Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Talibã realiza primeira execução pública desde que voltou ao poder no Afeganistão

    A notícia chega apenas algumas semanas depois que o grupos islâmico ordenou aos juízes que impusessem totalmente sua interpretação da lei Sharia

    Porta-voz do Talibã afegão Zabihullah Mujahid em Cabul em 5 de novembro de 2022
    Porta-voz do Talibã afegão Zabihullah Mujahid em Cabul em 5 de novembro de 2022 Getty Images

    Sahar Akbarzaida CNN

    O Talibã condenou na quarta-feira (7) um suposto assassino à morte na primeira execução pública realizada no Afeganistão desde que o grupo islâmico voltou ao poder.

    O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, disse que o homem foi baleado três vezes pelo pai de sua suposta vítima em uma execução com a presença de altos funcionários do Talibã na província de Farah, no sudoeste. O homem havia sido acusado de esfaquear a vítima até a morte em 2017 e roubar um celular e uma bicicleta.

    A notícia chega apenas algumas semanas depois que o Talibã ordenou aos juízes que impusessem totalmente sua interpretação da lei Sharia, incluindo execuções públicas, amputações e açoites – uma medida que levantou temores de uma maior deterioração dos direitos humanos no país empobrecido.

    É a primeira execução pública desde que Cabul caiu nas mãos do Talibã após a retirada das forças americanas do país em agosto de 2021. Durante o período anterior de governo do Talibã, de 1996 a 2001, as execuções públicas eram comuns, assim como outras punições violentas.

    De acordo com o Talibã, o acusado admitiu o assassinato e o caso foi julgado por três tribunais diferentes. O líder supremo do Afeganistão, Alaiqadar Amirul Momineen, deu a aprovação final para a execução, disse o comunicado.

    A mãe da vítima disse à agência de mídia estatal RTA Pashto que a família recusou vários pedidos de perdão ao suposto assassino.

    “Dissemos que se o perdoássemos e ele fosse solto, ele sairia e mataria o filho de outra pessoa. Queríamos que sua punição fosse a morte para que pudesse ser uma lição para outros como ele”, disse ela.

    Entre os altos funcionários do Talibã presentes na execução estavam o chefe de justiça em exercício, o vice-primeiro-ministro, o ministro do Interior em exercício e o vice-governador da província de Farah.

    A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão disse em um post no Twitter que “se opõe fortemente à pena de morte em todas as circunstâncias e pede às autoridades de fato que estabeleçam uma moratória imediata com vistas à abolição da pena de morte”.

    Kaheld Abou El Fadl, professor de Lei Islâmica na UCLA e uma das principais autoridades mundiais em lei Sharia, disse à CNN em novembro que, dentro da tradição de 1.400 anos da Sharia, punições como execuções públicas foram raramente implementadas historicamente porque a maioria dos islâmicos os juristas interpretaram a lei de maneira diferente do Talibã.

    Após tomar o poder em agosto passado, o Talibã inicialmente tentou projetar uma imagem mais moderada para obter apoio internacional. No entanto, desde então, cerceou direitos e liberdades.

    As mulheres no Afeganistão não podem mais trabalhar na maioria dos setores e precisam de um tutor masculino para viagens de longa distância, enquanto as meninas foram impedidas de retornar à escola secundária. As mulheres também foram impedidas de entrar nos parques.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original