Primeiros refugiados afegãos chegam à Alemanha após operação aérea histórica

Mais de 2 mil evacuados que chegaram à base aérea de Ramstein desde a noite de sexta-feira (20), parte de uma corrida caótica para transportar pessoas para fora do Afeganistão após a tomada do Talibã

Afegãos são evacuados de Cabul pelo exército dos EUA
Afegãos são evacuados de Cabul pelo exército dos EUA 86th Airlift Wing/Public Affairs

Atika ShubertSheena McKenzieda CNN

Ouvir notícia

Uma menina em um vestido de lantejoulas douradas e tênis não consegue esconder o enorme sorriso em seu rosto, enquanto sua temperatura é verificada na chegada à Base Aérea dos Estados Unidos de Ramstein, no sudoeste da Alemanha, neste sábado (21).

Ela é uma dos mais de 2 mil evacuados que chegaram à base aérea desde a noite de sexta-feira (20), parte de uma corrida caótica para transportar pessoas para fora do Afeganistão após a tomada do Talibã.

Ramstein é uma das maiores bases aéreas dos EUA fora do continente americano e agora foi transformada em um ponto de trânsito temporário para cidadãos evacuados.

Os EUA estão realizando “um dos maiores e mais difíceis voos aéreos da história”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, na sexta-feira, reconhecendo que, apesar da presença de milhares de soldados americanos no aeroporto de Cabul, a situação continua perigosa.

Espera-se que o exército dos EUA evacue de 5 mil a 9 mil pessoas por dia, mas até agora não atingiu essa meta. Na sexta-feira, houve um atraso de horas no aeroporto, pois os destinos que recebiam afegãos foram bloqueados.

Outros países – incluindo Canadá, Reino Unido, Itália e Austrália – também evacuaram centenas de afegãos e outros cidadãos para fora do país.

Os resgatados ficarão entre 48 e 72 horas na Base Aérea de Ramstein, disse à CNN o brigadeiro-general Josh Olson, acrescentando que o acordo dos EUA com a Alemanha prevê que eles não fiquem mais de 10 dias.

Dez minutos após o gigantesco avião C-17 Globemaster pousar em Ramstein na tarde de sábado, passageiros cansados, mas felizes, desembarcaram nos ônibus que se dirigiram ao centro de boas-vindas da base. Um Imame é a primeira pessoa a cumprimentá-los quando eles descem do veículo, lembrando que estão muito longe do caos e da violência do aeroporto de Cabul.

A maioria carrega uma mochila. Há homens afegãos em trajes tradicionais, mulheres com lenços de cabeça soltos tentando colocar crianças pequenas na fila. Uma mulher equilibra uma enorme trouxa de pano na cabeça enquanto passa pela segurança.

Há verificações rápidas de bolsas, medição de temperaturas e entrega de água e lanches. Mas também há pistas do terror que eles deixaram para trás. Um homem e uma mulher com os tornozelos enfaixados, como se tivessem torcido. E um garotinho com o braço em uma tipoia.

Casa temporária

Na Base Aérea de Ramstein, há capacidade para 5 mil pessoas. Mas com voos chegando a cada 90 minutos, o espaço está enchendo rápido, e Olson disse que a equipe está construindo mais instalações em uma espécie de cidade de barracas que abrigará outros 2,5 mil desabrigados.

Os alojamentos são separados por gênero. Mulheres e crianças ficam em barracas dentro do hangar e homens em barracas externas, com um pátio para as famílias se reunirem. As mesquitas improvisadas incluem entradas separadas por gênero.

Dentro das tendas, cabos elétricos amarelos permitem que os refugiados carreguem seus telefones. Em outros lugares, há uma série de camas militares dobráveis e dezenas de banheiros portáteis.

Entre os desabrigados está Haseeb Kamal, de 31 anos. Kamal é um cidadão americano de Richmond, Virgínia, que voltou para Cabul para trabalhar como tradutor e se casar.

O casamento de Kamal foi há uma semana, em 14 de agosto. Quando o Talibã entrou na cidade, ele levou sua nova esposa e família ao aeroporto. Mas havia tanto caos que eles se separaram. No final, ele só conseguiu puxar o pai e a irmã mais velha pelos portões, disse à CNN.

“Corri como todo mundo”, disse Kamal, descrevendo cenas frenéticas no aeroporto. “As forças dos EUA estavam atirando, as forças do Talibã e do Afeganistão também… As pessoas estavam se machucando a torto e a direito. Era uma situação ruim”, afirmou.

A esposa de Kamal e o resto da família estão presos em Cabul. A única vez que ele falou com eles desde que foram separados foi em uma conversa de dois minutos na manhã de sábado, quando ele pousou em Ramstein. Eles estão seguros, mas com medo, disse ele.

Ele disse que sua família perguntou o que iria acontecer com eles. Sua única resposta foi: “Não sei”.

Kamal e seu irmão trabalhavam como tradutores e seu pai era coronel do exército afegão, por isso temem que o Talibã os persiga. E, embora o refugiado esteja grato pelo esforço de evacuação, entende que tudo está se movendo muito devagar.

De volta a Cabul, ainda existe uma grande incerteza para milhares que ainda esperam por uma chance de fugir.

Situação volátil no aeroporto de Cabul

Grupos não-governamentais e legisladores têm corrido para tirar os que estão em perigo do Afeganistão, encontrando algum sucesso e, ao mesmo tempo, uma forte frustração. Isso porque muitas pessoas não conseguiram sucesso no aeroporto ou, pior, foram espancadas pelo Talibã enquanto tentavam fugir dali.

Os postos de controle do grupo e o caos nos portões do aeroporto impediram que milhares de pessoas entrassem nas instalações, muito menos em aviões, sujeitando-os às condições adversas e à violência.

Enquanto isso, o mulá Abdul Ghani Baradar, cofundador do movimento Talibã, chegou a Cabul vindo de Kandahar, no sul do Afeganistão, de acordo com um tuíte da organização. Baradar liderou negociações em Doha em nome do Talibã e chegou no Afeganistão na semana passada, pela primeira vez em 20 anos.

No sábado, a Embaixada dos Estados Unidos em Cabul emitiu um alerta de segurança afirmando que os cidadãos norte-americanos não deveriam ir ao Aeroporto Internacional Hamid Karzai a menos que fossem instruídos pelo governo dos Estados Unidos a fazê-lo.

O número de pessoas no aeroporto é agora de 14 mil, disse uma fonte familiarizada com a situação no sábado. Os números fornecidos pelos funcionários da base costumam ser difíceis de conciliar e mudar com frequência.

A fonte disse que os voos estavam indo novamente para o Catar, Europa, possivelmente Hungria, e que o Kuwait concordou em aceitar requerentes de visto especial de imigrante, desde que estivessem a caminho dos Estados Unidos.

No dia anterior, militares dos EUA evacuaram aproximadamente 3,8 mil pessoas em seis aviões C-17 e 32 aviões fretados do aeroporto de Cabul, disse no sábado o general Hank Taylor, vice-diretor do Estado-Maior Conjunto para Operações Regionais.

Desde o final de julho, 22 mil pessoas foram evacuadas, 17 mil delas somente na semana passada. Destes, 2, 5 mil são cidadãos americanos, disse Taylor. Os aviões militares C-17 estão agora “movendo-se entre o Catar e a Alemanha.”

Alguns, como os que chegam em Ramstein, tiveram a sorte de pegar um desses aviões.

*Texto traduzido, clique aqui para ler o conteúdo original

Mais Recentes da CNN