Polícia da Nicarágua prende Tamara Dávila, uma das líderes da oposição no país

A ativista da Unidade Nacional Azul e Branca é a oitiva liderança oposicionista presa pelo regime de Ortega Murillo

Ativista da Unidade Nacional Azul e Branca, Tamara Dávila
Ativista da Unidade Nacional Azul e Branca, Tamara Dávila Foto: Reprodução/Twitter/@tamaradvila3

Por Mario Medrano, da CNN

Ouvir notícia

A Polícia Nacional da Nicarágua deteve neste sábado (12) a ativista da Unidade Nacional Azul e Branco, Tamara Dávila Rivas, em sua casa — em Manágua — para, segundo nota da instituição, investigação nos termos do artigo 1º da Lei nº. 1055, a “Lei de Defesa dos Direitos dos Povos à Independência, Soberania e Autodeterminação pela Paz”.

De acordo com o comunicado, Dávila está sendo investigada pela prática de supostos “atos que comprometem a independência, a soberania, a autodeterminação, incitam a ingerência estrangeira nos assuntos internos, solicitam intervenções militares, organizam-se com financiamento de potências estrangeiras para a realização de atos de terrorismo e desestabilização, propor e administrar bloqueios de operações econômicas, comerciais e financeiras contra o país”.

O Centro de Direitos Humanos da Nicarágua, por meio de seu Twitter, condenou a prisão e busca na casa de Dávila.

“A polícia arrombou violentamente a sua casa sem se importar com a presença de uma menina de 4 anos. Exigimos que o regime de Ortega Murillo respeite sua integridade pessoal”, disse a organização.

Dávila tornou-se a oitava líder da oposição detida e a sétima a ser investigado no âmbito da Lei 1.055, aprovada pela Assembleia Nacional, por maioria pró-governo, em dezembro de 2020.

Os outros detidos, investigados ao abrigo desta legislação, são os candidatos presidenciais Arturo Cruz, Juan Sebastián Chamorro e Felix Maradiaga, e os líderes da oposição José Adán Aguerri, José Pallais e Violeta Granera, enquanto a candidata presidencial Cristiana Chamorro permanece detida sob a acusação de alegados crimes de “gestão abusiva, falsidade ideológica em concorrência real com o crime de lavagem de dinheiro, bens e ativos em prejuízo do Estado da Nicarágua” durante seu mandato à frente da fundação Violeta Barrios.

Onde está Violeta Granera?

A prisão de Tamara Dávila ocorre poucas horas depois que a ativista denunciou em suas redes sociais a suposta transferência de Violeta Granera, de sua casa – onde estava detida – para as celas da Diretoria de Assistência Judiciária.

“Neste momento estão nos informando que Violeta Granera foi raptada da sua casa, presumimos que foi transferida para as prisões de Chipote. Neste momento, Violeta Granera, líder das causas sociais, guia e líder pela justiça e pela democracia, neste país, da Unidade Nacional, exigimos a sua integridade física, exigimos a sua libertação ”, disse Dávila sexta-feira (11) à noite em sua conta do Twitter.

O Mecanismo de Acompanhamento à Nicarágua (MESENI), da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), expressou — por meio das redes sociais — preocupação com a situação de Granera, que, segundo o MESENI, permanecia sob “casa de prisão” em seu para casa a partir de 8 de junho. “Em 11 de junho ela foi transferida pela polícia sem informar seus parentes e advogados sobre sua localização atual”, disse a CIDH por meio de sua conta no Twitter.

A Unidade Nacional Azul e Branco, por meio de nota divulgada nesta sexta-feira em suas redes sociais, exigiu que a polícia revelasse o paradeiro de Violeta Granera.

“Fomos informados de que às 19 horas de sexta-feira, 11 de junho, a polícia retirou Violeta Granera da sua casa em viatura não oficial, a polícia não informou para onde a transferiria e se seria para interrogatório, assim é considerada uma pessoa desaparecida. Seu advogado de defesa não foi informado desta ação, que viola o regime de prisão domiciliar que lhe foi imposto ontem”.

A CNN solicitou informações à Polícia Nacional da Nicarágua sobre a transferência de Granera, mas até o momento obteve respostas. O Conselho de Comunicação e Cidadania coordenado pela Vice-Presidente Rosario Murillo também foi consultado, mas o pedido não foi respondido.

Da mesma forma, a CNN tentou se comunicar com o advogado de Dávila e Granera, mas não houve respostas.

Em uma segunda mensagem, a CIDH lembrou que Granera conta com medidas cautelares outorgadas pela agência desde 2019. “A esse respeito, a CIDH insta o Estado da Nicarágua a informar sobre sua localização e estado de saúde; e o lembra de seu dever de proteger a vida e a integridade das pessoas sob sua custódia”.

A CIDH reiterou seu “apelo urgente à libertação imediata dos detidos arbitrariamente na Nicarágua e ao restabelecimento das garantias do pleno gozo dos direitos civis e políticos, em particular daqueles que aspiram a cargos públicos”.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês).

Tópicos

Mais Recentes da CNN