Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Polônia anuncia que deixará de fornecer armas para a Ucrânia

    Decisão ocorre após protestos ucranianos em reação à decisão da Polônia de manter restrições de importações de grãos do vizinho

    Mitchell McCluskeyMariya KnightJessie Yeungda CNN

    A Polônia disse na quarta-feira (20) que deixará de fornecer armas à Ucrânia em meio a uma disputa crescente entre os dois países sobre uma proibição temporária das importações de grãos ucranianos.

    “Já não transferimos armas para a Ucrânia porque agora estamos armando a Polônia”, disse o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki nas redes sociais.

    A Polônia tem sido um dos mais firmes apoiadores da Ucrânia desde a invasão da Rússia, ao lado de vários países do antigo bloco de Leste que temem ser os próximos alvos se a guerra expansionista do presidente russo, Vladimir Putin, for bem sucedida.

    Agora Kiev e Varsóvia estão em litígio.

    A proibição dos cereais ucranianos foi inicialmente implementada no início deste ano por vários países da União Europeia, para proteger a subsistência dos agricultores locais preocupados com a possibilidade de serem prejudicados pelos baixos preços dos cereais ucranianos.

    Na semana passada, a UE anunciou planos para suspender a proibição. Mas três nações — Polônia, Hungria e Eslováquia — afirmaram que pretendiam desafiar a mudança e manter as restrições em vigor.

    Isso provocou protestos da Ucrânia, que esta semana entrou com ações judiciais contra os três países devido ao assunto.

    O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, também se manifestou contra a proibição na quarta-feira, ao discursar na Assembleia Geral da ONU, dizendo que “é alarmante ver como alguns na Europa, alguns dos nossos amigos na Europa, representam a solidariedade num teatro político — fazendo um thriller a partir dos grãos.”

    Ele acrescentou que as nações envolvidas “podem parecer desempenhar o seu próprio papel, mas na verdade estão ajudando a preparar o cenário para uma ação moscovita”.

    Os comentários de Zelensky suscitaram a condenação imediata da Polônia, com o Ministério dos Negócios Estrangeiros a convocar o embaixador ucraniano em Varsóvia para transmitir o seu “forte protesto”.

    O Ministro dos Negócios Estrangeiros polonês, Pawel Jablonski, disse ao embaixador da Ucrânia que a afirmação de Zelensky era “falsa”, especialmente porque a Polónia tinha “apoiado a Ucrânia desde os primeiros dias da guerra”.

    Acrescentou que “colocar pressão sobre a Polônia em fóruns multilaterais ou enviar queixas a tribunais internacionais não são métodos adequados de resolução de litígios entre os nossos países”, segundo um comunicado do ministério.

    Numa entrevista televisiva, Morawiecki, o primeiro-ministro, disse que não correria o risco de desestabilizar o mercado polonês ao aceitar as importações de cereais ucranianos, mas que não impediria a passagem pela Polônia, informou a agência de notícias nacional polonesa PAP.

    “É claro que manteremos o trânsito de mercadorias ucranianas. A Polônia não suporta quaisquer custos devido a isso. Pelo contrário, pode-se dizer que ganhamos com isso”, disse Morawiecki, segundo o PAP.

    Morawiecki também acusou os oligarcas ucranianos de terem “empurrado os seus cereais para o mercado polonês” sem se preocuparem com os agricultores locais, e disse que a Polônia se concentrará agora no fornecimento “das armas mais modernas” para os seus próprios fins, informou o PAP.

    “Se você quiser se defender, você precisa ter algo com que se defender”, disse Morawiecki.

    Varsóvia assumiu a liderança entre os aliados da OTAN no fornecimento de armas pesadas a Kiev. Na primavera, a Polónia tornou-se o primeiro país da Otan a enviar caças F-16 — meses antes dos Estados Unidos, que só no mês passado concordaram em aprovar a transferência de caças F-16, enquanto se aguarda a conclusão do treino das forças ucranianas.

    A Polônia também já enviou mais de 200 tanques de estilo soviético para a Ucrânia. A maior parte do equipamento militar ocidental e outros fornecimentos chegam à Ucrânia através da Polônia e o país acolhe 1,6 milhões de refugiados ucranianos, segundo as Nações Unidas.

    Segundo o rastreador do Instituto Kiel sobre o montante que as nações doaram à Ucrânia, a Polônia prometeu 4,27 mil milhões de euros, o que é uma combinação de ajuda militar, financeira e humanitária.

    O presidente polonês, Andrzej Duda, também pediu maior unidade e ação na quarta-feira, numa reunião do Conselho de Segurança da ONU, do qual a Rússia é membro permanente.

    “Se não agirmos hoje em solidariedade, para defender os valores fundamentais do direito internacional, amanhã poderá ser tarde demais”, disse ele, acrescentando que a “mudança estratégica” que ocorreu após a invasão da Ucrânia pela Rússia não é temporária.

    “Estamos vivendo uma nova era de incertezas”, disse Duda.

    Veja também: Ucrânia usa réplica de armas para atrair fogo da Rússia

    Veja imagens mostram a destruição da guerra entre Rússia e Ucrânia

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original