Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tribunal decide que ex-vice do Equador teve prisão ilegal, mas deve seguir atrás das grades

    Jorge Glas foi retirado à força de dentro de embaixada do México em Quito em uma ação policial gerou uma crise diplomática

    O vice-presidente do Equador, Jorge Glas, fala durante entrevista à Reuters no Palácio do Governo em Quito, Equador
    O vice-presidente do Equador, Jorge Glas, fala durante entrevista à Reuters no Palácio do Governo em Quito, Equador 29/08/2017REUTERS/Daniel Tapia

    Alexandra Valenciada Reuters

    Quito

    Um tribunal no Equador decidiu nesta sexta-feira (12) que a dramática prisão do ex-vice-presidente Jorge Glas, na semana passada, foi ilegal, mas que ele deve permanecer na cadeia devido às suas condenações prévias. A advogada de Jorge Glas e a equipe já adiantaram que irão recorrer da decisão.

    Condenado duas vezes por corrupção e agora com novas acusações contra ele, Glas foi preso há uma semana durante uma ação da polícia na Embaixada do México em Quito, onde ele vivia desde dezembro.

    A prisão é o ápice de um período de tensão política entre o Equador e o México, embora ambos os governos tenham dito que estão dispostos a restaurar as relações entre os países.

    A defesa de Glas afirmou que o tribunal de três juízes deveria declarar sua captura ilegal e libertá-lo, argumentando que o governo do Equador violou direitos humanos e a lei internacional ao autorizar as forças de segurança a entrarem na missão diplomática de outro país.

    O tribunal confirmou que a prisão “foi ilegal a arbitrária”, afirmou a juíza Monica Heredia, mas salientou que, por causa das condenações passadas, “esta corte não pode alterar a sentença (de prisão)”.

    A advogada de Glas, Sonia Vera, agradeceu à comunidade internacional em uma mensagem na rede social X, dizendo que a pressão foi fundamental para obter o veredicto de prisão ilegal.

    “Contudo, Jorge ainda está preso. Vamos recorrer até que ele seja solto”, disse.

    O ex-presidente equatoriano Rafael Correa, de quem Glas foi vice entre 2013 e 2017, afirmou na quarta-feira que o ex-vice detido tentou suicídio e está em greve de fome, em protesto contra sua detenção em uma prisão de Guaiaquil, informação confirmada por sua advogada.

    Glas foi levado ao hospital na segunda-feira, antes de voltar à prisão no dia seguinte. Em vídeo compartilhado por Vera na quarta-feira, o político contou sobre a sua prisão, dizendo que a polícia o agrediu durante a operação. Os policiais negaram ter torturado Glas, mas disseram que foi necessário o uso progressivo da força devido à resistência do ex-vice-presidente.