Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Xi Jinping promete buscar a “reunificação” com Taiwan por meios pacíficos

    Taiwan e a China continental são governadas separadamente desde o fim de uma guerra civil, há mais de sete décadas

    Wayne ChangYong XiongBen Westcottda CNN

    O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu buscar a “reunificação” com Taiwan por meios pacíficos em um discurso em Pequim no sábado (9).

    Falando no Grande Salão do Povo para comemorar o 110º aniversário da revolução que pôs fim à última dinastia imperial do país, Xi disse que o maior obstáculo à reunificação da China é a força de “independência de Taiwan”.

    “Aqueles que esquecem sua herança, traem sua pátria e buscam dividir o país não terão sucesso”, disse Xi.

    Taiwan e a China continental são governadas separadamente desde o fim de uma guerra civil, há mais de sete décadas, na qual os nacionalistas derrotados fugiram para Taipei.

    No entanto, Pequim vê Taiwan como uma parte inseparável de seu território — embora o Partido Comunista Chinês nunca tenha governado a ilha democrática de cerca de 24 milhões de pessoas.

    O discurso de Xi ocorreu um dia antes do aniversário oficial da Revolta de Wuchang em 10 de outubro, que é comemorado como o Dia Nacional em Taiwan.

    Xi disse no sábado que deseja que a reunificação pacífica ocorra sob uma política de “um país, dois sistemas”, semelhante à usada em Hong Kong. No entanto, o sistema de governo é geralmente combatido por Taiwan.

    Em seu discurso, Xi acrescentou que a questão de Taiwan é um dos assuntos internos da China e “não permite interferência de fora”.

    “As pessoas não devem subestimar a determinação do povo chinês em defender a soberania nacional e a integridade territorial. A tarefa da reunificação completa da China deve ser realizada, e definitivamente será realizada”, disse ele.

    O discurso foi feito em meio a tensões militares crescentes no Estreito de Taiwan. Durante quatro dias no início de outubro, os militares chineses voaram quase 150 jatos de combate, bombardeiros com capacidade nuclear, aeronaves anti-submarinas e aviões de alerta e controle aerotransportados para a Zona de Identificação de Defesa Aérea de Taiwan, de acordo com o Ministério da Defesa da ilha.

    O presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, disse em um fórum de segurança em Taipei na sexta-feira (8) que embora seu governo não tenha buscado um conflito militar, “Taiwan também fará o que for necessário para defender sua liberdade e modo de vida democrático”.

    A declaração aconteceu depois que o ministro da Defesa de Taiwan, Chiu Kuo-cheng, disse a jornalistas na quarta-feira que a China poderia ser capaz de montar uma invasão “em grande escala” da ilha até 2025 .

    Embora Xi não tenha feito nenhuma menção ao uso da força militar em seu discurso de sábado, ele se recusou anteriormente a descartá-lo .

    No entanto, seus comentários mais recentes foram menos inflamados do que os comentários que ele fez em 1º de julho para comemorar o 100º aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês, no qual ele prometeu “derrotar totalmente” quaisquer defensores da independência de Taiwan.

    Em um comunicado divulgado após o discurso de Xi, o Conselho de Assuntos do Interior de Taiwan disse que Pequim deveria abandonar seus “passos provocativos de intrusão, assédio e destruição”.

    O futuro e o desenvolvimento de Taiwan estão exclusivamente nas mãos do povo da ilha, disse o comunicado, acrescentando que a China deve considerar as interações baseadas em “paz, paridade, democracia e diálogo”.

    (Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)