Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Viajantes plus size criticam políticas “discriminatórias” de assentos em aviões

    Companhias aéreas americanas podem cobrar assento extra de passageiros plus size; Influenciadora fez petição pedindo que assentos adicionais acessíveis sejam fornecidos para esses clientes

    A viajante plus size Jae'lynn Chaney lançou uma petição pedindo que a Administração Federal de Aviação americana exija que todas as companhias aéreas implementem uma política clara de tamanho do cliente
    A viajante plus size Jae'lynn Chaney lançou uma petição pedindo que a Administração Federal de Aviação americana exija que todas as companhias aéreas implementem uma política clara de tamanho do cliente Jae'lynn Chaney

    Tamara Hardingham-Gillda CNN

    Enquanto a largura média de um assento de avião vem diminuindo há décadas, as pessoas estão engordando em todo o mundo, com especialistas prevendo que mais da metade da população global estará acima do peso ou obesa até 2035.

    Isso significa que é provável que mais e mais passageiros tenham dificuldade em caber nos assentos dos aviões e, como resultado, alguns podem sentir no bolso.

    As políticas sobre passageiros plus size tendem a variar de companhia aérea para companhia aérea nos Estados Unidos. Embora várias, incluindo a United Airlines, exijam que “clientes que precisam de assento extra” comprem um assento adicional com antecedência, alguns reembolsam a compra se um ou mais assentos estiverem disponíveis após a decolagem. No entanto, não existe um padrão universal.

    Companhias aéreas diferentes têm diretrizes diferentes. Algumas não têm diretrizes, o que significa que mesmo os viajantes bem informados podem ter problemas para acompanhar.

    Confusão de políticas

    Em abril, a influenciadora de viagens plus size Jae’lynn Chaney lançou uma petição instando a Federal Aviation Administration (FAA) a obrigar todas as companhias aéreas a adotar uma política abrangente para clientes de tamanho grande que “prioriza o conforto e o bem-estar de todos os passageiros”.

    “Precisamos que as políticas sejam um pouco mais padronizadas”, disse Chaney à CNN. “No mínimo, precisamos que cada companhia aérea tenha uma política que diga às pessoas de tamanho grande como navegar em sua companhia aérea”.

    Charles Leocha, cofundador do grupo de defesa do consumidor de companhias aéreas Travelers United, compartilha desse sentimento.

    “Todos os passageiros plus size apreciam conhecer as regras”, acrescenta. “Elimina muitos mal-entendidos”.

    Fora dos Estados Unidos, a Lei do Consumidor Australiana proíbe as companhias aéreas de cobrar valores diferentes dos passageiros com base no tamanho de seus corpos.

    Enquanto isso, a política “uma pessoa, uma tarifa” (1p1t), que impedia as companhias aéreas domésticas Air Canada, Air Canada Jazz e WestJet de cobrar passageiros que exigem um assento extra por mais de uma tarifa, foi aprovada pela Canadian Transportation Agency em 2008.

    A obesidade é reconhecida como uma deficiência no Canadá, e os passageiros devem ser considerados “deficientes funcionais pela obesidade” para atender aos requisitos de um assento extra gratuito.

    No entanto, a regra vale apenas para voos domésticos, o que significa que viajantes plus size ainda precisam comprar um assento extra ao embarcar em um voo internacional.

    Chaney se senta entre dois assentos de avião em um voo da Southwest Airlines para Kona, Havaí, em abril de 2022 / Jae’lynn Chaney

    Muito apertado

    Uma das várias demandas listadas na petição de Chaney, que recebeu mais de 17 mil assinaturas até o momento, é que todas as companhias aéreas “forneçam assentos adicionais acessíveis a clientes plus size” que podem exigir mais espaço ou “invadir o espaço de outro passageiro”.

    “Esses passageiros devem ter um assento extra livre, ou mesmo assentos múltiplos, para acomodar suas necessidades e garantir seu conforto e segurança, bem como daqueles que os cercam, durante o voo”, diz a petição.

    Para Chaney, que desde muito jovem precisou de um extensor de cinto de segurança, a questão é extremamente pessoal.

    “Eu meio que sabia que os aviões não eram construídos para pessoas como eu quando eu tinha 12 anos”, diz ela, lembrando-se de tentar esconder o cinto de segurança para que os comissários de bordo não pudessem ver que ela não tinha conseguido afivelar.

    “Era muito apertado nos assentos. E sendo uma criança tão pequena na época, viajar sem meus pais era muito estressante para mim. Porque eu não sabia como me defender”.

    Chaney acha que as políticas das companhias aéreas que exigem que viajantes plus size comprem um assento extra durante o voo são “discriminatórias”, apontando que passageiros como ela estão “pagando duas vezes pela mesma experiência”.

    “Pessoas com corpos menores pagam uma passagem para chegar ao seu destino”, diz ela. “E temos que pagar duas passagens, mesmo tendo a mesma experiência. Na verdade, nossas experiências são um pouco mais desafiadoras”.

    A United Airlines, uma das companhias aéreas dos EUA que exige que passageiros maiores comprem um assento extra, não quis comentar.

    Chaney descarta sugestões de que viajantes plus size estão pedindo tratamento especial, enfatizando que eles estão simplesmente “pedindo a mesma dignidade e respeito de uma companhia aérea que alguém com um corpo menor recebe”.

    American Airlines
    Assentos de passageiros nas cabines da primeira classe e da classe econômica numa aeronave da American Airlines / Cooper Neill/Bloomberg/Getty Images

    Questão de direitos humanos?

    Gabor Lukacs, defensor dos direitos dos passageiros aéreos canadenses, diz que vê a prática de cobrar passageiros plus size por dois assentos como uma questão de direitos humanos. “Ser uma pessoa grande não é uma escolha, como muitas pessoas acreditam erroneamente”, disse Lukacs.

    “Há, infelizmente, muita atenção negativa e preconceito contra pessoas plus size. Mas não é como se alguém se levantasse de manhã e tomasse a decisão de ser plus size. Portanto, através dessa lente dos direitos humanos, não vejo nenhuma justificativa de cobrar uma tarifa dupla dessas pessoas”.

    Lukacs lembra ainda que as companhias aéreas não oferecem descontos para pessoas menores, nem mesmo crianças, mesmo sendo muito mais leves e, portanto, “consome-se menos combustível para transportá-las”.

    “Eu ficaria muito preocupado em ver esse tipo de argumento sendo usado onde características imutáveis de uma pessoa estão sendo usadas para avaliar tarifas”, acrescenta ele. “Pode ser uma ladeira escorregadia”.

    Segundo Chaney, além de ser um “peso financeiro”, a perspectiva de pagar por dois assentos é uma complicação a mais de uma experiência que já é muito difícil para muitos viajantes plus size.

    “Há tantas coisas diferentes, obstáculos, que estão no caminho”, explica ela.

    Chaney regularmente compartilha dicas sobre como voar como uma pessoa plus size em seu canal no TikTok e diz que uma das perguntas que ela mais faz é: “O que eu faço se o cinto de segurança não fechar?”.

    “Surpreende-me sempre que muitas pessoas não sabem que existem extensores de cinto de segurança”, acrescenta. “E que estão disponíveis em todos os voos”.

    Chaney admite que ter que pedir um extensor de cinto de segurança “nem sempre é a experiência mais confortável”, principalmente quando se depara com passageiros hostis, ou mesmo comissários de bordo, em algumas ocasiões.

    Aeromoças servindo comida e bebidas ao cliente no avião durante o voo
    Aeromoças servindo comida e bebidas ao cliente no avião durante o voo / Anchiy/Getty Images

    Desafios constantes

    “Os estereótipos que cercam os viajantes plus size e a hostilidade em relação a nós quando viajamos de avião são horríveis. Pode ser uma experiência tão desconfortável. As pessoas nos tratam de maneira muito diferente”, acrescenta ela.

    Embora Chaney enfatize que grande parte do feedback que recebeu desde o lançamento de sua petição foi extremamente positivo, ela admite que foi sujeita a abusos e até ameaças de morte por parte do público.

    “Escolhi focar na positividade e no apoio”, acrescenta.

    No início deste ano, a criadora de conteúdo e especialista em viagens plus size Kirsty Leanne se tornou viral depois de postar um vídeo dela mesma lutando para entrar em um assento de avião enquanto voava com uma companhia aérea de baixo custo.

    Leanne, que também é a fundadora do site Plus Size Travel Too, diz que ficou chocada com o grande volume de comentários negativos que recebeu depois de compartilhar o vídeo, que detalhava muitos dos problemas que ela e outras viajantes plus size enfrentam a bordo de um avião.

    “Eu estava compartilhando minha experiência com as companhias aéreas e mostrando a outros viajantes plus size o que esperar, então não esperava que tantas pessoas pensassem que os pontos que fiz eram reclamações de qualquer tipo”, disse Leanne.

    “Achei que receberia um ou dois comentários negativos, como sempre acontece com vídeos falando sobre ser plus size, mas não tanto quanto recebi”.

    Nas últimas duas décadas, a largura do assento médio encolheu de 47 para 43 centímetros. Enquanto isso, de acordo com um estudo da Federação Mundial de Obesidade, cerca de 38% da população mundial está com sobrepeso ou obesidade.

    “Isso [encolhimento de assentos] teve um impacto negativo nos passageiros plus size”, diz Leanne. “Portanto, isso não apenas os impede de voar, mas também torna incrivelmente desconfortável para aqueles que optam por voar. Com os assentos encolhidos, deve-se reconhecer que pessoas de tamanho grande podem precisar de certas acomodações para permitir que voem com segurança e conforto”.

    Quando procurada pela CNN para comentar, a FAA apontou para um período de comentários públicos de 90 dias, sobre as dimensões mínimas dos assentos necessárias para a segurança dos passageiros das companhias aéreas, que foi realizado no ano passado.

    “A agência está revisando os milhares de comentários que recebeu sobre se o tamanho e o espaçamento atuais dos assentos afetam a evacuação dos passageiros”, disse a FAA em nota.

    Em 2022, a Flyers Rights, uma organização sem fins lucrativos, fez uma petição à FAA para regulamentar um tamanho mínimo de assento, citando preocupações sobre riscos médicos, incluindo coagulação do sangue, devido ao espaço limitado, entre outras questões.

    No entanto, a petição foi negada por um tribunal de apelações dos EUA no início deste ano.

    Para Lukacs, diminuir o tamanho dos assentos de avião é algo que todos os viajantes, não apenas os plus size, deveriam se preocupar.

    “É uma preocupação, porque ficar espremido em um assento muito pequeno pode, além do conforto, afetar a saúde, em termos de riscos de trombose venosa profunda”, observa.

    “Não tenho certeza de qual é a ciência sobre isso hoje, mas posso ver que isso é um problema. E também, não somos gado. Esperamos, quando embarcamos em um avião, ser tratados com um nível razoável de respeito”.

    Em 2013, a Samoa Air, a companhia aérea de Samoa, anteriormente conhecida como Polynesian Airlines, tornou-se a primeira companhia aérea a começar a pesar passageiros no aeroporto.

    E no mês passado, a Air New Zealand confirmou que pesará os passageiros como parte de uma “pesquisa de peso do passageiro”, para calcular os dados sobre a carga de peso e a distribuição dos aviões. A transportadora nacional da Nova Zelândia enfatizou que a pesquisa é voluntária.

    Chaney, que fez uma viagem de avião pela última vez em abril de 2022, diz que se sente mais confortável voando com a Southwest Airlines, explicando que a “política de tamanho e assento extra” da companhia aérea estipula que os passageiros que precisam de espaço extra podem comprar outro assento no momento da reserva e solicite o reembolso após entrar em contato com o atendimento ao cliente.

    A criadora de conteúdo plus size Kirsty Leanne compartilha regularmente as experiências que ela enfrenta durante as viagens / Kirsty Leanne

    Hostilidade

    Quando ela voa com seu parceiro Jake, que também é plus size, o casal precisa decidir se compra quatro assentos e se senta separados ou compra três assentos entre eles e “fiquem um pouco apertado”.

    “Também garantimos que nossos voos duram apenas seis ou sete horas no máximo, porque não podemos usar o banheiro confortavelmente no avião”, acrescenta Chaney, que diz que Jake já presenciou passageiros que se recusaram a sentar ao lado dele.

    Como Chaney, Leanne sente que é importante compartilhar suas experiências, boas e ruins, durante a viagem, e espera que outros passageiros plus size, que podem ter medo de entrar em um avião, vejam que “não há nada para se envergonhar”.

    “Embora possa ser incrivelmente assustador e avassalador viajar em um corpo maior, por favor, não deixe que a experiência de voar enquanto plus size o impeça de viajar”, diz ela. “Há tantas coisas incríveis para ver por aí e eu prometo a você, vale a pena”.

    De acordo com Chaney, um dos maiores equívocos sobre os passageiros plus size é a noção de que eles não consideram quanto espaço ocupam.

    “Eles [outros viajantes] pensam que queremos invadir o espaço deles, ou que não nos importamos se estamos invadindo o espaço deles ou apertando o espaço deles, principalmente em viagens aéreas”, diz ela.

    “E é daí que vem muita hostilidade. Quando, na realidade, tantas pessoas com quem converso, falam sobre como tentam se encolher”.

    “Eles tentam se encostar na janela. Eles tentam se tornar o menor possível quando viajam de avião, simplesmente para não ofender ninguém. Para que eles não tenham que enfrentar hostilidade ou constrangimento. Eu sei que é algo em que penso o tempo todo na vida, não importa onde eu esteja”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original