Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Procurador-Geral da Venezuela manda prender maiores opositores de Maduro

    Medida acontece em ano de eleição no país; Leopoldo López e Julio Borges estão exilados na Espanha

    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela Reprodução/X

    Da CNN

    O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, emitiu nesta quinta-feira (2) uma ordem de prisão e extradição contra Leopoldo López e Julio Borges, dois dos maiores opositores de Nicolás Maduro. Ambos foram exilados e são acusados de receber benefícios de mais de US$ 1 bilhão.

    Saab mostrou um vídeo durante uma entrevista coletiva que mostra o empresário Samark López, que está preso acusado de colaborar com o também detido Tareck El Aissami, o ex-presidente da Petróleos da Venezuela (PDVSA), que estaria envolvido em uma rede de corrupção conhecida como PDVSA-cripto.

    No vídeo, o empresário diz que os dois empreiteiros venezuelanos envolvidos na suposta rede de corrupção “têm uma conexão direta” com López e Borges.

    A CNN não pôde verificar como e em que data a gravação foi feita e entrou em contato com a Promotoria para mais detalhes. O Ministério Público Venezuelano costuma apresentar depoimentos em vídeo em casos de alta sensibilidade política.

    A CNN também tenta contatar o advogado de Samark López para saber sua posição sobre o vídeo publicado pelas autoridades venezuelanas e as acusações contra o empresário.

    Leopoldo López, cofundador do partido Primero Justiça, foi preso em 2014 durante uma onda de protestos contra o governo de Nicolás Maduro, onde 43 pessoas morreram. Ele foi condenado a mais de 13 anos de prisão em 2015.

    López foi considerado culpado dos crimes de instigação pública e associação criminal, em um processo judicial que foi questionado pela defesa e por vários organismos internacionais. Ele se declarou inocente de todas as acusações.

    Em 2017, as autoridades venezuelanas permitiram que ele cumprisse o resto de sua pena em prisão domiciliar, mas em 2019 ele abandonou sua residência quando tentou uma revolta civil-militar com o líder da oposição, Juan Guaidó.

    Posteriormente, López pediu refúgio na embaixada da Espanha em Caracas e se mudou para Madri em 2020, onde vive atualmente.

    No caso do líder da oposição, Julio Borges, que foi coordenador do partido Primeiro Justiça, a Procuradoria-Geral da Venezuela emitiu, em 2023, uma ordem de prisão por suposta traição à pátria, conspiração e associação ao levante militar em abril de 2019.

    Antes disso, Borges já tinha dois mandados de prisão contra ele por corrupção e pelo planejamento e financiamento de uma suposta tentativa de assassinato contra o presidente Maduro em agosto de 2018. A Colômbia concedeu-lhe asilo político em 2018. Borges atualmente vive na Espanha.

    A CNN entrou em contato com os representantes legais de Borges e López e aguarda retorno.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original