Primeira-ministra da Nova Zelândia cancela planos de casamento após casos da Ômicron

País detectou nove casos da variante Ômicron em uma família que visitou a cidade de Auckland

Jacinda Ardern durante debate em Auckland; ela foi reeleita premiê da Nova Zelândia
Jacinda Ardern durante debate em Auckland; ela foi reeleita premiê da Nova Zelândia Foto: Fiona Goodall - 22.set.2020/Reuters

Philip Wangda CNN

Ouvir notícia

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, revelou neste domingo (23) que cancelou seu casamento enquanto o país tenta conter uma nova onda de casos da variante Ômicron.

Em uma entrevista coletiva para falar sobre a Covid-19, Ardern disse que as autoridades de saúde relataram nove casos de Ômicron em uma família da região de Motueka.  No último fim de semana, a família viajou para Auckland para participar de um casamento, um funeral, visitar um parque de diversões e uma atração turística, levando o país a mudar para o cenário mais alto de “sinal vermelho”.

Ardern disse a repórteres: “Meu casamento não vai acontecer, mas me junto a muitos outros neozelandeses que tiveram uma experiência como essa como resultado da pandemia”.

Ao ser questionada como ela se sentiu sobre sua decisão de cancelar o casamento, que deveria ser realizado neste verão, Ardern respondeu: “Assim é a vida”.

No mês passado, a Nova Zelândia afirmou estar adiando a reabertura de fronteiras em fases até o final de fevereiro, devido a preocupações com a variante Ômicron.

Chris Hipkins, ministro do país para a resposta ao Covid-19, disse: “Esperar até o final de fevereiro aumentará a proteção geral da Nova Zelândia e diminuirá a propagação do Ômicron. Não há dúvida de que isso é decepcionante e atrapalhará muitos planos de férias, mas é importante definir essas mudanças claramente hoje, para que eles possam ter tempo para considerar esses planos”.

Hipkins também disse que o Gabinete da Nova Zelândia concordou com outras medidas de precaução, incluindo a redução do intervalo entre uma segunda dose de vacina Covid-19 e uma dose de reforço de seis para quatro meses.

Outra medida inclui o aumento da quarentena para viajantes que retornam ao país de sete para 10 dias em isolamento.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN