Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Edifícios tremem após terremoto de magnitude 5,8 no México

    Danos e vítimas não foram relatados; tremores são comuns no país

    Cidade do México
    Cidade do México EneasMx/Wikipédia (10.out.2020)

    Da Reuters

    Um terremoto de magnitude 5,8 sacudiu o centro do México na tarde desta quinta-feira (7), informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).

    O foco sísmico estava a uma profundidade de 44,4 quilômetros, e o epicentro aconteceu a 11 km a sul-sudoeste de Chiautla de Tapia, no estado de Puebla, e a 11,2 km da cidade de Chiautla de Tapia, no mesmo estado.

    Por sua vez, o Serviço Sismológico Nacional do México informou que o terremoto foi de magnitude 5,7. Preliminarmente, o órgão havia indicado 5,8 graus.

    A equipe da CNN na Cidade do México informou que sentiu o terremoto, e um alerta sísmico também foi ativado na Cidade do México, capital do país.

    O presidente Andrés Manuel López Obrador publicou uma mensagem de vídeo no X, na qual a coordenadora nacional de Proteção Civil, Laura Velázquez, informou que a área do epicentro está sendo revista e até agora nenhum dano foi relatado.

    “Aparentemente o tremor não foi tão forte. De qualquer forma, daremos mais informações em breve”, escreveu o presidente.

    O chefe do Governo da Cidade do México, Martí Batres, também destacou que não houve informações de danos.

    Fenômeno comum no México

    Os terremotos são um fenômeno comum no México, já que o país está localizado em uma área de “alta sismicidade”, segundo o Serviço Sismológico Nacional (SSN).

    Ali interagem cinco placas tectônicas: a placa Norte-Americana, a placa Cocos, a placa do Pacífico, a placa Rivera e a placa do Caribe.

    Cada placa tectônica se move pela Terra lentamente, como explicou Víctor Espíndola, analista-chefe do Serviço Sismológico Nacional, anteriormente à CNN.

    Quando duas dessas placas se encontram, liberam uma grande quantidade de tensão, que deforma da crosta terrestre, algo que só pode ser visto com instrumentos de medição apropriados.

    “Quando aquele material não aguenta mais acumular tanta energia, ele quebra. Exatamente como uma régua de plástico quando dobra: ela quebra”, destaca.

    Toda a crosta terrestre está fragmentada, e cada placa tem seu movimento, diz Espíndola. No norte do México, essas placas se movem cerca de 3 centímetros por ano, enquanto no sul a velocidade pode chegar a 7 centímetros por ano, explicou o especialista.

    “O movimento relativo entre estas placas, na parte do Golfo de Tehuantepec (no sul do país), é maior, por isso um dos estados e suas costas onde a atividade sísmica mais se registra é em Chiapas e Oaxaca”, ponderou Espíndola.