Sem mortes registradas, entenda como a Holanda lidou com inundações na Europa

País faz minucioso monitoramento das águas e tem sistema de alerta exemplo para o continente, que deve sofrer com mais eventos adversos das mudanças climáticas

Holandeses ajudam a colocar sacos de areia como forma de prevenção a inundações em Venlo
Holandeses ajudam a colocar sacos de areia como forma de prevenção a inundações em Venlo Foto: Arnulf Stoffel/picture alliance via Getty Images

Ivana Kottasová e Mick Krever, CNN

Ouvir notícia

Enquanto as comunidades devastadas pelas inundações catastróficas no oeste europeu começam a recolher os pedaços, elas se perguntam como tudo deu errado tão rápido. Afinal, a Europa tem um sistema de alerta líder mundial que emite avisos regulares dias antes de as enchentes engolirem vilarejos inteiros.

Mas pelo menos 200 pessoas morreram na Alemanha e na Bélgica em enchentes que chegaram rápida e vigorosamente. O Serviço de Gerenciamento de Emergências Copérnico disse ter enviado mais de 25 alertas para regiões específicas das bacias dos rios Reno e Maas nos dias que antecederam a inundação, por meio de seu Sistema Europeu de Conscientização sobre Inundações (EFAS), bem antes das fortes chuvas desencadearem a inundação repentina.

Mas poucos destes primeiros avisos parecem ter sido passados aos residentes com antecedência de forma suficientemente clara, o que fez com que as chuvas os apanhassem completamente desprevenidos. Agora, questiona-se se a cadeia de comunicação entre o nível central europeu e as demais regiões está funcionando.

“Houve claramente uma séria quebra na comunicação, que em alguns casos custou tragicamente a vida das pessoas”, disse Jeff Da Costa, PhD em hidrometeorologia da Universidade de Reading, no Reino Unido.

Da Costa trabalha focado nos sistemas de aviso de inundações em sua pesquisa, e a casa de seus pais em Luxemburgo foi atingida durante o fim de semana. Ele disse que as experiências da semana passada mostram que, muitas vezes. existe uma lacuna entre a questão dos avisos meteorológicos emitidos pelos cientistas e as ações realmente tomadas pelas pessoas responsáveis no terreno.

Algumas das advertências – inclusive em Luxemburgo – só foram emitidas após a enchente atingir a cidade, disse ele. “As pessoas, incluindo minha própria família, foram deixadas à própria sorte sem qualquer indicação sobre o que fazer, o que não deu a eles dando qualquer oportunidade de se preparar”, disse ele.

Em muitos lugares afetados gravemente, os moradores ficaram impressionados com a velocidade e a ferocidade com que a água chegou.

 

Na Alemanha, devido à proximidade das eleições, a questão das enchentes se tornou rapidamente politizada, e os funcionários estão desviando a culpa para onde podem.

No vale do Ahr, uma área particularmente inundada no oeste da Alemanha, funcionários superiores disseram à CNN que avisos foram emitidos antes do desastre, mas que muitos residentes não os levaram a sério porque estavam pouco acostumados a inundações tão intensas.

Alguns tentaram juntar mantimentos e resguardar objetos de valor para locais seguros, enquanto outros pensaram que estariam a salvo no segundo andar de suas casas, mas acabaram precisando de resgate aéreo via o telhado.

Uma das cidades mais afetadas foi Schuld, uma cidade no estado alemão da Renânia. O prefeito de Schuld, Helmut Lussi, disse que a enchente era totalmente imprevisível, apontando para o fato de que a cidade tinha vivido apenas dois eventos similares anteriormente na história – um em 1790 e outro em 1910.

“Acho que os sistemas de proteção contra enchentes não teriam me ajudado, porque não se pode calcular o que acontece com o rio Ahr com tamanha massa de água”, disse ele aos repórteres durante o fim de semana.

Da Costa disse que pode simpatizar com o prefeito, mas que suas observações mostram uma falta de compreensão sobre os resultados de bom planejamento e gestão.

“As opiniões do prefeito sobre a previsibilidade das inundações, tanto na escala de longo prazo quanto na escala imediata de ser capaz de fornecer avisos imediatos, estão completamente erradas, e podem mostrar uma das dificuldades em comunicar riscos a pessoas ou funcionários municipais que fundamentalmente não entendem o risco ambiental”, disse ele.

“As pessoas também devem ter em mente que, embora os avisos de inundações não possam deter uma inundação, elas podem ajudar as pessoas a se moverem para locais de segurança”, acrescentou ele.

Da Costa disse que à medida que eventos climáticos extremos se tornam mais comuns por causa das mudança climáticas, cidades como Schuld devem intensificar seu planejamento.

“Se o prefeito de Schuld e sua cidade tiverem um plano, claramente comunicado a todas as famílias, empresas e instituições, para que todos saibam o que fazer no caso de uma série de diferentes cenários de enchentes, então pelo menos eles estariam tão bem preparados quanto poderiam estar”, disse ele, acrescentando que se ele e outros líderes regionais o tivessem feito, menos pessoas poderiam ter morrido.

“Em tempos de crise, todos precisam saber o que estão fazendo. É por isso que ensaiamos evacuações de incêndio de edifícios, mesmo quando não esperamos que haja um incêndio”, disse ele.

A CNN entrou em contato com o escritório de Lussi, mas não recebeu uma resposta imediata.

Na Bélgica, a comunicação e a organização parecem ter sido problemáticas. O prefeito de Chaudfontaine, uma cidade da província de Liège, disse que recebeu um “alerta laranja” avisando-o da subida das águas, mas argumentou que o aviso deveria ter ficado vermelho mais cedo. “Pudemos ver como o material disponível não estava adaptado às situações que vimos”. 

“Estou pensando principalmente em helicópteros que não puderam trabalhar na área”, disse o prefeito Daniel Bacquelaine à emissora belga RTBF. “Os resgates de barcos foram absolutamente essenciais e tivemos que recorrer ao setor privado para obter barcos com potência motora suficiente, além de pessoas para pilotá-los”.

Aulas da Holanda

Caminhão passa pelas ruas de Roerdalen, na Holanda, após inundações na Europa
Caminhão passa pelas ruas de Roerdalen, na Holanda, após inundações recordes na Europa
Foto: Thomas Banneyer/picture alliance via Getty Images

Nos Países Baixos, ao longo de suas fronteiras com as áreas devastadas por enchentes da Alemanha e da Bélgica, o quadro é totalmente diferente. A Holanda também sofreu chuvas extremas – embora não tão fortes como as da Alemanha e da Bélgica – e não escapou incólume.

Mas as cidades não estão totalmente submersas e nem uma única pessoa morreu. As autoridades estavam mais bem preparadas e puderam se comunicar rapidamente com as pessoas, disse o professor Jeroen Aerts, chefe do departamento de Água e Risco Climático da Vrije Universiteit, em Amsterdã. “Nós vimos melhor como a onda chegou e para onde ela estava indo”, disse Aerts à CNN.

A Holanda tem uma longa história de gestão da água e seu sucesso diante deste desastre pode oferecer ao mundo um plano sobre como lidar com as inundações, especialmente porque se espera que as mudanças climáticas tornem os eventos de chuvas extremas mais comuns.

O país vem lutando contra o mar e a cheia dos rios há quase um milênio. Três grandes rios europeus – o Reno, Meuse e Scheldt – têm seus deltas na Holanda, e com grande parte de suas terras abaixo do nível do mar, o governo diz que 60% está em risco de inundação. Grande parte do país está essencialmente a afundando.

Sua infraestrutura de gestão da água está entre as melhores do mundo – envolvendo paredes gigantes com braços móveis do tamanho de dois campos de futebol, dunas costeiras que são reforçadas com cerca de 12 milhões de metros cúbicos de areia por ano, e coisas simples, como diques que dão aos rios mais espaço para inchar ao abaixar seus leitos e expandir suas margens.

A força do país reside essencialmente em sua organização. A infraestrutura é administrada por um órgão do governo dedicado exclusivamente à água, a Direção Geral de Obras Públicas e Gestão da Água, que cuida de cerca de 1.500 quilômetros de defesas.

Os problemas hídricos do país são gerenciados por uma rede de órgãos eleitos localmente cuja única função é cuidar de enchentes a águas residuais, disse Aerts. A primeira dessas “placas de água” locais foi estabelecida na cidade de Leiden em 1255 – foi assim que há muito tempo o país percebeu que precisava de uma gestão robusta das águas.

“Esta é uma situação única”, disse Aerts. “Além do governo nacional, das províncias e das cidades, você tem uma quarta camada, os comitês de água, que estão inteiramente focadas no gerenciamento da água”.

Os comitês têm a capacidade de cobrar impostos de forma independente, portanto não estão sujeitos aos altos e baixos dos cofres nacionais.

“As águas estão envolvidas no setor do turismo, na indústria, no setor da construção”, disse Aerts. “E o que você vê é que em diferentes países é que as políticas dos governos são realmente setoriais”.

Na Holanda, ele chamou os comitês das águas de uma “cola” que mantém tudo junto, e podem garantir, por exemplo, que uma proposta para construir sobre uma planície de inundação tenha todas as partes relevantes na comunicação.

O website da agência de gestão da água resume de forma simples e clara o que está tentando fazer. “Está chovendo mais, o mar está subindo, e os rios precisam carregar cada vez mais água”, diz o site. “A proteção contra águas altas é e continua sendo essencial”.

Mais Recentes da CNN