Três mortes em incidentes separados apontam tensões em Israel e na Cisjordânia

Tensões na região estão altas há semanas, após uma série de ataques de atiradores palestinos contra civis israelenses, que mataram 14 pessoas

Parentes choram durante o funeral de Ghada Sbatin, que morreu após ser baleado por soldados israelenses, na aldeia de Husan, na Cisjordânia, em 10 de abril
Parentes choram durante o funeral de Ghada Sbatin, que morreu após ser baleado por soldados israelenses, na aldeia de Husan, na Cisjordânia, em 10 de abril Wisam Hashlamoun/Anadolu Agency via Getty Images

Hadas GoldAbeer SalmanAmir Talda CNN

Ouvir notícia

Forças israelenses atiraram e mataram duas mulheres palestinas em incidentes separados na Cisjordânia no domingo (10), aumentando ainda mais as tensões entre israelenses e palestinos após semanas de ataques mortais. Em um terceiro incidente, um judeu foi morto a tiros em Israel depois de supostamente tentar roubar uma arma carregada por um soldado.

No primeiro incidente, na manhã de domingo, uma mulher de 47 anos foi baleada quando se aproximava de um posto de controle perto da vila de Husan, na Cisjordânia. O Ministério da Saúde palestino identificou a mulher como Ghada Sbatin, viúva e mãe de seis filhos.

O exército israelense disse que a mulher, cujo nome não foi identificado, foi instruída por soldados a parar enquanto se aproximava do posto de controle. Quando ela não fez isso, os soldados dispararam tiros de advertência para o ar, disse o exército. O vídeo do incidente parece mostrar a mulher correndo enquanto avança, momento em que, segundo o exército, os soldados “dispararam contra a parte inferior do corpo do suspeito”.

O Ministério da Saúde palestino disse que a mulher foi levada ao hospital, mas morreu após perder muito sangue. O exército israelense diz que os soldados não encontraram armas na mulher. O primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Mohammed Shtayyeh, condenou o tiroteio, dizendo que considera o governo israelense “totalmente responsável pelas consequências desse crime hediondo”.

Mais tarde no domingo, a polícia de fronteira israelense disse que uma mulher palestina que esfaqueou um policial em Hebron foi baleada e morta. O incidente aconteceu perto do local mais sagrado de Hebron, conhecido pelos judeus como a Caverna dos Patriarcas e pelos muçulmanos como a Mesquita Ibrahimi.

Segundo a polícia, o policial ficou levemente ferido no ataque.

Tensões acentuadas

As tensões em Israel e na Cisjordânia estão altas há semanas, após uma série de ataques de atiradores palestinos contra civis israelenses, que mataram 14 pessoas. Soldados israelenses realizaram operações radicais na Cisjordânia em resposta.

Na noite de sábado, as forças de segurança israelenses realizaram uma incursão no vilarejo de Yaabad – que eles dizem ser a casa do atirador que matou cinco pessoas no mês passado na cidade de Bnei Brak, no centro de Israel.

O Exército disse que “prendeu oito suspeitos envolvidos em atividades terroristas e confiscou armas ilegais”. Ele também disse que foi atacado por moradores locais, incluindo um suspeito que “atirou um dispositivo explosivo” contra os soldados. O Ministério da Saúde palestino disse que seis pessoas ficaram feridas nos confrontos, uma por bala e cinco por gás lacrimogêneo.

Também durante a noite de domingo, um local que se acredita ser o local de sepultamento do profeta Joseph, na cidade de Nablus, na Cisjordânia, foi danificado por um grupo de palestinos, disseram autoridades israelenses.

Na noite de domingo, na cidade israelense de Ashkelon, a polícia disse que um judeu que tentou roubar uma arma de uma soldado foi “neutralizado” por outro soldado que estava próximo. Relatos da mídia israelense dizem que o homem foi morto a tiros. Ele tinha um histórico de doença mental, segundo relatos.

Enquanto isso, o governo de Israel respondeu aos pedidos para dificultar a entrada ilegal de palestinos em Israel, anunciando planos para construir mais 40 quilômetros do que chama de “barreira da linha de costura” – que separa Israel e a Cisjordânia

A nova construção será um muro de concreto de até 9 metros de altura, disse um comunicado do governo.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN