Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Paramédico de Gaza relata supostos maus-tratos em detenção israelense

    Acusações de Tamer al-Hafy são consistentes com relatos de outros prisioneiros sob custódia israelense

    Paramédico afirma ter sido torturado durante detenção israelense
    Paramédico afirma ter sido torturado durante detenção israelense Reuters

    Abdelhadi RamahiAmr AlfikyAlexander Cornwellda Reuters

    Com a perna direita fortemente enfaixada por causa de um ferimento à bala, o palestino Tamer Ossama Salem al-Hafy está em um hospital egípcio relembrando sua provação em Gaza, onde Israel o acusou de ser um terrorista.

    Paramédico do Hospital Indonésio no norte de Gaza, al-Hafy, de 40 anos, disse que foi baleado abaixo do joelho pelas forças israelenses enquanto ajudava os feridos a subir em macas após um ataque aéreo israelense em novembro passado.

    Ele se tornou paciente por um breve período no mesmo hospital antes de fugir em 20 de novembro, quando foi atacado. O seu pai, Ossama, teve de carregá-lo nas costas enquanto se dirigiam para outro centro médico no sul de Gaza.

    Num posto de controle militar israelense, disse al-Hafy, os soldados acusaram-no de ser um “terrorista” e levaram-no para um centro de detenção onde foi vendado.

    Ele disse que foi detido por 35 dias e liberado sem acusação. Durante a detenção, ele foi algemado pelos braços e pernas a uma cama dentro de uma tenda, acrescentou.

    A Reuters não conseguiu verificar de forma independente o relato de al-Hafy. As autoridades israelenses não responderam a um pedido de comentários sobre seu relato.

    Al-Hafy disse que estava vendado, exceto durante os interrogatórios, e recebia apenas “vitaminas líquidas” através de um canudo a cada três ou quatro dias como alimento.

    “Eu estava em uma prisão. Não tinha ideia de onde estava localizado”, disse ele à Reuters em um hospital improvisado a bordo de um navio cargueiro atracado em al-Arish, uma cidade egípcia na Península do Sinai, perto de Gaza.

    “Eles descobriam meus olhos e colocavam (a venda) de volta depois. Eu não vi o sol até ser libertado”, disse ele.

    Al-Hafy disse que foi espancado e humilhado e não recebeu cuidados médicos enquanto esteve detido, e acredita que o seu trabalho como paramédico fez dele um alvo.

    “As palavras ‘equipe médica’ e trabalhar num hospital foram suficientes para que o tratassem como suspeito”, disse ele.

    Grupos médicos, incluindo a Organização Mundial da Saúde, pediram a suspensão dos ataques aos profissionais de saúde de Gaza durante a ofensiva de Israel, lançada depois que homens armados palestinos liderados pelo grupo militante islâmico Hamas atacaram Israel em 7 de outubro.

    Os militares de Israel acusaram combatentes do Hamas e do seu aliado, a Jihad Islâmica, de se esconderem em hospitais e de usarem escudos humanos, alegações que negam. Os militares também afirmam ter capturado combatentes em instalações médicas.

    O relato de Al-Hafy de ter sido vendado, contido e espancado é consistente com comentários de outros palestinianos que foram detidos por Israel e com declarações de grupos de direitos humanos sobre alegados abusos e maus-tratos.

    A relatora da ONU sobre tortura expressou preocupação em maio, dizendo estar preocupada com supostos padrões emergentes de violações contra detidos palestinos e com a ausência de responsabilização.

    Os militares de Israel afirmaram que os detidos são tratados de acordo com o direito internacional e que as alegações de abusos contra os detidos palestinos estão sendo investigadas.

    O advogado-geral militar disse em maio que as acusações foram tratadas com seriedade e que foram abertas investigações nos episódios em que havia suspeita de infracções penais.

    Cerca de 1.200 pessoas foram mortas no ataque de 7 de outubro e cerca de 250 foram levadas como reféns para Gaza governada pelo Hamas, segundo cálculos israelenses.

    Israel matou mais de 38 mil pessoas, segundo as autoridades de saúde de Gaza, e destruiu grande parte da infraestrutura do enclave, incluindo milhares de casas, na sua resposta militar, que diz ter como objetivo eliminar o Hamas.

    Al-Hafy disse que foi “despejado” no sul de Gaza depois de ser libertado da detenção e, ainda incapaz de andar, teve que rastejar por 3,5 km. Nos meses seguintes, ele foi tratado em quatro hospitais diferentes em Gaza, sofreu um coágulo sanguíneo no pulmão e entrou em coma, disse ele.

    Quando ele acordou, cerca de 25 dias depois, ele havia perdido a visão do olho direito, disse ele. Ele acabou sendo levado ao Egito para receber cuidados médicos.

    Ele está agora a ser tratado num hospital improvisado financiado e operado pelos Emirados, a bordo de um navio de carga no Egito, perto de Gaza. Muitos dos pacientes do “hospital flutuante” são crianças de Gaza, algumas com membros amputados.

    “Eles (equipe médica), que Deus os abençoe, tentaram de tudo comigo, mas Deus ainda não permitiu minha cura”, disse al-Hafy.