Príncipe Philip era o braço direito da rainha Elizabeth II, diz professor

Príncipe consorte morreu, aos 99 anos, nesta sexta-feira (9); especialista em Realeza Britânica explica importância do título e companheirismo de Philip

Produzido por Juliana Alves,

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Com a ascensão da rainha Elizabeth II ao trono da coroa britânica em 1952, o príncipe Philip desempenhou um papel fundamental para garantir a continuidade da dinastia e monarquia do Reino Unido. A avaliação é de Renato de Almeida Vieira e Silva, professor universitário e especialista em Realeza Britânica.

Em entrevista à CNN, ele explicou a importância do consorte, morto, aos 99 anos, nesta sexta-feira (9). “Por mais de 70 anos Philip representou muito bem o papel de um príncipe consorte. Isso significa que ele, na verdade, era uma espécie de braço direito da rainha, a pessoa mais próxima dela e que, de fato, foi o garantidor de que a dinastia tivesse continuidade”, disse.

Para Silva, o príncipe Philip foi exemplar em assumir determinadas limitações impostas por ser o companheiro da monarca britânica. “Temos que levar em conta que o fato de ser homem dentro de um sistema em que a titular é a rainha é difícil. Isso não é fácil principalmente para um homem da geração dele. Ele assumiu e assimilou essa posição que era exigida pelo protocolo e deu o apoio necessário para Elizabeth II desempenhar o papel dela nessa longuíssima jornada.”

Morte do príncipe Philip 

A morte do príncipe Philip foi confirmada pelo Palácio de Windsor, que não revelou a causa. O Duque de Edimburgo, casado com a rainha Elizabeth II desde 1947, completaria 100 anos em 10 de junho.

“É com profunda tristeza que Sua Majestade a Rainha anunciou a morte de seu amado marido, Sua Alteza Real, o Príncipe Philip, Duque de Edimburgo. Sua Alteza Real faleceu pacificamente esta manhã no Castelo de Windsor”, informou a família real britânica, em sua conta no Twitter.

Philip com Elizabeth no casamento deles, em 1947
Philip com Elizabeth no casamento deles, em 1947
Foto: Topical Press Agency/Getty Images

Mais Recentes da CNN