Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rússia protege Coreia do Norte com veto de resolução da ONU

    Texto pretendia renovar um painel independente de especialistas que investigam as violações das sanções do Conselho de Segurança por Pyongyang

    Conselho de Segurança da ONU em Nova York
    Conselho de Segurança da ONU em Nova York 25/3/2024 REUTERS/Andrew Kelly

    Da CNN

    A Rússia vetou na quinta-feira (28) uma resolução das Nações Unidas que renovaria um painel independente de especialistas que investigam as violações das sanções do Conselho de Segurança pela Coreia do Norte, numa altura em que Pyongyang se tornou um importante fornecedor de munições para a guerra de Moscou contra a Ucrânia.

    Nos últimos anos, o líder norte-coreano Kim Jong Un supervisionou um aumento maciço do programa de mísseis balísticos de Pyongyang, com dezenas de testes num ano, incluindo mísseis balísticos intercontinentais de longo alcance que poderiam, em teoria, atingir o continente dos Estados Unidos.

    As sanções internacionais e as investigações da ONU sobre o programa de armas ilegais da Coreia do Norte foram anteriormente apoiadas pela Rússia. Mas as relações entre Moscou e o Ocidente estão num nível historicamente baixo devido à guerra desencadeada na Ucrânia. Enfrentando um crescente ostracismo internacional – e uma grave escassez de munições – o presidente russo, Vladimir Putin, tornou-se cada vez mais dependente do seu homólogo norte-coreano, Kim Jong Un.

    A Coreia do Norte também ganhou um poderoso apoiador na ONU, que exerce poder de veto.

    O embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia, disse ao Conselho de Segurança que o regime de sanções impostas pela ONU a Pyongyang, com o objetivo de impedir a Coreia do Norte de realizar testes nucleares ou de lançar mísseis balísticos, está “perdendo a sua relevância” e está “desligado da realidade”, de acordo com um comunicado de imprensa da ONU.

    Desde que a Resolução 1718 da ONU foi aprovada em 2006, estabelecendo o painel de sete membros, as sanções à Coreia do Norte não alcançaram os seus objetivos nem contribuíram para uma melhoria da situação na Península Coreana, afirmou a Rússia.

    Nebenzia disse quinta-feira que uma coligação de países liderada pelos EUA queria estrangular Pyongyang, uma situação que afeta a segurança nacional da Rússia.

    Embora as sanções da ONU proíbam a transferência de armas de ou para a Coreia do Norte, o regime de Kim tornou-se um grande fornecedor de armas para o esforço de guerra de Putin na Ucrânia.

    O ministro da Defesa da Coreia do Sul disse em fevereiro que as fábricas de munições da Coreia do Norte estão operando a plena capacidade para produzir armamentos para enviar à Rússia, incluindo milhões de cartuchos de artilharia.

    A Ucrânia também disse ter encontrado destroços de mísseis balísticos fabricados na Coreia do Norte após ataques a alvos no país.

    A votação no Conselho de Segurança de 15 membros na quinta-feira foi de 13 a favor, a Rússia se opôs e a China se absteve. Mas como a Rússia detém o poder de veto, a resolução para continuar o trabalho do painel de especialistas falhou.

    A embaixadora britânica na ONU, Barbara Woodward, classificou o veto russo como “profundamente preocupante”.

    “Este veto não demonstra preocupação com o povo norte-coreano ou com a eficácia das sanções”, disse Woodward ao Conselho de Segurança. Acrescentando que “trata-se de que a Rússia ganhe a liberdade de fugir e violar sanções na busca de armas a serem usadas contra a Ucrânia”.

    “Esse veto prejudica o trabalho do painel; a integridade do regime internacional de não proliferação nuclear; e a credibilidade deste Conselho na defesa das resoluções do Conselho de Segurança da ONU”, disse Woodward, acrescentando que o painel de especialistas “desempenhou um papel vital na restrição” da Coreia do Norte ao longo da última década.

    O vice-embaixador dos EUA na ONU, Robert Wood, perguntou como uma nação civilizada poderia bloquear a aprovação.

    “Você silenciou hoje o painel de especialistas, mas nunca silenciará aqueles que são a favor de um regime de não-proliferação”, disse Wood à Rússia.

    O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul também classificou a decisão da Rússia como “irresponsável”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original