“Se podemos fazer voar uma estação espacial, podemos salvar o planeta”, diz astronauta

Astronauta francês Thomas Pesquet relata efeitos da atuação humana na Terra que podem ser vistos do espaço

Thomas Pesquet, astronauta
Thomas Pesquet, astronauta ESA/Nasa

Stefanie Blendisda CNN

Ouvir notícia

O astronauta francês Thomas Pesquet passou seis meses a bordo da Estação Espacial Internacional no ano passado, e a sua visão da Terra foi tão alarmante quanto de tirar o fôlego.

Longos períodos com os seus pés fora de terra firme deram-lhe uma perspectiva única e privilegiada do nosso planeta. A sua conta no Instagram está repleta de belas imagens da “bola azul a que chamamos de casa”. Mas a beleza está manchada. Pesquet diz que mesmo do espaço os efeitos das alterações climáticas são visíveis.

Ele diz que desde a sua anterior visita ao espaço, em 2016, as consequências da atividade humana tornaram-se ainda mais aparentes, com geleiras recuando visivelmente, e um aumento dos fenômenos climáticos extremos.

A preocupação ambiental motivou-o a tornar-se Embaixador de Boa Vontade da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Como astronauta a bordo da Estação Espacial, apoiou a investigação da FAO sobre inovação agrícola e métodos de produção alimentar.

Recursos limitados no espaço proporcionam uma oportunidade para modelar o comportamento humano num planeta com recursos em declínio, e Pesquet quer destacar os paralelos entre a vida numa nave espacial e a vida na Terra.

A CNN falou com Pesquet no Museu de Ciências Naturais de Houston. Essa entrevista foi editada e cortada para maior clareza e brevidade.

CNN: Como é que é a Terra “lá fora”?

Pesquet: Quando se olha para a Terra a partir da estação espacial, é absolutamente mágico. Não está assim tão longe, por isso ainda tem uma vista relativamente próxima. Mas pode ver-se a curvatura e vê-se a atmosfera. Brilha em azul. É absolutamente deslumbrante da primeira vez que a vê. É a mais bela paisagem que se pode imaginar.

Quando se está na Terra, sente-se que tudo é tão vasto, que tudo é interminável. É difícil compreender o quão limitados somos. Depois, quando se dá um passo atrás e se vê a Terra na sua totalidade, compreende-se subitamente que vivemos num oásis no cosmos.

Tudo a nossa volta não é nada, não há vida, escuridão, vazio, absolutamente nada — exceto esta bola azul com tudo o que precisamos para sustentar a vida humana, e a vida em geral, que é absolutamente frágil.

Isso nos faz querer acarinhar a Terra e protegê-la, quanto mais a vemos do espaço.

CNN: Quais são os efeitos reais das alterações climáticas que são visíveis do espaço?

Pesquet: É possível ver muitas das consequências das atividades humanas a partir do espaço. Algumas delas provêm das alterações climáticas, e algumas são apenas poluição antiga, por exemplo, poluição fluvial, poluição atmosférica.

O efeito mais visível é a retirada das geleiras ano após ano e missão após missão.

Mas o que se pode ver também são fenômenos climáticos extremos. Eles estão a ficar cada vez mais fortes ano após ano. A minha primeira missão foi 2016-2017, e a minha segunda missão foi cinco anos mais tarde, em 2021. Pude ver um aumento fluido da frequência e da força de fenômenos climáticos extremos, como furacões, como fogos florestais.

CNN: Que contribuição pode dar um astronauta?

Pesquet: Há uma tonelada que se pode fazer do espaço para ajudar no planeta. Em primeiro lugar, como agência espacial, temos satélites que podem observar a Terra e medir variáveis como a altura das ondas, a temperatura do mar, o gelo nas calotas polares a recuar.

Mas também podemos ir um pouco mais fundo. Temos experiências orientadas para a proteção do planeta — por exemplo, experiências com fluidos. Os fluidos em órbita comportam-se de forma diferente, então a nossa investigação está tentando compreender o movimento do magma e da lava dentro do planeta, e o movimento das ondas no oceano.

Isto pode nos ajudar a prever alguns dos eventos climáticos extremos que afetam o nosso ambiente.

É crucial, temos de gerir os nossos recursos limitados a bordo da estação espacial. Temos uma atmosfera limitada, água limitada, comida limitada. E assim, a forma como lidamos com tudo a bordo da estação espacial dá-nos técnicas que podemos aplicar na Terra, porque a situação é paralela.

Penso que as pessoas na Terra podem aprender muito sobre a forma como a tecnologia espacial lida com a água, como reciclamos a água, como reciclamos o oxigênio do ar.

CNN: A vida familiar é afetada quando se está fora, no espaço, durante vários meses?

Pesquet: Não é fácil para nós estarmos lá em cima, e não é fácil para as pessoas que deixamos para trás. O mais difícil é ser privado dos seus entes queridos, e também estar constantemente preocupado que se algo lhes acontecer, não poderá ajudá-los. Penso que é o pesadelo de todos os astronautas, que algo aconteça às suas famílias na Terra enquanto estão fora.

Acredito que há um elemento de egoísmo em mim ir para o espaço, porque é uma experiência mágica fantástica. Mas também acredito firmemente que há um impacto extremamente positivo na sociedade em geral, devido ao que fazemos; devido à investigação, devido à cooperação internacional.

Portanto, penso que temos de o fazer. mesmo que haja um preço a pagar. Não é fácil, mas penso que é uma coisa boa a fazer.

CNN: Como defensor do clima, pensa no custo ambiental das viagens espaciais?

Pesquet: Como astronauta, você testemunha a fragilidade do planeta Terra, ao mesmo tempo que pensa, “espera um minuto, qual é o meu impacto em tudo isto? Vou para o espaço num foguetão, como é que isso tem impacto no ambiente?”.

Sim, as viagens espaciais produzem algum CO2, e não são inteiramente amigas do ambiente. Mas penso que é preciso ter em conta os aspectos positivos com os negativos. Há tão poucos lançamentos de foguetes que, em comparação com a aviação, automóveis ou outras indústrias, o nosso impacto é insignificante. Precisamos de atividade no espaço para conseguirmos fazer investigação por satélite. Isto beneficia muito o planeta. Portanto, as viagens espaciais são um mal necessário.

CNN: Desde que regressou da estação espacial, quais são as suas esperanças para a proteção futura do nosso planeta?

Pesquet: Se nos colocarmos no caminho certo, não há nada que não possamos fazer. Construímos esta instalação inacreditável no espaço por boas razões. Estamos a utilizá-la todos os dias, em cooperação pacífica entre países que nem sempre foram amigos. Portanto, se conseguirmos transferir esse modelo para a forma como lidamos com o ambiente na Terra, penso que chegaremos lá.

Somos suficientemente criativos, temos a tecnologia e temos a vontade. Por isso, estou otimista com o futuro. Se podemos fazer voar uma estação espacial, então podemos salvar o planeta.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN