Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Turquia concorda em apoiar Finlândia e Suécia na Otan, diz presidente finlandês

    Líderes aliados decidirão se convidam a Finlândia e a Suécia para se juntarem à Otan nesta quarta-feira

    Da CNN

    Ouvir notícia

    O presidente finlandês Sauli Niinistö disse nesta terça-feira (28) que a Turquia concordou em apoiar as candidaturas da Finlândia e da Suécia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), removendo um grande obstáculo para a adesão dos dois países à aliança.

    Niinistö disse em comunicado que um memorando conjunto sobre o assunto foi assinado pela Turquia, Finlândia e Suécia na terça-feira em Madri, antes do que está se tornando uma cúpula crítica.

    O memorando conjunto ressalta o compromisso da Finlândia, Suécia e Turquia “de estender seu total apoio contra ameaças à segurança um do outro”, disse Niinistö.

    “Os passos concretos de nossa adesão à Otan serão acordados pelos aliados da Otan durante os próximos dois dias, mas essa decisão agora é iminente”, acrescentou.

    Autoridades norte-americanas e europeias estavam de olho na cúpula em busca de um possível progresso no avanço das candidaturas da Finlândia e da Suécia para ingressar na Otan.

    As duas nações se inscreveram formalmente para fazer parte da aliança de segurança em maio, impulsionadas pela invasão da Ucrânia pela Rússia. Mas o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan disse repetidamente que a Turquia não apoiaria as ofertas, acusando os dois países de abrigar membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, também conhecido como PKK, que a Turquia vê como uma organização terrorista.

    O chefe da Otan, Jens Stoltenberg, disse estar “confiante” de que a Finlândia e a Suécia serão capazes de ingressar com sucesso na Otan após a assinatura do memorando de entendimento trilateral.

    “Tenho o prazer de anunciar que agora temos um acordo que abre caminho para a Finlândia e a Suécia se juntarem à Otan. Turquia, Finlândia e Suécia assinaram um memorando que aborda as preocupações da Turquia, incluindo exportações de armas e a luta contra o terrorismo. ” disse Stoltenberg, falando a jornalistas em Madri após a assinatura do memorando.

    Na quarta-feira, os líderes aliados decidirão se convidam a Finlândia e a Suécia para se juntarem à Otan, disse ele, acrescentando que após esta decisão será necessário um processo de ratificação em todas as capitais da Otan.

    O chefe da organização disse que após a assinatura deste memorando trilateral, no entanto, ele estava “confiante” de que a Suécia e a Finlândia se tornarem membros da Otan é “algo que acontecerá”.

    O presidente dos EUA, Joe Biden, e Erdoğan falaram ao telefone antes da cúpula e devem se encontrar na quarta-feira, disse o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan.

    “Esperamos que, em algum momento amanhã, o presidente Erdogan e o presidente Biden tenham a chance de conversar”, disse Sullivan a repórteres a bordo do Air Force One, mas acrescentou que os detalhes da reunião ainda estão sendo elaborados.

    “Não há um horário ou estrutura fixa para a reunião, mas eles terão a chance de passar algum tempo juntos”, disse ele, observando que vão discutir “questões estratégicas” entre os dois países.

    Ainda na terça-feira, Erdoğan havia dito a repórteres que havia falado com Biden por telefone antes de partir para Madri, e disse que os pedidos da Suécia e da Finlândia para ingressar na Otan serão importantes, disse Erdoğan.

    “O PKK estará em nossa agenda em minhas reuniões bilaterais. Explicaremos nossa posição à Suécia e à Finlândia mais uma vez. O PKK deve ser impedido de atuar nesses países”, disse ele, acrescentando: “Se eles se tornarem membros da Otan, eles precisam abordar as preocupações de segurança da Turquia. Não queremos palavras secas, queremos resultados.”

    Uma cúpula crítica

    Biden chegou à Espanha na terça-feira para uma cúpula da Otan que deve reforçar significativamente a postura de defesa da aliança ao longo de sua borda leste, incluindo o aumento dos níveis de tropas e o posicionamento de equipamentos pesados, enquanto os líderes ocidentais contemplam a próxima fase da guerra na Ucrânia.

    Os anúncios esperados ao longo da cúpula de dois dias fortaleceriam as defesas coletivas à medida que a invasão da Ucrânia pela Rússia entra em seu quinto mês, incluindo o aumento do número de tropas em alerta máximo para 300 mil — um aumento de sete vezes. Desde a Guerra Fria, a Otan nunca fez melhorias tão significativas em sua postura.

    Os anúncios vêm em meio a preocupações crescentes de que a determinação do Ocidente em confrontar a Rússia possa em breve se romper em meio ao aumento dos preços da energia e ao declínio do interesse no conflito.

    “A aliança está fortalecendo sua postura, está lidando com as ameaças e fortalecendo nossa postura contra as ameaças do leste e os desafios do sul. A Otan está focada em todas as direções e domínios terrestres, aéreos e marítimos”, disse Biden pouco depois de sua chegada.

    Falando ao lado do primeiro-ministro espanhol, Biden detalhou os planos para adicionar dois destroieres americanos baseados na Estação Naval de Rota, na Espanha, elevando o número total de destroieres americanos baseados lá para seis.

    “Como eu disse antes do início da guerra, se Putin atacasse a Ucrânia, os Estados Unidos melhorariam nossa postura de força na Europa e responderiam à realidade de um novo ambiente de segurança europeu”, disse ele.

    “Juntos, os novos compromissos constituirão uma demonstração impressionante da unidade e determinação aliadas e da abordagem de 360 ​​graus da Otan à nossa segurança”, continuou ele.

    Biden e seus colegas líderes estão ansiosos para mudar o ímpeto na Ucrânia, onde a Rússia continua a obter ganhos no Leste. Ao mesmo tempo, os preços crescentes da energia pressionaram os líderes a encontrar uma solução para o conflito.

    Na terça-feira, seu governo anunciou novas sanções a Moscou, incluindo a implementação de uma proibição de novas importações de ouro russo que foi acordada na cúpula do G7.

    Um ataque com mísseis na segunda-feira em um shopping center na cidade ucraniana de Kremenchuk foi um lembrete da continuada brutalidade da Rússia.

    “O ataque da Rússia a civis em um shopping é cruel. Somos solidários com o povo ucraniano”, escreveu Biden no Twitter. “Como demonstrado na Cúpula do G7, os EUA, juntamente com nossos aliados e parceiros, continuarão responsabilizando a Rússia por tais atrocidades e apoiando a defesa da Ucrânia.”

    Biden chega à reunião da Otan depois de encerrar as reuniões finais com os líderes do G7 na Alemanha, onde a crise da Ucrânia dominou as conversas entre os líderes. Esperava-se que os acordos sobre sanções e tentativas de limitar o preço do petróleo russo saíssem do encontro.

    Biden se reuniu na manhã de terça-feira com o chanceler Olaf Scholz, da Alemanha, o presidente Emmanuel Macron, da França, e o primeiro-ministro Boris Johnson, do Reino Unido, à margem do G7, que está ocorrendo na região da Baviera, na Alemanha.

    O grupo desempenhou o papel mais significativo na orquestração da resposta ocidental à guerra na Ucrânia, embora existam diferenças de opinião sobre como e quando envolver o presidente russo Vladimir Putin nas negociações para acabar com a guerra.

    Anúncios sobre segurança alimentar

    Os líderes do G7 estão anunciando nesta terça-feira um financiamento de até US$ 5 bilhões em segurança alimentar global, no mais recente esforço para combater os efeitos globais da guerra na Ucrânia, mais da metade dos quais virão dos Estados Unidos.

    Como parte do anúncio de terça-feira, o governo Biden está comprometendo US$ 2,76 bilhões “para apoiar esforços em mais de 47 países e organizações regionais”, incluindo US$ 2 bilhões em ajuda humanitária direta e US$ 760 milhões “para assistência alimentar sustentável, de curto e médio prazo para ajudar a melhorar a resiliência e a produtividade dos sistemas alimentares em todo o mundo, particularmente em regiões vulneráveis”, disse um alto funcionário do governo a repórteres na terça-feira.

    De acordo com estimativas da Casa Branca, a invasão da Ucrânia pela Rússia e a subsequente destruição de equipamentos agrícolas e o bloqueio de embarques de grãos levarão até 40 milhões de pessoas à pobreza em 2022. O governo Biden tentou uma série de medidas provisórias para movimentar os grãos e evitar uma “escassez catastrófica de alimentos” em partes do mundo.

    “Obviamente, as ações de Putin estão no centro, e a coisa a partir da qual você pode traçar uma linha direta para todas as vulnerabilidades que estamos vendo em todo o mundo em termos de segurança alimentar — suas ações estrangularam a produção agrícola e alimentar. , usando a comida como arma de guerra”, disse o funcionário. “Esta é apenas uma parte de nossos esforços, e estamos comprometidos em fazer tudo o que pudermos, tanto como os Estados Unidos quanto o G7, para trabalhar com parceiros em todo o mundo para resolver isso”.

    O compromisso dos EUA virá do segundo pacote de assistência suplementar à Ucrânia aprovado no mês passado, e deve ser alocado e entregue até o final do ano fiscal. De acordo com o funcionário, os líderes também discutiram “uma série de abordagens” para levar os grãos da Ucrânia ao mercado e lidar com a escassez global, acrescentando que a questão estava “no topo da lista de prioridades que os líderes têm em relação ao desafio da segurança alimentar”.

    O anúncio de terça-feira ocorre no último dia da Cúpula do G7 em Schloss Elmau, na Alemanha, onde os líderes também devem condenar os danos causados ​​pelas “práticas industriais não transparentes que distorcem o mercado” da China, em um comunicado encerrando a cúpula.

    Cúpula crucial da Otan começa terça-feira

    O presidente Joe Biden chegou a Madri à tarde para uma cúpula na qual os líderes devem endossar um novo “conceito estratégico” que delineia os objetivos da aliança de defesa para a próxima década.

    Essas prioridades incluem “construir resiliência contra ameaças transnacionais, incluindo cibernética e climática” e “aprofundar parcerias com parceiros democráticos na Europa e na Ásia para fortalecer a ordem internacional baseada em regras”, diz a Casa Branca.

    O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse na segunda-feira que a aliança aumentará o número de tropas em alerta máximo para 300 mil, um aumento de sete vezes que reflete a guerra na Ucrânia.

    Stoltenberg disse que a Rússia desistiu de qualquer parceria com a Otan, e o grupo foi obrigado a responder.

    “Eles escolheram o confronto em vez do diálogo. Lamentamos isso — mas é claro que precisamos responder a essa realidade”, disse ele.

    Biden descreveu a Otan como “unida e galvanizada” na terça-feira, mas reconheceu os custos crescentes da guerra na Ucrânia durante uma breve sessão de fotos com o rei espanhol Felipe VI.

    “Estamos prontos para enfrentar ameaças de agressão russa porque, francamente, não há escolha”, disse ele, chamando a invasão da Ucrânia pela Rússia de “o abuso de poder mais significativo desde a Segunda Guerra Mundial”.

    “Algumas pessoas pensaram que não era provável que acontecesse novamente, mas aconteceu. Mas nós respondemos. Respondemos em uníssono”, disse ele.

    “Quando concordamos que iríamos responder, reconhecemos que haveria alguns custos para nosso povo, nossa imposição de sanções à Rússia. Mas nosso povo se uniu. Eles se levantaram e permaneceram fortes”, acrescentou.

    O presidente e a primeira-dama Jill Biden participarão de um jantar na terça-feira à noite para os líderes presentes na cúpula da Otan, que será apresentada pelo rei Felipe VI e Sua Majestade a Rainha Letizia da Espanha.

    Desafios em casa e no exterior

    A cúpula ocorre no momento em que a invasão russa da Ucrânia se estende para seu quinto mês e os EUA procuram manter aliados unidos em seu apoio à Ucrânia e sustentar a pressão sobre o presidente russo, Vladimir Putin.

    Mas também ocorre quando os líderes enfrentam a ameaça de uma recessão global e o governo Biden lida com a inflação crescente e os altos preços e taxas de juros em casa. As crescentes preocupações econômicas levantaram questões sobre se a resposta ocidental unida ao conflito na Ucrânia pode ser sustentada a longo prazo à medida que a guerra avança.

    A avaliação dos EUA sobre a guerra prevê cada vez mais uma batalha longa e punitiva no leste da Ucrânia que resultará em altas perdas de pessoal em ambos os lados. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse aos líderes do G7 durante uma reunião virtual na segunda-feira que deseja que a guerra na Ucrânia termine até o final de 2022, de acordo com uma fonte familiarizada com seus comentários.

    Os EUA também estão se preparando para anunciar a compra de um avançado sistema de defesa antimísseis terra-ar de médio a longo alcance que o presidente da Ucrânia solicitou. O anúncio pode ocorrer ainda esta semana e vem além dos vários pacotes de assistência militar que os EUA forneceram desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro.

    Os EUA também divulgarão outras novas sanções, inclusive contra empresas e indivíduos de defesa russos. Os líderes concordaram em proibir as importações de novo ouro russo, que é a segunda maior exportação do país depois da energia.

     

    *Kevin Liptak, Niamh Kennedy, Sugam Pokharel, Kate Sullivan e Donald Judd, CNN. Betsy Klein, da CNN, contribuiu para esta reportagem.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN