Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rússia diz que serviços especiais da Ucrânia encenaram assassinato de civis em Bucha

    "É simplesmente um show bem dirigido, mas trágico", declarou porta-voz do Kremlin ao ser questionado sobre imagens que repercutiram internacionalmente

    Porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov
    Porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov 23/12/2021REUTERS/Evgenia Novozhenina

    Reuters

    Ouvir notícia

    O Ministério da Defesa da Rússia disse, nesta terça-feira (5), que serviços especiais ucranianos organizaram supostos assassinatos de civis em cidades ucranianas na tentativa de espalhar propaganda pela mídia ocidental.

    A Rússia vem negando ser a responsável pelas imagens em Bucha, que repercutiram mundialmente conforme civis mortos eram retirados das ruas e valas comuns eram encontradas no local.

    “Soldados do 72º Centro Principal de Operações Psicológicas da Ucrânia realizaram outra filmagem encenada de civis supostamente mortos pelas ações violentas das forças armadas russas” em 4 de abril em uma vila a 23 quilômetros a noroeste de Kiev, disse o ministério.

    “Eventos semelhantes já foram organizados por serviços especiais ucranianos em Sumy, Konotop e outras cidades”, complementaram.

    O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, também se manifestou nesta terça-feira e disse que as alegações eram uma “falsificação monstruosa” com o objetivo de difamar o exército russo.

    “É simplesmente um show bem dirigido, mas trágico”, disse Peskov durante uma coletiva de imprensa. “É uma falsificação com o objetivo de difamar o exército russo, e não vai funcionar”.

    “Mais uma vez, pedimos à comunidade internacional: desligue-se de tais percepções emocionais e pense com a cabeça”, disse Peskov. “Compare os fatos e entenda com que monstruosa falsificação estamos lidando”.

    Questionado sobre o apelo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para que o presidente Vladimir Putin fosse julgado por crimes de guerra, Peskov disse ainda que tais observações eram inaceitáveis e indignas de um líder dos EUA.

    Mais Recentes da CNN