Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em meio à crescente influência na Europa, Polônia realizará seu maior desfile militar em décadas

    O Dia do Exército Polonês será comemorado nesta terça-feira (15) e inclui 200 unidades de equipamentos, 92 aeronaves e 2.000 militares, segundo o Ministério da Defesa do país

    Soldados poloneses caminham perto dos tanques Abrams M1A1 durante os preparativos para o desfile
    Soldados poloneses caminham perto dos tanques Abrams M1A1 durante os preparativos para o desfile Kacper Pempel/Reuters

    Ivana Kottasováda CNN

    A Polônia deve realizar seu maior desfile militar em décadas nesta terça-feira (15), em uma flexão do músculo defensivo que ocorre quando as tensões aumentam na fronteira entre a nação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e Belarus, importante aliada da Rússia.

    O Ministério da Defesa da Polônia disse que a celebração do Dia do Exército Polonês na terça-feira será marcada por uma vitrine que inclui 200 unidades de equipamentos militares poloneses e estrangeiros, 92 aeronaves e 2.000 militares.

    O desfile incluirá algumas das mais recentes tecnologias que a Polônia possui em seu arsenal, incluindo tanques M1A1 Abrams fabricados nos EUA, tanques sul-coreanos K2 e obuses autopropulsados ​​K9, lançadores de foguetes Himars, obuses autopropulsados ​​Krab, bem como Sistemas de baterias de mísseis Patriot, que fazem parte do sistema de defesa aérea polonês “WISŁA”.

    Veja também: Polônia envia soldados para fronteira com Belarus

    A Polônia emergiu como uma das principais potências militares da Europa nos últimos anos, depois de investir bilhões em novos equipamentos após a decisão da Rússia de anexar a península ucraniana da Crimeia em 2014.

    A influência diplomática de Varsóvia também cresceu após o papel instrumental que desempenhou no apoio Ucrânia desde a invasão em grande escala de Moscou.

    Na semana passada, a Polônia anunciou o envio de milhares de tropas adicionais para sua fronteira oriental, à medida que aumenta a preocupação com a presença das forças mercenárias russas do Grupo Wagner em Belarus.

    A Polônia faz fronteira não apenas com a Ucrânia e Belarus, mas também com o semi-enclave russo de Kaliningrado. Ao realizar uma demonstração massiva de poder na terça-feira, Varsóvia está enviando uma mensagem que a Rússia e Belarus devem entender, disseram especialistas.

    Veículos militares poloneses são vistos durante um ensaio de sábado para o desfile desta semana em Varsóvia / Pawel Supernak/EPA-EFE/Shutterstock

    “É uma coisa meio soviética de se fazer. A Rússia faz o deles em 8 de maio, os belarussos também, assim como a Coreia do Norte e o Irã. É meio que refletindo a linguagem deles. Os estados adversários veem isso [os desfiles] como uma demonstração de força, então a Polônia vai enfrentá-los com uma demonstração de força”, disse Edward Arnold, pesquisador do think tank de segurança britânico Rusi, à CNN.

    Ao mesmo tempo, a Polônia está a apenas dois meses das grandes eleições e Arnold disse que, além de mostrar suas capacidades à Rússia e seus aliados, o governo polonês também está tentando assegurar a seu próprio povo que está comprometido com a segurança.

    O partido governante de direita Lei e Justiça espera garantir um terceiro mandato consecutivo no poder, o que seria sem precedentes na Polônia pós-comunista. Mas até agora tem lutado para assumir uma liderança decisiva sobre o grupo de oposição Plataforma Cívica.

    “As questões de segurança são realmente importantes, juntamente com a economia e os padrões de vida, o que não é surpreendente, já que uma guerra está ocorrendo na fronteira da Polônia”, disse Aleks Szczerbiak, professor e chefe do departamento de política da Universidade de Sussex, na Inglaterra, à CNN.

    “Demonstrar sua competência em segurança é absolutamente importante para a reeleição do governo”, disse ele, acrescentando que a questão perpassa todo o espectro político.

    “Ninguém vai dizer que a segurança militar não é uma questão importante e que não devemos fortalecer os militares. [A oposição] dirá que o governo está realizando este desfile como uma espécie de golpe eleitoral, mas não dirá, você sabe, que aumentar o exército polonês não é importante”.

    O papel da Polônia na Otan mudou drasticamente na última década, segundo Jamie Shea, ex-funcionário da Otan, professor de estratégia e segurança na Universidade de Exeter, na Inglaterra, e membro da Chatham House.

    “Se você olhar para a Otan 10 anos atrás, antes de Putin anexar a Crimeia e [lançar a invasão da] Ucrânia, o foco principal da Otan era principalmente o Oriente Médio, o Afeganistão e os tipos de missões nas quais a Polônia participou, mas apenas em pequena escala”, disse ele à CNN.

    “Mas desde 2014, com a Otan voltando a se concentrar na Europa Central e Oriental…. a importância da Polônia na aliança aumentou enormemente.”

    Arnold disse que a mudança de poder entre os membros europeus da Otan é perceptível. “A liderança costumava ser o Reino Unido, Alemanha, França e, em seguida, junto com os EUA, o Quad, era o grupo que meio que decidia as coisas e isso se tornou a política da Otan”, disse ele.

    Com o Reino Unido fora da União Europeia e a Alemanha ainda hesitante em assumir um papel de liderança na Ucrânia, a Polônia percebeu sua oportunidade.

    “[Eles] têm um relacionamento muito bom com os países bálticos, falam muito sobre questões de defesa e segurança e a Rússia sempre foi uma grande ameaça… uma boa aposta”, acrescentou Arnold.

    O pivô do apoio do Ocidente à Ucrânia

    A Polônia aumentou dramaticamente o valor que gasta em defesa nos últimos anos, de menos de 2% de seu PIB em 2014 para 4% este ano, segundo estatísticas oficiais da Otan.

    Isso o torna o maior gastador em termos de participação no PIB, acima dos EUA. Crucialmente, mais de 50% do investimento da Polônia é em novos equipamentos e pesquisa e desenvolvimento.

    “Se eles permanecerem no caminho certo com todos esses diferentes planos de aquisição, eles serão a superpotência militar europeia da UE e da Otan”, disse Shea.

    “Por um cálculo, se eles comprarem todos os tanques dos EUA, os tanques Abrams e os tanques que eles encomendaram da Coreia do Sul, além de modernizar o que eles têm no momento, eles terão mais tanques do que a França, Alemanha, Itália e Reino Unido juntos”, disse ele.

    A Polônia emergiu como um aliado fundamental para a Ucrânia, o que a torna vulnerável. A maioria dos equipamentos militares ocidentais e outros suprimentos chega à Ucrânia através da Polônia e o país está hospedando 1,6 milhão de refugiados ucranianos, de acordo com as Nações Unidas.

    “Toda a base dos esforços ocidentais para apoiar a Ucrânia e mantê-la na luta depende crucialmente da Polônia”, disse Shea. “Grande parte do treinamento de soldados ucranianos está ocorrendo na Polônia e os poloneses também estão montando várias oficinas de reparo, onde os tanques Leopard podem ser consertados e enviados de volta, e muitos soldados ucranianos feridos são tratados em Hospitais poloneses”, explicou.

    Ao mesmo tempo, o governo está pronto para priorizar seus eleitores. “A Lei e a Justiça mostraram que estão dispostas a incomodar os ucranianos quando acham que a alternativa seria alienar os agricultores poloneses”, disse Shea, apontando para a decisão de Varsóvia de proibir as importações de grãos e outros produtos alimentícios da Ucrânia após um aumento em mercadorias baratas. Varsóvia está agora tentando estender a proibição.

    E embora os confrontos da Polônia com a União Europeia sobre questões como o estado de direito e a migração não tenham desaparecido, Varsóvia está deixando claro para seus aliados que eles precisam de seus poderes militares.

    “A relação do atual governo com a UE [União Europeia] é bastante conturbada, principalmente em questões de justiça e assuntos internos e também em outras questões. Mas [a Polônia] quer tentar minimizar esses pontos de vista e meio que enfatizar para a UE que [eles] fazem uma contribuição muito grande para a segurança e não querem comprometer isso de forma alguma”, disse Arnold.

    Um militar polonês mostra uma arma para crianças durante um festival militar, parte das comemorações do Dia do Exército Polonês em Polanka Wielka no domingo / Dominika Zarzycka/NurPhoto/Getty Images

    Tensões em Belarus

    Acontecimentos recentes em Belarus mostraram que os riscos que a Polónia enfrenta não são puramente hipotéticos.

    Em novembro, duas pessoas foram mortas no leste da Polônia, cerca de 6,4 quilômetros a oeste da fronteira com a Ucrânia, por um míssil ucraniano defendendo-se contra o fogo russo. Autoridades ucranianas e polonesas descreveram o incidente como um acidente e culparam a agressão russa por suas mortes.

    A Rússia usou Belarus como palco quando lançou sua invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022. Mais recentemente, milhares de combatentes mercenários do Grupo Wagner foram enviados para lá no mês passado como parte de um acordo para encerrar a insurreição armada do grupo contra o Kremlin.

    O presidente belarusso, Alexander Lukashenko, pediu ao grupo que ajudasse a treinar os militares de seu país e, no início deste mês, as duas forças realizaram exercícios de treinamento conjunto perto da fronteira polonesa.

    Foi durante esses exercícios que Varsóvia acusou dois helicópteros belarussos de violar o espaço aéreo polonês.

    Em reação ao incidente, o ministro da Defesa polonês, Mariusz Blaszczak, disse à rádio pública que 10.000 soldados serão enviados para a fronteira – 4.000 apoiariam diretamente o guarda de fronteira e os 6.000 restantes ficariam na reserva.

    Belarus já armou a fronteira no passado. Em 2021, Lukashenko foi acusado de criar uma crise ao transportar migrantes do Oriente Médio para Minsk e depois enviá-los para a fronteira da UE em retaliação às sanções da Europa contra seu regime.

    (Antonia Mortensen, da CNN, Martin Goillandeau, Catherine Nicholls, Isa Soares, Anna Gorzkowska e Jessie Gretener contribuíram com reportagens)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original