Príncipe Harry busca o direito de pagar pela própria equipe de segurança

O duque de Sussex seria obrigado a receber a mesma proteção policial da família real britânica quando estiver na Inglaterra - mas ele está disposto a cobrir as despesas "para não impor ao contribuinte britânico"

Príncipe Harry e Meghan Markle em Nova York, em setembro de 2021
Príncipe Harry e Meghan Markle em Nova York, em setembro de 2021 Anadolu Agency via Getty Images

Max FosterSharon Braithwaiteda CNN

Ouvir notícia

O príncipe britânico Harry está contestando legalmente uma decisão do governo do Reino Unido que o impede de pagar pessoalmente por proteção policial para si e sua família quando estiverem na país, de acordo com seus representantes legais.

A equipe jurídica de Harry disse que iniciou a contestação legal em setembro do ano passado, mas decidiu tornar essa informação pública agora “para esclarecer os fatos” por causa de um vazamento em um tabloide britânico.

Harry, o duque de Sussex, quer levar seu filho Archie e sua filha Lilibet para a Inglaterra, mas ele e sua família “não poderiam voltar para sua casa” porque é muito perigoso, disse um representante legal em uma declaração no sábado (15).

Em particular, a equipe de segurança norte-americana de Harry, paga com financiamento privado, “não pode replicar a proteção policial necessária” enquanto visita o Reino Unido, acrescentou o representante.

A alegação segue um incidente em Londres no verão de 2021, quando a segurança do príncipe foi comprometida quando ele deixou um evento de caridade, informou o comunicado.

De acordo com o representante legal, o duque “primeiro se ofereceu para pagar pessoalmente pela proteção policial do Reino Unido para ele e sua família em janeiro de 2020 em Sandringham”. O representante disse que a oferta foi rejeitada.

Harry se encontrou com sua avó, a rainha Elizabeth, o pai, o príncipe Charles, e o irmão, o príncipe William, no Queen’s Sandringham Estate, em Norfolk, Inglaterra, para discutir os termos da saída dos Sussex dos deveres reais, dias depois que o casal anunciou sua decisão de se afastar como membros da realeza.

Príncipe Harry segura Archie, o primogênito, e Meghan levanta Lilibet, a caçula da família / Divulgação

O representante legal informou ainda que o duque “continua disposto a cobrir o custo da segurança, para não impor ao contribuinte britânico”.

Depois que outra tentativa de negociação sobre o assunto foi rejeitada, Harry buscou uma revisão judicial – uma contestação legal à legalidade das decisões tomadas por um órgão público, neste caso o Ministério do Interior – em setembro de 2021.

“O Reino Unido sempre será o lar do príncipe Harry e um país no qual ele quer que sua esposa e filhos estejam seguros. Com a falta de proteção policial, surge um risco pessoal muito grande. O príncipe Harry espera que sua petição – depois de quase dois anos de pedidos de segurança no Reino Unido – resolverá essa situação”, disse o comunicado.

De acordo com um porta-voz do duque de Sussex, sua equipe está arquivando documentos que resumirão os motivos para contestar a decisão do Ministério do Interior.

Questionado sobre a declaração dos representantes legais de Harry, um porta-voz do governo disse: “O sistema de segurança de proteção do governo do Reino Unido é rigoroso e proporcional. É nossa política de longa data não fornecer informações detalhadas sobre esses acordos. Fazer isso pode comprometer sua integridade e afetar a segurança dos indivíduos.

“Também não seria apropriado comentar os detalhes de qualquer processo legal.”

Harry e sua esposa Meghan moram na Califórnia desde julho de 2020, depois de desistirem de seus deveres reais no início daquele ano.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN