Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rússia, China, Reino Unido, EUA e França dizem que ninguém venceria guerra nuclear

    Membros do Conselho de Segurança da ONU emitiram nota conjunta dizendo que vão estimular abordagens de conversas bilaterais e multilaterais

    Bandeiras dos EUA e da Rússia em Vsevolozhsk, na Rússia.
    Bandeiras dos EUA e da Rússia em Vsevolozhsk, na Rússia. Reuters/Anton Vaganov

    Andrey OstroukhDaphne PsaledakisJonathan Landayda Reuters

    em Moscou e Washington

    Ouvir notícia

    China, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e França declararam que uma expansão dos armamentos nucleares e uma guerra nuclear devem ser evitados, de acordo com uma nota conjunta emitida pelas cinco potências nucleares e publicadas pelo Kremlin nesta segunda-feira (03).

    A declaração diz que os cinco países – que são membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – consideram que sua responsabilidade primária é evitar a guerra entre Estados nucleares e reduzir riscos estratégicos, enquanto buscam trabalhar com todos os países para criar uma atmosfera de segurança.

    “Afirmamos que uma guerra nuclear não pode ser vencida e não deve nunca ser disputada”, afirma a versão do comunicado em inglês.

    “Como o uso de armas nucleares teria consequências vastas, também afirmamos que as armas nucleares –enquanto elas continuarem existindo– devem servir para propósitos defensivos, para impedir agressões e para prevenir a guerra.”

    A França também publicou a nota, ressaltando que as cinco potências reiteraram suas determinação pelo controle de armamentos nucleares e pelo desarmamento. Os governos vão continuar abordagens bilaterais e multilaterais no controle de armamentos nucleares, diz a nota.

    O comunicado do grupo chamado de P5 ocorre num momento em que as relações bilaterais entre Estados Unidos e Rússia passam pela pior fase desde o fim da Guerra Fria, enquanto as relações entre Washington e Pequim também estão em baixa por conta de uma série de discordâncias.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN