Quando as viagens da família real britânica falham

Príncipe William e Kate enfrentaram protestos na visita à Jamaica durante turnê real

Família real ao redor da rainha Elizabeth II para assistir, da varanda do Palácio de Buckingham, à cerimônia Trooping the Color, em 13 de junho de 2015
Família real ao redor da rainha Elizabeth II para assistir, da varanda do Palácio de Buckingham, à cerimônia Trooping the Color, em 13 de junho de 2015 Chris Jackson/Getty Images

Max FosterLauren Said-Moorhouseda CNN*

Ouvir notícia

Há uma piada corrente entre os repórteres reais de que as turnês reais sempre acabam sendo intituladas “triunfantes”. Isso porque geralmente são cheias de energia incrível e momentos fotográficos que levantam o ânimo em meio a todas as más notícias do mundo.

Não será o caso desta vez. Houve um fluxo constante de manchetes negativas vindas da visita do duque e da duquesa de Cambridge ao Caribe e elas abafaram a cobertura mais positiva que, sem dúvida, também estava lá.

Não é que William e Kate tenham feito algo diferente desta vez. A viagem ainda tinha todas as características de uma visita real tradicional: danças, eventos esportivos com um herói nacional, jantares glamorosos e discursos. Mas o que parece ter mudado é o tom em torno dessas viagens, e elas podem precisar se adaptar a isso se as manchetes das turnês “triunfantes” retornarem.

A CNN não estava nessa turnê, mas viajamos bastante com a família. Sempre há manifestações republicanas e antimonárquicas, com as quais a realeza geralmente não tem problemas, em nossa experiência.

A família acredita na autodeterminação, por isso, se um país quiser substituir a rainha por seu próprio presidente eleito como chefe de estado, eles apoiarão isso, como demonstrado pelo príncipe Charles, que participou e endossou a posse do novo presidente de Barbados no ano passado.

Mas nos últimos dois anos, essas manifestações mudaram. Eles ainda tratam de romper os laços com a monarquia, mas não se trata apenas de independência e do futuro. Trata-se também de chegar a um acordo com o passado e, em muitos reinos da Commonwealth, trata-se do comércio de escravos e do papel da Grã-Bretanha nele.

Muitos nessas ex-colônias britânicas também querem um pedido de desculpas e reparações.

As ligações da família real com a escravidão remontam ao século XVI. A rainha Elizabeth I forneceu ao comerciante de escravos John Hawkins seu próprio navio “especificamente com o objetivo de capturar africanos na costa oeste da África“, de acordo com um artigo nos arquivos nacionais do Reino Unido.

Os membros subsequentes da família real investiram pesadamente no comércio de escravos. Muitas das grandes mansões da Grã-Bretanha hoje foram construídas com os lucros da escravidão e da exploração colonial.

Nem todos na nação se opuseram à visita da realeza. William e Kate foram recebidos por entusiastas durante viagem a Trench Town, terra natal do reggae / Chris Jackson/Getty Images

O duque abordou o assunto, discutindo o papel histórico da Grã-Bretanha na escravidão em seu único discurso durante a parada do casal na Jamaica, denunciando a prática “abominável” e expressando sua “profunda tristeza”.

Para muitos, isso não terá sido suficiente. Um pedido formal de desculpas e aceitação de responsabilidade abririam a porta para perguntas sobre restituição financeira. Esse é o domínio do governo do Reino Unido e não da realeza.

Quando se trata de assuntos de estado, os membros da família real agem a conselho dos ministros, portanto, um pedido de desculpas ou reparações precisariam ser acordados primeiro com o governo.

No início do dia, no que parecia ser uma reunião tensa, o primeiro-ministro jamaicano Andrew Holness sugeriu que a viagem do casal à Jamaica poderia ser a última com um monarca britânico como chefe de Estado, dizendo-lhes que o país estava “seguindo” e alcançará sua “verdadeira ambição” de ser “independente”.

Para os críticos, os passeios reais são uma alegria para uma monarquia britânica ultrapassada, mas são um trabalho árduo para todos os envolvidos e a realidade é que só acontecem a pedido do país anfitrião, que passa pelo governo britânico.

Trata-se de promover a marca do Reino Unido e reforçar as relações internacionais. E a realeza é considerada pelo Ministério das Relações Exteriores britânico como a ferramenta promocional definitiva e o principal ativo nacional.

A dramaturga, autora e colunista americana-britânica Bonnie Greer disse que o modelo da turnê real é “bastante arcaico” e precisa ser abordado “imediatamente”. Ela sugeriu que uma maneira de modernizá-los seria fazer com que os organizadores pedissem a um país anfitrião em potencial “para encontrar uma maneira de perguntar às pessoas se elas gostariam de uma turnê e dar um feedback à família real”.

No entanto, há outros que acreditam que os passeios são uma relíquia do passado e devem ser eliminados por completo. Naomi Evans, cofundadora do projeto Everyday Racism, nos disse que os considera “problemáticos” e que o mundo os superou.

“Houve um grande despertar de como o racismo, o capitalismo, o colonialismo, a escravização das pessoas, impactaram nossas vidas cotidianas e as pessoas estão começando a ver o quão problemático duas pessoas que se beneficiaram diretamente do colonialismo e do Império, andando por aí, sorrindo, como se realmente não tivesse acontecido nada a esses países”, diz ela.

“Não há absolutamente nenhuma necessidade deles. O que eles representam? Qual é a mensagem que você está dizendo quando você está enviando pessoas que colonizaram, roubadas de outros países, e você está enviando representantes para lá? Para quê? Não entendo qual é o propósito deles, a menos que seja pedir desculpas e começar a falar sobre como reparar o dano.”

Enquanto isso, o grupo de campanha antimonarquia britânico Republic classificou a turnê pelo Caribe como um “ponto de virada” e descreveu a visita como tendo sido “mal aconselhada e mal executada”.

“Houve uma mudança acentuada nas atitudes em relação à realeza no Reino Unido e em toda a Commonwealth na última década”, disse Graham Smith, CEO do grupo, em comunicado.

“O BLM (Black Lives Matter) e os movimentos antiescravidão em particular ajudaram a mudar a maré da monarquia para ideias mais independentes e igualitárias”.

Os Cambridges estão terminando a semana com uma última parada nas Bahamas, onde esperam reorientar a turnê de volta às organizações e indivíduos que apoiam e desejam promover.

Haverá interrogatórios palacianos, como sempre há depois dessas saídas, e eles tirarão lições dessa experiência e se adaptarão, porque é assim que a monarquia sobreviveu por tanto tempo.

A questão-chave é se o formato atual de viagens reais ainda é a maneira mais eficaz de promover a Grã-Bretanha e fortalecer os laços com suas ex-colônias.

O deleite da rainha com artefatos artesanais

A rainha Elizabeth II estava radiante positivamente durante seu último noivado. Ela foi fotografada sorrindo amplamente ao ver uma exibição de bules decorados à mão e antigas caixas de bugigangas esmaltadas trazidas para o Castelo de Windsor na quarta-feira (23).

Segurando sua bengala, a monarca inspecionou itens de luxo da empresa de artesanato britânica Halcyon Days na White Drawing Room do castelo para comemorar o 70º aniversário da empresa.

A apresentação incluiu peças com alguns de seus primeiros designs da década de 1950, bem como coleções atuais, incluindo porcelana fina inglesa.

A Halcyon Days é uma das 14 empresas no mundo a deter os três prêmios reais. A soberana também assistiu a uma demonstração de decoração tradicional em esmalte e douração à mão por mestres artesãos.

Rainha Elizabeth examinou porcelanas decoradas à mão no Castelo de Windsor./Joe Giddens/ Pool via Reuters

Vogue britânica coloca Queen em sua capa

Uma jovem rainha Elizabeth II está na capa da Vogue britânica pela primeira vez, pois a revista marca o Jubileu de Platina da monarca com uma edição especial de homenagem.

A Vogue britânica presta uma homenagem especial a Sua Majestade a Rainha, olhando para trás em seu relacionamento único com o monarca durante seus setenta anos no trono”, disse em um comunicado à imprensa.

É a primeira vez que a rainha aparece na capa em forma fotográfica, já que edições anteriores celebrando o monarca usaram ilustrações. A fotografia selecionada para a capa de abril é uma foto em preto e branco tirada pelo fotógrafo britânico Antony Armstrong Jones, falecido em 2017.Ele foi casado com a irmã da rainha, a princesa Margaret, entre 1960 e 1978. A edição estará à venda em 29 de março, com uma capa separada com a atriz de “The Queen’s Gambit”, Anya Taylor-Joy.

Avisos

O Palácio de Buckingham compartilhou alguns detalhes sobre o serviço especial de ação de graças que celebra a vida do duque de Edimburgo, que acontecerá na Abadia de Westminster na terça-feira (22).

O evento memorial homenageará a “dedicação do príncipe Philip à família, nação e comunidade e reconhecerá a importância de seu legado na criação de oportunidades para os jovens, promovendo a gestão e conservação ambiental e apoiando as Forças Armadas”, disse o palácio em comunicado.

Philip morreu em abril de 2020, aos 99 anos./ Reprodução/Twitter @RoyalFamily

A declaração também revelou que será dada atenção especial para homenagear a contribuição vitalícia do duque para o serviço público, seu trabalho dedicado a 700 organizações e o legado do programa Duke of Edinburgh Award.

É claro que membros da família real estarão presentes, mas o palácio disse que também podemos esperar que membros de famílias reais estrangeiras, bem como a família mais ampla de Philip, amigos e funcionários da casa estejam entre os convidados no culto.

Haverá também uma exibição de mais de 500 representantes das antigas instituições de caridade e patrocínios do duque.

Outros na congregação incluirão representantes do governo britânico, das forças armadas e das administrações descentralizadas do Reino Unido, além de altos comissários e representantes de territórios ultramarinos.

A música será fornecida pelos coros da Abadia de Westminster e da Capela Real durante o serviço, com a Banda dos Fuzileiros Navais tocando antes e depois do evento.

William e Kate não foram os únicos membros da realeza em turnê nesta semana para marcar os 70 anos da rainha no trono. O príncipe Charles e sua esposa, Camilla, foram à Irlanda do Norte para uma visita de dois dias.

Enormes multidões apareceram em Cookstown para ter um vislumbre da realeza. Enquanto estavam lá, eles andaram de bicicleta tandem enquanto encontravam voluntários no café Superstars, um centro que oferece oportunidades de emprego e ajuda a treinar jovens com dificuldades de aprendizagem.

Eles então atravessaram a fronteira para a República da Irlanda para visitar Waterford, a cidade mais antiga da Irlanda, encontrando grupos que trabalham para promover a sustentabilidade alimentar e combater as mudanças climáticas por meio da agricultura.

“Somos eternamente gratos pela imensa contribuição que esta geração e seus descendentes deram à vida britânica, que continua a enriquecer e melhorar nossa sociedade”

Príncipe William

Ao falar na Jamaica, o duque também prestou homenagem à geração Windrush, que veio do Caribe para o Reino Unido para ajudar a reconstruir a nação após a Segunda Guerra Mundial. O tratamento dado pelo governo britânico a essas pessoas e seus descendentes provocou um escândalo em 2018, quando se descobriu que eles haviam sido submetidos a duras repressões de imigração.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN