Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Corpos estão presos em escombros na Cidade de Gaza em meio a ataques israelenses

    Aumento na intensidade do conflito ocorre após pressão dos EUA para acordo de cessar-fogo

    Ataque israelense contra casa no centro de Gaza
    Ataque israelense contra casa no centro de Gaza 9/7/2024 REUTERS/Ramadan Abed

    Nidal al-Mughrabida Reuters Cairo

    Moradores da Cidade de Gaza ficaram presos em casas e corpos não foram recolhidos nas ruas sob um novo e intenso ataque israelense nesta quinta-feira (11), mesmo enquanto Washington pressionava por um acordo de paz nas negociações no Egito e no Catar.

    Militantes do Hamas dizem que um ataque massivo de Israel à Cidade de Gaza esta semana poderá destruir os esforços para finalmente acabar com a guerra, no momento em que as negociações entram na reta final.

    Lar de mais de um quarto dos residentes de Gaza antes da guerra, a Cidade de Gaza foi destruída durante as primeiras semanas de combates no ano passado, mas centenas de milhares de palestinianos regressaram às suas casas em ruínas. Eles foram novamente expulsos pelos militares israelenses.

    O Ministério da Saúde de Gaza disse ter relatos de pessoas presas e outras mortas dentro de suas casas nos distritos de Tel Al Hawa e Sabra, na Cidade de Gaza, e que as equipes de resgate não conseguiram alcançá-las.

    O Serviço de Emergência Civil disse que estimou que pelo menos 30 pessoas foram mortas nas áreas de Tel Al-Hawa e Rimal e que não conseguiu recuperar os corpos das ruas de lá.

    Apesar das instruções do exército na quarta-feira (10) aos residentes da Cidade de Gaza de que poderiam usar duas “rotas seguras” para seguir para o sul, muitos residentes recusaram-se a acatar a ordem. Alguns postaram uma hashtag nas redes sociais: “Não vamos embora”.

    “Morreremos, mas não partiremos para o sul. Toleramos a fome e as bombas durante nove meses e estamos prontos para morrer como mártires aqui”, disse Mohammad Ali, 30 anos, contatado por mensagem de texto.

    Ali, cuja família se mudou várias vezes para a cidade, disse que estava com falta de comida, água e remédios.

    “A ocupação bombardeia a Cidade de Gaza como se a guerra estivesse recomeçando. Esperamos que haja um cessar-fogo em breve, mas se não, então é a vontade de Deus”.

    Luta em Rafah

    Israel lançou o seu ataque à Faixa de Gaza no ano passado, depois de militantes liderados pelo Hamas terem atravessado a cerca da fronteira com o sul de Israel, matando 1.200 pessoas e capturando mais de 250 reféns, de acordo com os registos israelenses.

    Desde então, o ataque de Israel matou mais de 38 mil pessoas, segundo as autoridades médicas em Gaza.

    O gabinete de comunicação social do governo de Gaza, gerido pelo Hamas, disse que as forças israelenses abandonaram o subúrbio de Shejaia, a leste de Gaza, após mais de duas semanas de uma nova invasão militar, na qual dezenas de pessoas foram mortas e bairros residenciais foram destruídos.

    No extremo sul do enclave de Rafah, perto da fronteira com o Egito, onde tanques operam na maior parte da cidade desde maio, os residentes disseram que o exército continuou a explodir casas nas áreas ocidental e central, no meio de combates com o Hamas e com a Jihad Islâmica e outras facções menores.

    Autoridades de saúde palestinas disseram que quatro pessoas foram mortas, incluindo uma criança, em um ataque aéreo israelense em Tel Al-Sultan, no oeste de Rafah.

    Os militares israelenses disseram na quinta-feira que cerca de cinco foguetes disparados da área de Rafah foram interceptados com sucesso.

    As negociações no Catar e no Egito dão sequência a importantes concessões do Hamas na semana passada, que concordou que uma trégua poderia começar e que alguns reféns seriam libertados sem que Israel concordasse primeiro em acabar com a guerra.

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que enfrenta oposição dentro do seu gabinete de direita a qualquer acordo que interrompa a guerra até que o Hamas seja derrotado, afirma que um acordo deve permitir a Israel retomar os combates até atingir todos os seus objetivos.

    Dois responsáveis ​​do Hamas contatados pela Reuters não fizeram comentários imediatos sobre o conteúdo das negociações em curso.

    “Haverá uma reunião hoje entre o Hamas e os mediadores para verificar quais as respostas que receberam da ocupação”, disse um responsável palestino próximo da mediação, sem dar mais detalhes.