Rússia avançou pouco apesar de bombardeios pesados, dizem militares ucranianos

Estados Unidos acreditam que russos tentarão anexar regiões de Donetsk e Luhansk no leste do país em meados de maio

Oficiais ucranianos observam tanque russo destruído no vilarejo de Rusaniv, na região de Kiev, em 16 de abril
Oficiais ucranianos observam tanque russo destruído no vilarejo de Rusaniv, na região de Kiev, em 16 de abril GENYA SAVILOV/AFP via Getty Images

Tim Listerda CNN

Lviv

Ouvir notícia

Os militares ucranianos disseram na quarta-feira (4) que, apesar do fogo de artilharia pesado em várias frentes, as forças russas fizeram poucos avanços em direção ao objetivo de proteger todas as regiões de Luhansk e Donetsk, no leste do país.

Na terça-feira, o embaixador dos EUA na Organização para Segurança e Cooperação na Europa, Michael Carpenter, disse que seu país tem relatórios de inteligência “altamente confiáveis” de que a Rússia tentará anexar as regiões de Donetsk e Luhansk “em meados de maio”.

Em sua última atualização operacional, os militares disseram que os ataques com mísseis russos na noite de terça-feira foram projetados para destruir a infraestrutura de transporte.

Mísseis de cruzeiro atingiram pelo menos meia dúzia de alvos no centro e oeste da Ucrânia, no que parece ter sido uma tentativa de dificultar o trânsito de equipamentos e suprimentos militares.

O sistema ferroviário ucraniano informou que mais de 40 trens foram atrasados ​​após os ataques.

Um dos ataques ocorreu na região de Zakarpattia, perto da fronteira com a Eslováquia. Foi a primeira vez que a região foi alvo desde o início da invasão.

Viktor Mykyta, chefe da administração militar regional de Zakarpattia, disse que uma área povoada foi atingida, mas não houve vítimas e o trabalho está em andamento para restaurar os serviços públicos.

Dezenas de milhares de ucranianos deslocados se mudaram do leste para a região de Zakarpattia.

A atualização do Estado-Maior ucraniano informou que havia poucos sinais de forças terrestres russas se preparando para se movimentar, mas que mais unidades do Distrito Militar Central da Rússia foram trazidas para áreas de fronteira na região russa de Bryansk, vizinha do nordeste da Ucrânia.

O Estado-Maior disse que a maior parte da ação ofensiva continuou na forma de ataques de artilharia. Ele disse que um avanço terrestre em direção a Dovhenke falhou. As forças russas têm tentado avançar para o sul da região de Kharkiv em um esforço para cercar as unidades ucranianas que defendem a região de Donetsk, mas com sucesso limitado, disse.

A CNN não pode confirmar de forma independente os detalhes da atualização dos militares ucranianos.

A liderança militar reconheceu que os russos estão avançando na direção da vila de Shandryholove, onde as tropas ucranianas estão tentando defender as aproximações às cidades de Lyman e Sloviansk, na província de Donetsk. Nas últimas semanas, os militares russos realizaram repetidos ataques militares em Lyman, inclusive em sua infraestrutura ferroviária.

“O inimigo reforçou o grupo de tropas e intensificou o reconhecimento aéreo”, na área de Lyman, segundo a atualização das autoridades ucranianas.

A CNN geolocalizou um vídeo dessa mesma área mostrando blindados russos sendo destruídos pelo fogo ucraniano em dias recentes.

Os militares também relataram a continuação dos combates na região de Zaporizhzhia, onde as forças russas não conseguiram avançar na cidade de Orikhiv.

Serhii Haidai, chefe da administração militar da região de Luhansk, disse que os ataques com foguetes e bombas continuaram nas cidades de Severodonetsk, Rubizhne e Lysychansk. Duas pessoas haviam morrido. Ele disse que os combates também continuaram na cidade de Popasna. A CNN geolocalizou um vídeo mostrando intensos combates de rua entre as ruínas da cidade.

“Os russos não estão apenas destruindo Popasna. Eles estão removendo-a do mapa da região de Luhansk”, disse Haidai.

Na vizinha Donetsk, Pavlo Kyrylenko, chefe da administração militar regional de Donetsk, disse que as cidades de Avdiivka e Maryinka foram bombardeadas novamente na manhã de quarta-feira.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN