Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Zelensky diz que contraofensiva militar da Ucrânia deve começar em breve

    Em visita à Itália, o presidente ucraniano disse que os primeiros passos importantes para vencer a guerra contra a Rússia seriam dados em breve

    Barbie Latza NadeauHeather ChenYulia KesaievaDelia Gallagherda CNN

    O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse no sábado que “os primeiros passos importantes” de uma contraofensiva militar altamente esperada contra as forças russas “seriam dados em breve”, ao se reunir com parceiros europeus que fornecem armas ao seu país.

    Falando a repórteres em Roma após reuniões com o presidente e a primeira-ministra da Itália, Zelensky disse que as forças ucranianas estavam “se preparando muito seriamente”.

    “Definitivamente haverá passos muito sérios. Não posso dizer [quando]… mas você definitivamente verá e a Rússia definitivamente sentirá”, disse ele. “Acreditamos na vitória e acreditamos que os primeiros passos importantes serão dados em breve.”

    Um alto oficial militar dos EUA e um alto oficial do Ocidente disseram à CNN na semana passada que as forças ucranianas começaram a “preparar” as operações antes da contraofensiva.

    A preparação envolve atingir alvos como depósitos de armas, centros de comando e sistemas de blindagem e artilharia para preparar o campo de batalha para o avanço das forças. É uma tática padrão feita antes das principais operações combinadas.

    Descrevendo uma reunião “longa e frutífera” com Zelensky no sábado, a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, prometeu apoio inabalável à Ucrânia, acrescentando que Roma apoiaria qualquer oferta futura de Kiev para ingressar na Otan.

    “Estamos prontos para apoiar uma maior intensificação da parceria da Ucrânia com a Otan, discutiremos isso em Vilnius na cúpula de julho, provavelmente será o tema central”, disse Meloni.

    Mais cedo, Zelensky se encontrou com o papa Francisco, que tem manifestado abertamente seu apoio ao fim da guerra na Ucrânia.

    Em encontro no Vaticano no sábado, Zelensky e Francisco falaram sobre a situação humanitária e política na Ucrânia causada pela guerra e o papa garantiu sua “oração constante”, segundo um comunicado da assessoria de imprensa do Vaticano.

    “Ambos concordaram com a necessidade de continuar os esforços humanitários para apoiar a população”, disse o comunicado.

    Zelensky disse na semana passada que seu país ainda precisa de “um pouco mais de tempo” antes de lançar a contraofensiva, a fim de permitir que um pouco mais da prometida ajuda militar ocidental chegue ao país.

    Entre os apoiadores ocidentais está a Alemanha, onde Zelensky chegou neste domingo (14) em sua primeira visita ao país desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro passado.

    “Já em Berlim. Armas. Pacote poderoso. Defesa Aérea. Reconstrução. UE. Otan. Segurança”, escreveu Zelensky no Twitter.

    O Ministério da Defesa da Alemanha disse no sábado que forneceria à Ucrânia quase US$ 3 bilhões a mais em ajuda militar, incluindo 30 tanques.

    Isso ocorre após uma grande reviravolta política no início deste ano, quando Berlim anunciou que forneceria a Kiev tanques de batalha Leopard 2. A Alemanha inicialmente resistiu aos pedidos para fornecer armamento à Ucrânia, seguindo a política de décadas de Berlim de não fornecer armas letais para zonas de crise.

    Ataques russos

    Enquanto Zelensky viaja pela Europa, o ataque da Rússia à Ucrânia continua.

    Duas pessoas, incluindo uma menina de 15 anos, foram mortas e outras 10 ficaram feridas no sábado como resultado de um bombardeio russo na cidade oriental de Kostiantynivka, disseram autoridades ucranianas no Telegram.

    No oeste da Ucrânia, pelo menos 21 pessoas ficaram feridas após ataques russos na cidade de Khmelnytskyi na madrugada de sábado, disseram autoridades ucranianas.

    A Força Aérea da Ucrânia disse no sábado que 17 dos 21 drones russos foram interceptados durante a noite por seu sistema de defesa aérea, mas não conseguiram impedir ataques a instalações de infraestrutura em Khmelnytskyi.

    Na vizinha Ternopil, duas pessoas ficaram feridas depois que mísseis russos atingiram armazéns e uma organização religiosa, disseram autoridades locais no Telegram.

    O ataque ocorreu enquanto a dupla musical de Ternopil, Tvorchi, se apresentava no Festival Eurovision em Liverpool, na Inglaterra. Os representantes ucranianos terminaram em sexto.

    Enquanto isso, uma autoridade apoiada pela Rússia em Luhansk disse que duas pessoas foram hospitalizadas após um segundo ataque com mísseis em 24 horas na região ocupada do leste.

    Em uma postagem no Telegram, Darya Lantratova, uma autoridade da autodeclarada República Popular de Luhansk, disse que o aparente ataque ucraniano foi realizado com mísseis de cruzeiro Storm Shadow.

    “Houve baixas, incluindo civis. Preliminarmente, duas pessoas estão internadas. Os militares relatam que os mísseis de cruzeiro Storm Shadow realizaram os ataques”, disse ela.

    A Ucrânia não fez nenhum comentário oficial sobre o uso de mísseis Storm Shadow desde que a Grã-Bretanha anunciou que havia fornecido as armas a Kiev no início desta semana.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original