Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Três estudantes universitários palestinos são baleados em Vermont, nos Estados Unidos

    Ataque gerou apelos de organizações de direitos civis e das famílias das vítimas para que as autoridades investiguem possível parcialidade do agressor

    Celina TeborZoe Sottileda CNN

    Três estudantes universitários palestinos foram baleados em Burlington, Vermont, nos Estados Unidos, na noite deste sábado (25).

    O ataque gerou apelos de organizações de direitos civis e das famílias das vítimas para que as autoridades investiguem uma possível parcialidade do agressor.

    Os homens de 20 anos estão recebendo cuidados médicos, de acordo com um comunicado de imprensa do Departamento de Polícia de Burlington divulgado neste domingo (26). “Dois estão estáveis, enquanto um sofreu ferimentos muito mais graves.”

    Os estudantes caminhavam pela Prospect Street enquanto visitavam um parente em Burlington no feriado de Ação de Graças quando “foram confrontados por um homem branco armado”, diz o comunicado.

    “Sem falar, ele disparou pelo menos quatro tiros da pistola e acredita-se que tenha fugido a pé”, afirmou a polícia.

    As autoridades ainda disseram que duas das vítimas são cidadãos norte-americanos e uma é residente legal.

    Dois dos três estudantes usavam keffiyehs, lenços tradicionais palestinos, segundo o departamento de polícia. Dois foram baleados no tronco e um nas “extremidades inferiores”.

    As autoridades disseram que “não há informações adicionais que sugiram os motivos do suspeito”.

    Os detetives recuperaram evidências balísticas do tiroteio, que serão submetidas a um banco de dados federal, segundo a polícia de Burlington.

    O FBI também disse que estava “preparado para investigar” o incidente.

    O chefe de polícia Jon Murad disse em um comunicado à imprensa que os policiais responderam a uma ligação e encontraram duas vítimas de tiros, com a terceira a uma curta distância, todas perto do campus da Universidade de Vermont.

    As vítimas foram transportadas para o Centro Médico da Universidade de Vermont.

    Identificação e investigação

    O atirador ou atiradores não foram identificados ou detidos, disse Murad, e o departamento de polícia está “nos estágios iniciais de investigação deste crime”.

    Numa declaração conjunta, as famílias das vítimas instaram as autoridades a investigar o ataque como um crime de ódio.

    “Não ficaremos confortáveis ​​até que o atirador seja levado à justiça”, disseram. “Nenhuma família deveria ter que suportar essa dor e agonia. Nossos filhos são alunos dedicados que merecem poder se concentrar nos estudos e na construção de seu futuro.”

    A declaração, divulgada pelo Institute for Middle East Understanding, identificou os estudantes como Hisham Awartani, estudante da Brown University, em Rhode Island; Kinnan Abdalhamid, estudante do Haverford College, na Pensilvânia; e Tahseen Ahmad, estudante do Trinity College, em Connecticut.

    Marwan Awartani, ex-ministro da Educação palestino e tio-avô de Hisham Awartani, disse à CNN que os estudantes estavam visitando a avó de Hisham em Burlington.

    O Haverford College, na Pensilvânia, confirmou em comunicado que Abdalhamid, um estudante do terceiro ano, está se recuperando de ferimentos à bala em um hospital.

    Os três alunos se formaram na Ramallah Friends School, uma escola privada sem fins lucrativos administrada por quacres em Ramallah, na Cisjordânia ocupada, de acordo com a escola.

    O senador americano Bernie Sanders, de Vermont, descreveu os tiroteios como “chocantes e profundamente perturbadores” em uma postagem no X.

    “O ódio não tem lugar aqui, nem em lugar nenhum. Estou ansioso por uma investigação completa”, escreveu ele.

    O Comité Árabe-Americano Anti-Discriminação afirmou num comunicado à imprensa que “têm motivos para acreditar que este tiroteio ocorreu porque as vítimas são árabes”.

    O Conselho de Relações Americano-Islâmicas anunciou que estava oferecendo uma recompensa de US$ 10 mil por “informações que levem à prisão e condenação do autor ou autores” do tiroteio.

    O tiroteio ocorre em meio ao aumento das tensões e dos crimes de ódio nos EUA desde 7 de outubro, quando o Hamas lançou um ataque mortal em Israel, o país respondeu com ataques aéreos devastadores em Gaza.

    A CNN entrou em contato com a Universidade de Vermont, o Centro Médico da Universidade de Vermont, as universidades estudantis e o prefeito de Burlington, Miro Weinberger.

    Veja também: Terceiro grupo de reféns chega a Israel

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original