Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rússia nega acusação de mortes de civis na cidade de Bucha e ordena investigação

    Autoridades ucranianas disseram neste domingo que estão investigando possíveis crimes cometidos por forças russas depois de encontrar centenas de corpos na região da capital Kiev

    Da ReutersYulia Kesaievada CNN

    O investigador-chefe da Rússia ordenou nesta segunda-feira (4) um exame oficial do que chamou de “provocação” ucraniana depois que Kiev acusou os militares russos de massacrar civis na cidade de Bucha.

    Alexander Bastrykin, chefe do Comitê de Investigação da Rússia, ordenou que uma investigação fosse aberta com base no fato de que a Ucrânia havia espalhado “informações deliberadamente falsas” sobre as forças armadas russas em Bucha, disse o comitê em comunicado.

    Além disso, o Kremlin negou, nesta segunda-feira, quaisquer acusações relacionadas ao assassinato de civis na cidade ucraniana de Bucha e disse que as alegações ucranianas sobre o assunto devem ser tratadas com dúvida.

    Autoridades ucranianas disseram no domingo que estão investigando possíveis crimes cometidos por forças russas depois de encontrar centenas de corpos espalhados por cidades na região da capital Kiev após a retirada russa da área.

    Falando a repórteres em uma teleconferência, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que os fatos e a cronologia dos eventos em Bucha não apoiam a versão dos eventos da Ucrânia e instou os líderes internacionais a não se apressarem em julgar.

    Peskov disse que os diplomatas russos continuarão com seus esforços para convocar uma reunião do Conselho de Segurança da ONU para discutir o que Moscou chamou de “provocações ucranianas” em Bucha, apesar de seu primeiro esforço para organizar tal reunião ter sido bloqueado.

    Peskov se recusou a comentar se o furor sobre Bucha afetaria as negociações de paz entre Moscou e Kiev, que deveriam ser retomadas por videoconferência nesta segunda-feira.

    Corredor humanitário em Mariupol

    Um corredor humanitário da cidade sitiada de Mariupol, no sudeste da Ucrânia, estará em operação nesta segunda-feira, de acordo com um alto funcionário ucraniano, apesar dos atrasos e dificuldades em manter a rota aberta para evacuação.

    “A rota funcionará para transporte privado. Quinze ônibus de evacuação já deixaram Zaporizhzhia para Mariupol”, disse Iryna Vereshchuk, vice-primeira-ministra ucraniana e ministra da reintegração de territórios temporariamente ocupados.

    No domingo, sete ônibus acompanhados por uma delegação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha chegaram a Manhush, disse Vereshchuk. A delegação do CICV planeja continuar o deslocamento de Manhush para Mariupol junto com os ônibus, disse ela.

    Se o comboio acompanhado do CICV chegar a Mariupol, será o primeiro caso de evacuação organizada por ônibus da cidade bombardeada.

    “Também continuaremos evacuando as pessoas de Severodonetsk, Popasna, Lysychansk, Rubizhne e Nyzhnie da região de Luhansk”, disse Vereshchuk, referindo-se às comunidades no leste da Ucrânia que viram intensos combates e sofreram bombardeios pesados.

    “Os ocupantes constantemente violam o cessar-fogo e disparam contra os comboios humanitários na região de Luhansk. Os corajosos policiais, militares e motoristas continuam ajudando a residência local a evacuar sob o comando do chefe da administração regional de Luhansk independentemente.”