Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Polícia espanhola investiga uso de inteligência artificial para criar imagens falsas de meninas nuas

    Supremo Tribunal de Justiça afirmou à CNN que abriu uma investigação policial sobre o caso

    Imagens eram adulteradas para que meninas aparecessem nuas
    Imagens eram adulteradas para que meninas aparecessem nuas Priscilla Du Preez/Unsplash

    Jack Guyda CNN

    A polícia espanhola iniciou uma investigação após imagens de meninas, alteradas com inteligência artificial para que elas aparecessem nuas, terem sido enviadas por uma cidade no sul do país.

    Um grupo de mães de Almendralejo, na região da Extremadura, relatou que suas filhas tinham recebido imagens suas nas quais pareciam nuas.

    Uma das mães, Miriam Al Adib, usou um vídeo publicado em sua conta verificada no Instagram para conscientizar sobre a situação.

    Ela conta como uma de suas filhas disse que alguém havia usado um aplicativo para fazer uma imagem dela na qual ela parecia nua. Desde então, ela descobriu que o mesmo havia acontecido com dezenas de outras meninas.

    Dirigindo-se aos responsáveis, Al Adib disse: “Vocês não fazem ideia do dano que causaram”.

    Francisco Mendoza, funcionário do governo regional, disse ao meio de comunicação público local Canal Extremadura que a polícia identificou alguns dos jovens que poderiam estar envolvidos na produção das imagens.

    Na quarta-feira (20), uma porta-voz do Supremo Tribunal de Justiça da Extremadura disse à CNN que está uma investigação policial em curso. A polícia nacional espanhola não respondeu aos pedidos de comentários.

    Al Adib apelou aos responsáveis ​​para cooperarem na resolução do problema e disse que havia preocupação de que as imagens pudessem ser disponibilizadas em sites pornográficos.

    “Usar fotos de outras pessoas para esse tipo de atrocidade e enviá-las é um crime gravíssimo”, escreveu ela na legenda.

    Na segunda-feira (18), Pilar Porrón, mãe de outra das meninas, disse ao Canal Extremadura que sua filha soube por uma de suas amigas que havia aparecido nua em uma foto.

    Fátima Gomez, outra mãe, contou ao canal que um menino tentou extorquir a filha dela usando uma imagem adulterada.

    Ela disse que a filha lhe mostrou uma conversa com o menino em que ele pedia que ela lhe enviasse dinheiro e, quando a filha recusou, o menino lhe enviou uma imagem manipulada dela nua.

    Segundo o veículo, as imagens foram feitas por meio de um aplicativo que utiliza inteligência artificial para produzir imagens de pessoas sem roupa.

    O prefeito de Almendralejo, José María Ramírez, disse que o incidente “é mais um caso de violência de gênero”.

    María Guardiola, chefe do governo regional da Extremadura, condenou o “incidente repugnante” numa publicação no X, anteriormente conhecido como Twitter.

    “A violência digital contra as mulheres é um flagelo que está aumentando”, escreveu Guardiola.

    O incidente ocorre no momento em que a Espanha enfrenta um acerto de contas por agressão sexual e violência de gênero, depois que Luis Rubiales, presidente da federação espanhola de futebol, foi acusado de beijar sem consentimento a vencedora da Copa do Mundo Feminina, Jennifer Hermoso.

    Rubiales renunciou ao cargo em 10 de setembro, após semanas de críticas ferozes. Ele nega as acusações contra ele.

    O beijo em Hermoso aconteceu após a vitória da seleção espanhola na final da Copa do Mundo Feminina, em 20 de agosto, e gerou condenação na Espanha e em todo o mundo.

    O homem de 46 anos já se desculpou e descreveu o beijo como “mútuo” — afirmação que Hermoso negou, dizendo que não consentiu e não foi respeitada.

    Também houve mais alvoroço em 14 de setembro, quando a polícia prendeu um homem suspeito de agressão sexual depois que ele pareceu tocar na bunda de uma jornalista de TV enquanto ela fazia uma reportagem ao vivo nas ruas de Madri.

    Vídeo: Operação internacional contra exploração sexual infantil prende 14 em SP

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original