à minha mente e me senti muito, muito assustada.”

Seu bairro de Delmas, na periferia sul de Porto Príncipe, foi sacudido pelo terremoto que ocorreu no sábado (14), cujo epicentro estava a cerca de 150 km (90 milhas) a oeste da capital.

Mas em 2010, o tremor atingiu muito mais perto, nivelando muitas das casas em seu bairro e em toda a capital.

As estimativas do número de mortos por causa desse tremor variam amplamente, de menos de 100.000 a tão alto quanto os 316.000, dependendo das notificações.

Quando o terremoto de 2010 aconteceu pouco antes das 17h, Jean-Baptiste estava coberta de entulhos em seu escritório e teve que caminhar para casa em meio aos destroços de ruas conhecidas.

“As pessoas tiveram suas cabeças cortadas, cadáveres, tudo. Por 48 horas, eu apenas me senti: Estou vivo? Acordei em algum outro lugar?” Jean-Baptiste disse, acrescentando que demorou quase um ano antes de conseguir dormir sob seu próprio teto sem se preocupar com um desabamento.

“O trauma está voltando. Estou em casa e estamos apenas imaginando, vamos dormir dentro de casa? vamos dormir na varanda?”, disse.

Suas preocupações foram ecoadas por haitianos em todo o sul do país, com alguns nas áreas mais afetadas dizendo que preferiam dormir ao ar livre a se preocupar com o teto caindo sobre eles.

“Há tremores secundários de vez em quando, então vou dormir do lado de fora”, disse Yvon Pierre, 69, ex-prefeito de Saint Louis du Sud, que agora mora em Les Cayes.

“Eu sou forte, mas isso me afetou psicologicamente e isso é provavelmente o mesmo que o resto da população.”

O terremoto de sábado veio do mesmo sistema de falhas sísmicas do tremor massivo que convulsionou Porto Príncipe em 2010, correndo de leste a oeste em todo o país.

O Haiti – a nação mais pobre das Américas – ainda carrega as cicatrizes do terremoto de 2010, com sua infraestrutura e economia enfraquecidas.

Prédios icônicos, incluindo a catedral de Notre Dame l’Assomption, não foram reconstruídos, enquanto dezenas de milhares de pessoas ainda vivem em moradias provisórias.

Os esforços para reconstruir foram prejudicados por um sistema de ajuda internacional falho, corrupção e turbulência política, disseram os especialistas. No mês passado, o presidente Jovenel Moise foi assassinado.

Fonie Pierre, diretora do Catholic Relief Services para Les Cayes, 49, afirmou que o terremoto de sábado foi tão forte que ela não conseguiu se mover e, enquanto estava em sua casa, ela teve flashbacks de 2010.

Ela havia viajado de Les Cayes para a capital dias depois do tremor e visto cadáveres amontoados na beira da estrada.

“Isso me trouxe de volta à mente os cadáveres, a poeira branca das casas em ruínas”, disse Pierre. “Eu pensei: é isso, é a mesma coisa.”

O Haiti foi atingido por calamidades após calamidades – e agora também tem que enfrentar a tempestade tropical Grace, a caminho de explodir o país no início da semana que vem, lamentou ela. “É como se o céu estivesse caindo sobre nós”, disse ela. “E você se pergunta: o que fizemos para merecer isso?”.

(Reportagem de Andre Paultre em Port-au-Prince, Kate Chappell em Kingston e Sarah Marsh em Havana; Escrita de Daniel Flynn e Sarah Marsh; Edição de Christopher Cushing)

Mais Recentes da CNN