Trump se irrita com as reformas de seu clube exclusivo na Flórida

Foram Melania Trump e sua decoradora de interiores, Tham Kannalikham, que selecionaram muitos dos detalhes das reformas, e não a equipe do próprio clube

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos Foto: REUTERS

Por Kate Bennett, CNN

Ouvir notícia

O humor do presidente Donald Trump piorou assim que ele entrou em Mar-a-Lago, seu clube exclusivo para sócios na Flórida, três dias antes do Natal. As reformas em seus aposentos privados, muitas delas supervisionadas por sua esposa, a primeira-dama Melania Trump, não agradaram ao presidente, que ficou furioso, segundo uma fonte familiarizada com a reação do presidente.

Ao longo de várias semanas, reformas foram empreendidas para fazer o espaço de aproximadamente 280 metros quadrados parecer maior e atualizado, em preparação para a vida de Trump pós-Casa Branca. Mas a renovação não combinou com o senso estético de Trump, de acordo com sua reação. Trump também não gostou de outras reformas na propriedade, não apenas as feitas no espaço residencial.

“Ele não ficou nada feliz”, disse a fonte, que observou várias conversas entre ele e administração do clube quase imediatamente após a chegada da família. A Casa Branca não respondeu a um pedido de comentário para esta reportagem.

Leia também:
Reino Unido aprova vacina de Oxford, que será aplicada com intervalo de 3 meses
Após meses de isolamento, casal sai para cortar cabelo e morre de Covid-19
Com 1,6 milhão de doses, último lote da Coronavac chega a São Paulo

Foram Melania Trump e sua decoradora de interiores, Tham Kannalikham, que selecionaram muitos dos detalhes das reformas, e não a equipe do próprio clube Mar-a-Lago, um fato do qual Trump estava bem ciente.

Não é a primeira vez que o gosto pessoal do presidente entra em conflito com o de sua esposa. Trump também não ficou entusiasmado com algumas das mudanças na decoração de Camp David, outro projeto da primeira-dama, quando esteve no local (que é tanto base militar como

casa de campo oficial da presidência), durante o feriado de Ação de Graças, de acordo com outra fonte familiarizada com a reação do presidente após a visita.

A fonte de Mar-a-Lago observou que Trump ficou tão insatisfeito esta semana com o resultado de algumas das reformas que pediu que as peças da decoração – sobretudo mármore branco e uma abundância de madeira escura – fossem removidas. As peças foram prontamente retiradas da casa.

Se o pontapé inicial para sua última estada na Flórida como presidente foi difícil, os dias que se seguiram pouco melhoraram. Trump parecia “carrancudo”, de acordo com a fonte do clube, passando mais tempo do que o normal a portas fechadas e não se misturando e conversando tanto como normalmente faz com os sócios do clube e autoridades da Casa Branca, que há alguns anos se juntam ao presidente no resort nessa época do ano.

“Não há aquela vibração”, disse outra fonte de Mar-a-Lago sobre este Natal em comparação com os anteriores.

A dúvida de Trump sobre quando ou mesmo se ele sequer assinaria um grande pacote de ajuda da Covid-19 e um projeto de lei de financiamento federal criaram entre os presentes uma espécie de jogo de adivinhação. Todos tentavam sacar se o dia do presidente seria bom, ruim ou indiferente. Esperava-se, no início, que Trump assinasse o projeto de lei na véspera de Natal, de acordo com uma fonte familiarizada com a programação do presidente, mas ele optou por não o fazer no último minuto. No domingo, a caminho de jantar na propriedade vizinha, o Trump International Golf Club, Trump finalmente assinou o documento.

Mudanças no clube

Embora ele tenha ignorado publicamente os estragos da Covid-19 no país, comentando pouco nas últimas semanas e aparentemente deixando o tema em segundo plano enquanto centenas de milhares de norte-americanos eram infectados a cada dia, Trump não foi capaz de evitar o impacto do coronavírus no seu amado santuário de Mar-a-Lago.

A semana entre o Natal e o Ano Novo é tipicamente o ponto alto da temporada de inverno em Mar-a-Lago, mas alguns sócios antigos estão evitando o clube em 2020.

“É um risco muito grande, não vale a pena”, disse um membro do clube que optou por não viajar para a Flórida este ano.

No entanto, ainda existem algumas áreas lotadas e uma abundância de pessoas, acrescenta outro sócio que tem estado em contato com pessoas atualmente em Mar-a-Lago.

“As pessoas jantam no clube como de costume”, disse a fonte, acrescentando que parece haver “pouca consideração pela pandemia”.

Leia também:
Ibovespa supera 120 mil pontos pela primeira vez e tenta bater recorde histórico
Bitcoin renova máxima a US$28.600, em ano marcado por quebra de recordes
Dólar anda de lado no último pregão, mas acumula alta de mais de 28% no ano

O clube de praia, ao lado da piscina, fica tão lotado durante o dia que os hóspedes discutem sobre as cadeiras disponíveis, continuou a mesma fonte.

Na segunda-feira (28), o Departamento de Saúde da Flórida divulgou novos números para as taxas de positividade do teste. O Condado de Palm Beach estava em 10,38%, a maior taxa desde 30 de novembro e com um aumento de 8,42% desde 15 de dezembro. O estado considera perigoso qualquer índice acima de 5%.

Um frequentador assíduo do inverno de Palm Beach disse que ouviu falar sobre a falta de festas, eventos e arrecadação de fundos no enclave de milionários. O ritual da hora do jantar de passar de mesa em mesa para trocar beijos no ar e dar um olá praticamente desapareceu. A ordem de uso de máscaras em empresas, estabelecimentos, espaços públicos e restaurantes em Palm Beach foi estendida no Condado de Palm Beach até 20 de janeiro e inclui Mar-a-Lago, embora a conformidade seja uma incógnita, na melhor das hipóteses.

A “cena” de Mar-a-Lago, por assim dizer, consiste em grande parte em Trump sendo o centro das atenções quando está na residência. Os sócios do clube e seus convidados gostam de se maravilhar ao topar com o presidente dos Estados Unidos no bufê ou em uma festa no salão de baile. Trump fez uma aparição surpresa em um casamento na noite de segunda-feira (28) em Mar-a-Lago, entrando para acenar e parabenizar os noivos, segundo um convidado.

Festa de Réveillon

A lendária festa de réveillon de Mar-a-Lago, em traje de gala, à qual Trump e sua família participam todos os anos e pela qual os convidados pagam milhares por ingresso, ainda está programada para acontecer na quinta à noite, disse um membro do Mar-a-Lago. Segundo essa pessoa, pelo menos 500 reservas já foram confirmadas. O que não está claro é se os participantes irão aderir às diretrizes de mitigação de transmissão do coronavírus. Em uma festa de gala no início deste mês para a Turning Point USA, uma agremiação de estudantes conservadores, os participantes desrespeitaram os pedidos de uso de máscara e distanciamento social, como mostraram fotos do evento com centenas de pessoas no salão de baile de Mar-a-Lago.

Durante esta viagem à Flórida, o presidente também foi relegado a um grupo menor de rostos conhecidos para entreter e ocupar seu tempo. Não há líderes estrangeiros como hóspedes neste ano, como sempre foi o caso durante sua presidência, e a maior parte da equipe sênior da Ala Oeste (a parte governamental da Casa Branca), que costuma participar da viagem, não está lá.

No domingo (27), Trump não jantou no salão do clube com a primeira-dama. Ele se sentou à mesa com seus filhos, Donald Trump Jr. e Eric Trump, e a namorada de Trump Jr., Kimberly Guilfoyle, segundo uma testemunha. A mesma pessoa contou que Trump recebeu uma visita de Roger Stone em sua mesa. Stone é um dos comparsas de longa data a quem o presidente concedeu o perdão oficial menos de uma semana antes. Stone entrou no clube usando uma máscara facial com a frase “Trump 2020”.

Leia também:
Boston remove estátua de ex-escravo ajoelhado diante do presidente Lincoln
Senado da Argentina aprova projeto de lei que legaliza o aborto
Explosão em aeroporto deixa ao menos 13 mortos no Iêmen

As atividades mais frequentes de Trump na Flórida têm sido suas partidas matinais de golfe, uma recreação de férias que tantos milhões de norte-americanos abandonaram este ano ao darem ouvidos aos avisos sobre a disseminação do coronavírus.

Na terça-feira (29), a caminho do campo de golfe, o presidente teve tempo de tuitar sobre o estado confuso dos procedimentos em Washington, onde políticos estão lutando para obter apoio financeiro de última hora para norte-americanos que enfrentam o desespero econômico.

“A liderança republicana só quer o caminho de menor resistência”, tuitou Trump. “Nossos líderes (não eu, claro!) são patéticos”.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN