Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ucranianos estariam por trás da explosão de gasoduto, diz jornal

    Segundo a reportagem, investigação feita na Alemanha aponta que a Polônia foi base de operações para os sabotadores; DNA de soldado da Ucrânia teria sido encontrado em embarcação  

    Instalações do Nord Stream 1; explosão de gasoduto levou grande transtornos à Rússia e outros países da Europa
    Instalações do Nord Stream 1; explosão de gasoduto levou grande transtornos à Rússia e outros países da Europa 30/08/2022REUTERS/Lisi Niesner

    Da Reuters

    Investigadores alemães estão examinando evidências que sugerem que uma equipe de sabotagem usou a Polônia como base operacional para danificar os gasodutos Nord Stream no Mar Báltico em setembro do ano passado, informou o Wall Street Journal neste sábado.

    Os investigadores reconstituíram a viagem de duas semanas a bordo do “Andromeda”, um iate de 15 metros suspeito de estar envolvido na sabotagem do Nord Stream 1 e 2, informou o jornal.

    O Wall Streeet Journal conversou com pessoas familiarizadas com a viagem e indicou que a equipe de sabotagem pode ter colocado explosivos de alto mar no Nord Stream 1, antes de dirigir o barco em direção à Polônia. A matéria ainda revelou que a Alemanha está tentando bater as amostras de DNA encontradas no navio “com pelo menos um soldado ucraniano”.

    O Escritório Federal da Polícia Criminal da Alemanha e o porta-voz do governo da Polônia não responderam aos pedidos de comentários, mas um funcionário de alto escalão do governo polonês insinuou que a reportagem do jornal foi resultado de propaganda russa.

    “Informações sobre pistas polonesas ou ucranianas na destruição do NS1 e do NS2, repetidas na imprensa, são consistentemente usadas pelo aparato de influência russo para criar a impressão/presunção de que Varsóvia e Kiev estavam por trás desse incidente”, escreveu Stanislaw Zaryn, porta-voz dos Serviços Especiais da Polônia, no Twitter.

    A invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022 colocou a dependência do gás natural russo por parte da Europa no centro das atenções políticas. A destruição dos gasodutos Nord Stream acelerou a necessidade de a região procurar outros fornecedores de energia.

    O Nord Stream 1 e o Nord Stream 2, cada um composto por dois dutos, foram construídos pela estatal russa Gazprom para bombear 110 bilhões de metros cúbicos de gás natural por ano para a Alemanha.

    (Reportagem de Shivani Tanna em Bengaluru e Karol Badohal em Varsóvia)