Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Promotor do TPI investiga supostos crimes de guerra no Sudão

    Exército sudanês e as Forças de Apoio Rápido disputam controle de região de Darfur

    Procurador do TPI, Karim Khan, diz que analisa possíveis crimes contra a humanidade em guerra civil no Sudão
    Procurador do TPI, Karim Khan, diz que analisa possíveis crimes contra a humanidade em guerra civil no Sudão Tribunal Penal Internacional via Reuters

    Marta Fiorinda Reuters

    O procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional investiga as alegações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade na cidade de al-Fashir, em Darfur, no Sudão, que se tornou uma nova frente entre o exército sudanês e o grupo paramilitar das Forças de Apoio Rápido.

    Numa declaração em vídeo divulgada nesta terça-feira (11), o procurador Karim Khan disse que o TPI tem uma investigação ativa sobre possíveis crimes de atrocidade cometidos atualmente em Darfur.

    “Estou extremamente preocupado com as alegações de crimes internacionais generalizados cometidos em al-Fashir e nas áreas circundantes, neste momento”, disse Khan, acrescentando que o seu gabinete estava investigando essas alegações “com urgência”.

     

    Os seus investigadores analisam relatos do que pareciam ser ataques de motivação étnica contra a população civil, uso generalizado de violações e ataques contra hospitais, acrescentou.

    Khan pediu que qualquer pessoa com possíveis evidências, material de vídeo ou áudio os enviasse ao seu escritório.

    Al-Fashir, na região de Darfur, no noroeste do Sudão, é o lar de mais de 1,8 milhão de pessoas e é a mais recente frente de uma guerra entre o exército sudanês e a FAP, que começou em abril de 2023.

    O TPI pode analisar crimes de guerra, crimes contra a humanidade, genocídio e, em alguns casos, crimes de agressão, se cometidos no território de um dos 124 estados membros do tribunal ou por cidadãos de membros do TPI. Também pode ter jurisdição através de encaminhamento do Conselho de Segurança das Nações Unidas, como aconteceu com Darfur em 2005.

    Em janeiro deste ano, o procurador do TPI disse ao Conselho de Segurança da ONU que acreditava que crimes de guerra estavam sendo cometidos em Darfur pelas tropas governamentais e pela FAP em El Geneina.