Rússia diz que simples ideia de guerra com a Ucrânia é “inaceitável”

Apesar das declarações de Alexei Zaitsev, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, russos aumentaram a presença de suas tropas na região da fronteira ucraniana

Veículos militares russos durante exercício militar na região de Rostov
Veículos militares russos durante exercício militar na região de Rostov Sergey Pivovarov/Reuters (26.jan.2022)

Vladimir Soldatkinda Reuters

Moscou

Ouvir notícia

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse nesta quinta-feira (27) que até mesmo a ideia de uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia é “inaceitável”, a última de uma série de declarações oficiais com o objetivo de eliminar os temores de uma iminente invasão russa ao país vizinho.

“Já afirmamos repetidamente que nosso país não pretende atacar ninguém. Consideramos inaceitável até mesmo o pensamento de uma guerra entre nosso povo”, disse Alexei Zaitsev, porta-voz do ministério.

A Rússia, que anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014 e apoiou uma rebelião separatista no leste da Ucrânia, aumentou a presença de suas tropas na região da fronteira ucraniana, assim como enviou forças à também vizinha Belarus.

Kiev rejeita a versão da Rússia de que o conflito separatista no leste da Ucrânia é uma guerra civil que nada tem a ver com Moscou, dizendo que a Rússia apoia os separatistas com forças disfarçadas no terreno de combate.

Cessar-fogo

Após longas conversas em París na quarta-feira (26), assessores políticos da Rússia, Ucrânia, França e Alemanha concordaram que um cessar-fogo no leste da Ucrânia precisa ser observado na região.

Porém, muitas questões relativas a um acordo de paz para o conflito no leste europeu permaneceram sem solução após oito horas de negociações, disse Kozak em entrevista coletiva.

Ainda assim, ele espera que as posições possam ser alteradas e disse que outra reunião dos quatro países será realizada em duas semanas, em Berlim.

A Rússia insiste que não pretende invadir, mas o Ocidente ameaçou com severas penalidades econômicas se isso acontecer.

Na linha de frente, ucranianos se preparam para possível ataque:

Mais Recentes da CNN