Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que temos ondas de frio brutais, quando o planeta aquece a níveis recordes

    Cientistas do clima são claros: extremos de frio continuarão a ocorrer mesmo que os invernos aqueçam em geral

    Pessoas se agasalham em Yakutsk, na Rússia, com onda de frio intensa
    Pessoas se agasalham em Yakutsk, na Rússia, com onda de frio intensa 5/12/2023/ Reuters

    Laura Paddisonda CNN*

    Depois de um verão de calor recorde, vastas áreas dos Estados Unidos enfrentam agora um frio extremo, enquanto uma frente fria brutal no Ártico traz rajadas de neve, gelo mortal e ventos arrepiantes que ameaçam a vida.

    À medida que o calor sem precedentes dá lugar ao frio, pode fornecer combustível para os negacionistas das mudanças climáticas, que apontam as temperaturas congelantes como prova de que o aquecimento global é uma narrativa exagerada.

    Mas os cientistas são claros: ondas de frio extremo continuarão a ocorrer mesmo que os invernos aqueçam em geral.

    Os recordes globais de calor superam os recordes de frio – 2023 foi o ano mais quente já registrado por uma margem enorme. E mesmo enquanto os EUA lutam para lidar com intensas rajadas de neve pesada agora, a longo prazo, a crise climática causada pelo homem levou a uma tendência alarmante de desaparecimento de neve no hemisfério norte.

    Alguns cientistas dizem que as mudanças climáticas podem até estar desempenhando um papel nessas correntes de gelo, uma vez que o aquecimento no Ártico aumenta a probabilidade do ar gelado e polar ir para sul.

    O que explica o frio?

    Nosso clima é fortemente influenciado pela corrente de jato, um rio ondulado de ar em movimento rápido no alto da atmosfera.

    Quando a corrente de jato se dirige para o sul, pode empurrar o ar frio do Ártico para a América do Norte, Europa e Ásia. Quando recua para o norte, o ar quente também irá avançar mais para o norte. Uma grande oscilação de alta pressão sobre a Europa em janeiro passado levou a temperaturas quentes recordes de inverno.

    Há também outro fator a considerar: o vórtice polar, um cinturão de ventos fortes que se situa extremamente alto na estratosfera – acima do nível da corrente de jato – em torno do Polo Norte.

    O vórtice polar é como um pião. No seu estado normal, ele gira muito rápido, mantendo o ar extremamente frio preso na região do Ártico. Mas pode ser perturbado e desviado do curso, ficando longo e distorcido, espalhando ar frio e influenciando a trajetória da corrente de jato.

    Trabalhadores removem neve em frente ao Capitólio estadual de Iowa, em Des Moines / 09/01/2024 REUTERS/Alyssa Pointer

    Isso aconteceu em 2021, trazendo um frio intenso ao Texas, causando quase 250 mortes e cortando a energia em grande parte do estado.

    É aqui que entra a ligação com as mudanças climáticas. Alguns cientistas acreditam que as perturbações dos vórtices polares e as alterações na corrente de jato estão sendo impulsionadas pelo aquecimento no Ártico, que está aquecendo cerca de quatro vezes mais rápido do que o resto do planeta.

    A ideia tem ganhado força desde um artigo de 2012 de Jennifer Francis, cientista sênior do Woodwell Climate Research Center, em Massachusetts. Descobriu-se que, à medida que o Ártico aquece, a diferença entre as temperaturas frias no norte e as temperaturas quentes no sul conduz a uma corrente de jato mais fraca e ondulada, que empurra o ar muito frio para sul. Seu artigo muito debatido deu início a mais pesquisas nessa área em desenvolvimento da ciência.

    Em 2021, Judah Cohen, climatologista do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, publicou uma pesquisa que descobriu que o rápido aquecimento em partes do Ártico, combinado com fortes nevascas na Sibéria, estava tornando a corrente de jato mais ondulada e desviando o vórtice polar do curso.

    “Não estamos argumentando que os invernos estão ficando mais frios em geral”, disse Cohen à CNN no ano passado. Mas a ideia de que as mudanças climáticas significarão menos oscilações entre temperaturas extremas é “uma simplificação excessiva”, disse ele.

    Funcionária retira neve da calçada após nevasca atingir Des Moines, no Estado norte-americano de Iowa / 12/01/2024 REUTERS/Alyssa Pointer

    No entanto, a área da ciência continua muito instável, e outros afirmaram que as ligações entre o aquecimento do Ártico e as ondas de frio estão longe de ser claras.

    Embora tenha havido uma série de invernos muito frios no hemisfério norte, coincidindo com invernos quentes no Ártico, a dificuldade é separar a causa do efeito, disse James Screen, professor de ciências climáticas na Universidade de Exeter, cuja própria pesquisa concluiu que o aquecimento do Ártico não é um gatilho para invernos mais frios.

    As ondas de frio extremo podem ser explicadas pela variabilidade climática normal, disse Screen. Em outras palavras, mesmo que os invernos fiquem mais quentes, ainda ocorrerão extremos de frio.

    E as mudanças climáticas também podem influenciar a gravidade das tempestades de inverno, uma vez que uma atmosfera mais quente pode reter mais umidade, provocando chuvas ou neve mais intensas quando caem.

    À medida que os cientistas trabalham para desvendar as ligações complexas entre as mudanças climáticas e os períodos de frio intenso, todos concordam em uma coisa: a tendência é para invernos mais quentes.

    “Se olharmos para os dados, vemos que, a longo prazo, o aquecimento global está levando a extremos de frio cada vez menos severos”, disse Screen.

    *Com informações de Nouran Salahieh e Allison Chinchar.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original