Entenda como Alexei Navalny se tornou o líder de oposição da Rússia

Navalny ganhou visibilidade pela primeira vez em 2008, quando começou a publicar sobre uma suposta corrupção em empresas estatais russas

Alexei Navalny dentro de sela durante audiência em Moscou
Alexei Navalny dentro de sela durante audiência em Moscou Foto: BABUSHKINSKY DISTRICT COURT/REUTERS

Paul LeBlancda CNN

Ouvir notícia

E com os olhos do mundo agora voltados para o presidente russo Vladimir Putin em meio à sua brutal invasão da Ucrânia, a mensagem de resistência de Navalny está ganhando novo peso dentro e fora da Rússia, mesmo que ele permaneça atrás das grades.

“A única coisa necessária para o triunfo do mal é que as pessoas de bem não façam nada”, diz ele, ecoando a famosa frase, no novo filme da CNN “Navalny”. “Então não fique inativo.”

Suba ao destaque

Navalny ganhou visibilidade pela primeira vez em 2008, quando começou a publicar sobre uma suposta corrupção em empresas estatais russas. Em 2011, ele emergiu como um dos líderes dos protestos maciços que eclodiram após alegações de fraude nas eleições parlamentares.

“Aqueles que se reuniram aqui podem chutar esses ladrões do Kremlin amanhã”, disse Navalny em um protesto de 2011.

Ele postou seu primeiro vídeo no YouTube, um guia de instruções passo a passo mostrando como construir um “cubo de agitação”, uma estrutura de tenda em forma de caixa com sua imagem estampada na lateral, em julho de 2013. O clipe marcou o início da campanha do dissidente russo para ser eleito prefeito de Moscou e o começo humilde de sua revolução no YouTube.

Mas seu movimento foi emboscado quando foi condenado por peculato, no momento em que se preparava para concorrer a prefeito. Navalny negou as acusações e as chamou de motivação política. Um novo julgamento em 2017 o impediu de concorrer a um cargo público – desta vez para presidente contra Putin.

Embora Navalny seja mais conhecido como ativista, são suas investigações que têm sido a maior pedra no sapato de alguns dos poderosos da Rússia. Seus vídeos sobre a aparente riqueza inexplicável de altos funcionários do governo aumentaram particularmente a ira do Kremlin.

Um vídeo sobre o ex-primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev atraiu mais de 35 milhões de visualizações no YouTube.

Mas com o aumento dos resultados veio o aumento dos riscos. Em março de 2017, esse vídeo acendeu uma faísca sob os maiores protestos antigovernamentais que a Rússia viu em anos. Milhares se juntaram a manifestações em quase 100 cidades em toda a Rússia. O próprio Navalny foi preso e encarcerado por 15 dias.

No mês seguinte, ele foi borrifado com um corante verde antisséptico, prejudicando sua visão em um olho “Ouçam, tenho algo muito óbvio para lhes dizer. Vocês não podem desistir. Se eles decidirem me matar, significa que somos incrivelmente fortes”, disse Navalny a seus apoiadores no filme da CNN.

“Precisamos utilizar esse poder, não desistir, lembrar que somos um grande poder que está sendo oprimido por eles. Não percebemos o quão fortes realmente somos.”

Intoxicação e recuperação

Em 2020, havia sinais de que o terreno estava mudando sob o movimento de oposição de Navalny.

O Kremlin assumiu uma postura mais publicamente confrontadora em relação ao seu principal crítico, culminando em acusações de uma tentativa de envenenamento em agosto daquele ano.

Navalny começou a se sentir mal em um voo de volta para Moscou da cidade siberiana de Tomsk. Um gemido alto pode ser ouvido em imagens de vídeo aparentemente gravadas no voo que ele fez. Mais vídeos aparentemente gravados pela janela do avião mostraram um homem imóvel sendo levado por uma maca com rodas para uma ambulância que estava esperando.

Navalny foi tratado em um hospital de Berlim, e o governo alemão concluiu mais tarde que ele havia sido envenenado com um agente químico nervoso do grupo Novichok.

Uma investigação conjunta da CNN e do grupo Bellingcat implicou o Serviço de Segurança Russo (FSB) no envenenamento de Navalny, juntando como uma unidade de elite da agência seguiu a equipe de Navalny durante uma viagem à Sibéria, quando Navalny adoeceu por exposição ao Novichok.

A investigação também descobriu que esta unidade, que inclui especialistas em armas químicas, seguiu Navalny em mais de 30 viagens de e para Moscou desde 2017. A Rússia nega envolvimento no envenenamento de Navalny. O próprio Putin disse em dezembro que se os serviços de segurança russos quisessem matar Navalny, eles “teriam terminado” o trabalho.

No entanto, vários funcionários ocidentais e o próprio Navalny culparam abertamente o Kremlin.

“É impossível acreditar. É meio estúpido que toda a ideia de envenenar com uma arma química, que porra é essa?” Navalny diz no novo filme da CNN. “É por isso que isso é tão inteligente, porque mesmo as pessoas razoáveis ​​se recusam a acreditar como, o quê? Vamos… envenenado? Sério?”

A notícia de que Navalny adoeceu gravemente causou uma nova onda de choque na sociedade russa, levantando paralelos preocupantes com alguns dos assassinatos políticos mais descarados no passado recente da Rússia.

Governos ocidentais, pesquisadores independentes e observadores da Rússia notaram um padrão consistente de envolvimento do Estado russo em assassinatos dentro e fora da Rússia.

Oposição atrás das grades

Após uma estadia de cinco meses na Alemanha se recuperando do envenenamento por Novichok, Navalny foi imediatamente preso quando voltou a Moscou no ano passado, por violar os termos de liberdade condicional impostos em um caso de 2014.

Ele foi enviado para uma colônia penal, onde entrou em greve de fome – protestando contra a recusa dos funcionários da prisão em conceder-lhe acesso a cuidados médicos, mantendo seu escrutínio do governo de Putin na frente e no centro.

Em uma audiência no ano passado, um Navalny visivelmente magro usou a plataforma para lançar uma ofensiva contra o líder russo e seu governo, comparando-o ao tolo “rei nu” do conto infantil “A roupa nova do imperador” e chamando o juiz e os promotores “traidores”.

“Gostaria de dizer que seu rei está nu, e mais de um garotinho está gritando sobre isso – agora são milhões de pessoas que já estão gritando sobre isso. É bastante óbvio. Vinte anos de governo incompetente vieram para isto: há uma coroa deslizando de suas orelhas”, disse Navalny sobre Putin, referindo-se também aos protestos em massa contra o governo na Rússia após a prisão do ativista e durante sua greve de fome.

“Seu rei nu quer governar até o fim. Ele não se importa com o país; ele está agarrado ao poder e quer governar indefinidamente”, disse Navalny.

Dias após encerrar sua greve de fome, a rede de escritórios regionais de Navalny para seu movimento político foi “oficialmente dissolvida”, segundo seu chefe de gabinete, Leonid Volkov.

Os escritórios foram inicialmente criados em fevereiro de 2017 com o objetivo de organizar atividades para voluntários durante a campanha presidencial russa. Após as eleições, os escritórios regionais assumiram outro trabalho político local.

Mas talvez o maior golpe em seu movimento tenha ocorrido no mês passado, quando Navalny foi condenado pelo tribunal de Lefortovo de Moscou por alegações de que ele roubou de sua Fundação Anticorrupção. Ele foi condenado a mais nove anos em uma prisão de segurança máxima.

Depois que a sentença foi anunciada, Navalny escreveu no Twitter: “9 anos. Bem, como os personagens da minha série de TV favorita ‘The Wire’ costumavam dizer: ‘Você só faz dois dias. saia.'” Ele acrescentou: “Eu até tinha uma camiseta com esse slogan, mas as autoridades prisionais a confiscaram, considerando a estampa extremista”.

Ainda assim, suas convicções não vacilaram.

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro, Navalny foi às redes sociais para denunciar o ataque, defendendo os protestos contra a guerra em todo o país como “a espinha dorsal do movimento contra a guerra e a morte”, segundo a Reuters.

Em outro tweet, Navalny disse: “Sou muito grato a todos pelo apoio. E, pessoal, quero dizer: o melhor apoio para mim e outros presos políticos não é simpatia e palavras gentis, mas ações. Qualquer atividade contra o regime de Putin enganoso e ladrão. Qualquer oposição a esses criminosos de guerra.”

Milhares na Rússia foram detidos por manifestações anti-guerra nas semanas seguintes, inclusive em Moscou e São Petersburgo.
Uma jovem que a CNN conheceu à margem da primeira noite de protesto no mês passado estava à beira das lágrimas explicando que ama a Rússia, mas não seu líder, por isso concluiu que deve deixar o país.

Há uma frustração real nessa geração, mas eles são uma minoria – menos de 10% da nação.

De fato, a última pesquisa do Centro Russo de Pesquisa de Opinião Pública (VCIOM), uma organização estatal, mas respeitada internacionalmente, descobriu que 68% das pessoas dizem apoiar a decisão de realizar a “Operação Militar Especial”, que Putin havia anunciado ao lado de falsas acusações de nazismo e genocídio na Ucrânia; 22% se opuseram e 10% tiveram dificuldade em responder.

É uma avaliação séria que quando Putin coloca o dedo no vento da opinião pública, ele pode estar razoavelmente certo de que está soprando na direção que ele instruiu seus órgãos estatais a definir.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN