Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Suspeito de ataque a tiros no Maine “não é mais uma ameaça para ninguém”, diz governadora

    Robert Card foi encontrado morto em floresta a cerca de 13 quilômetros de cidade onde tiroteio aconteceu

    Comissário de Segurança Pública do Maine, Michael Sauschuck, informou que o suspeito morreu devido a um aparente ferimento de bala autoinfligido
    Comissário de Segurança Pública do Maine, Michael Sauschuck, informou que o suspeito morreu devido a um aparente ferimento de bala autoinfligido 26/10/2023 REUTERS/Nicholas Pfosi

    Da CNN

    A governadora do Maine, Janet Mills, confirmou a morte do suspeito do tiroteio em Lewiston, Robert Card, na sexta-feira (27), dizendo que ele “não é mais uma ameaça para ninguém”.

    Agora é a hora de curar. Com esta busca concluída, sei que as autoridades policiais continuam investigando minuciosamente todos os fatos para que possamos trazer o encerramento possível às vítimas e às suas famílias”, destacou Mills em entrevista coletiva.

    Veja também — Suspeito de ataques a tiros nos EUA é encontrado morto

    A polícia procurava Card desde o ataque a tiros, na quarta-feira (25). O comissário de Segurança Pública do Maine, Michael Sauschuck, informou que o suspeito morreu devido a um aparente ferimento de bala autoinfligido.

    A governadora pontuou que ligou para o presidente Joe Biden, bem como para senadores e legisladores do Maine.

    “Em nome de todo o povo do Maine, quero expressar minha profunda gratidão por sua inabalável bravura, determinação e coragem”, disse Mills sobre os policiais envolvidos no caso.

    Suspeito é encontrado em floresta

    Robert Card, suspeito pelo ataque a tiros no Maine, foi encontrado morto em uma floresta perto de Lisbon, que fica a cerca de 13 quilômetros de Lewiston, onde aconteceu o caso, segundo autoridades.

    O caso é o tiroteio em massa mais mortal nos EUA desde o massacre da escola de Uvalde, em maio do ano passado.

    Ele se soma a 565 incidentes do tipo, em que quatro ou mais pessoas foram baleadas, excluindo o atirador, em todo o país neste ano, de acordo com o Arquivo de Violência Armada.

    *Jamiel Lynch, da CNN, contribuiu para essa reportagem

    *publicado por Tiago Tortella, da CNN

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original