Presidente chileno é notificado após dados revelados no Pandora Papers

Sebastián Piñera teve revelado que fechou a venda de uma mina do país nas Ilhas Virgens Britânicas

Sebastián Piñera, presidente do Chile, trocou o ministro da Saúde no momento em que país registra forte aumento de casos e mortes causadas pelo novo coronavírus
Sebastián Piñera, presidente do Chile, trocou o ministro da Saúde no momento em que país registra forte aumento de casos e mortes causadas pelo novo coronavírus Foto: José Cruz - 27.abr.2018/Agência Brasil

Da CNN

Ouvir notícia

O Presidente do Chile, Sebastián Piñera, foi notificado de uma acusação constitucional que a Câmara dos Deputados decidiu iniciar contra ele no contexto da publicação do relatório internacional “Pandora Papers“, que revelou que a venda da mina de Dominga,teria sido concluída nas Ilhas Virgens Britânicas.

Conforme confirmado pelo jornal chileno La Tercera, o presidente recebeu a notificação na manhã deste sábado (16). Ela faz parte de um protocolo que atende à atual constituição do país, que estipula que o edital deve chegar três dias após o início oficial do processo no Congresso Nacional.

De acordo com a legislação em vigor, o chefe de Estado terá 10 dias a partir da notificação para apresentar sua defesa. Na prática, ele poderá fazer até o dia 28 de outubro, já que a legislação não conta fins de semana e feriados.

Já a comissão de revisão, composta pelos deputados Raúl Alarcón (PH), Maya Fernández (PS), Pepe Auth (IND), Paulina Núñez (RN) e Virginia Troncoso (IND-RN), terá seis dias após ouvir a defesa para apresentar sua posição à Câmara.

O relatório de quase 100 páginas, assinado por 15 deputados da oposição, precisará de 78 votos a favor para sua aprovação na Câmara dos Deputados.

O documento consiste segue duas linhas de acusação; uma relacionada ao princípio de que Piñera não agiu de boa fé ao fazer a negociação e outra que se refere ao fato de o presidente ter cometido um ato que “comprometeu gravemente a honra da nação”.

Texto traduzido. Clique aqui para ler o original.

(Publicado por Evandro Furoni)

Mais Recentes da CNN