Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fotógrafa passou cinco anos catalogando todos os 12.795 itens em sua casa

    Barbara Iweins afirma que, enquanto as pessoas filtram suas vidas nas redes sociais, ela deseja ser transparente

    Oscar Hollandda CNN

    Depois de se divorciar e se mudar para casa pela 11ª vez, Barbara Iweins decidiu fazer um balanço de sua vida – e de tudo que havia nela.

    Indo de sala em sala, ela passou quase cinco anos documentando cada objeto que possui, de peças de Lego soltas e chaveiros velhos a controles remotos, utensílios de cozinha e bugigangas diversas.

    As 12.795 imagens resultantes oferecem um retrato íntimo e não filtrado da fotógrafa belga. Sua abordagem de mostrar tudo e mais um pouco — um vibrador e um molde de seus dentes estão entre os muitos itens pessoais no inventário — é quase a antítese das mídias sociais de hoje, em que os usuários selecionam de perto o que revelam ao mundo.

    “Todo mundo está tentando se proteger mostrando uma versão idealizada de suas vidas”, disse Iweins por telefone da França, onde algumas das imagens estão atualmente em exibição no festival de fotografia Rencontres d’Arles. “Então, pensei: ‘OK, vou mostrar tudo; tem que ser real.'”

    Ao fotografar seus pertences, Iweins os classificou por cor, material e frequência com que eram usados ​​(de uma vez por dia a nunca). Sua planilha forneceu uma enxurrada de insights, surpreendentes e divertidos. Azul é a cor dominante em sua casa, representando 16% de todos os itens, enquanto 22% de suas roupas são pretas. Dos itens em seu banheiro, 43% são feitos de plástico. Cerca de 90% dos cabos em sua casa nunca são usados ​​e 19% de seus livros permanecem sem serem lidos.

    Entre suas descobertas mais inesperadas estava a abundância de pentes de metal usados ​​para extrair piolhos do cabelo de seus três filhos. “É algo que estamos perdendo o tempo todo, e descobri que tinha seis ou sete dessas coisas”, disse ela. “Fiquei surpresa com todas as coisas que perdia o tempo todo e recomprava.”

    O processo demorou quase cinco anos / Barbara Iweins

    O projeto levou a fotógrafa a refletir sobre seu próprio materialismo – e o consumismo da sociedade em geral. Ela estima que 121.046 euros (cerca de R$ 652.000) foram gastos em todo o conteúdo de sua casa, embora seu inventário tenha revelado que apenas 1% dos objetos tinham valor sentimental. No entanto, ela mantém o que chama de “conexão” com seus milhares de bens.

    “É um pouco triste”, disse ela. “E eu entendo totalmente, porque meus amigos são principalmente viajantes e eles realmente me olham com um pouco de pena – mas ter (um relacionamento com minhas coisas) me tranquiliza”.

    E, embora se autodenomine “colecionadora neurótica”, a fotógrafa não se considera uma colecionadora. “Eu dou muito, não compro excessivamente — acho que sou uma pessoa normal”, disse ela.

    “Eu sei que é muito”, acrescentou. “Mas eu pensei que seria mais.”

    Um ato de “autopreservação”

    Em um novo livro que acompanha a série, intitulado “Katalog”, a fotógrafa ordena seus pertences por tipo, com páginas inteiras dedicadas a instrumentos de escrita, produtos de limpeza e animais de brinquedo. Quando vistas em massa, as imagens assumem uma qualidade gráfica hipnótica, revelando variações aparentemente infinitas de formas cotidianas.

    E, embora muitas vezes mundanas isoladas, fotos individuais contêm as histórias de sua vida: o romance lascivo que ela tirou da biblioteca de seu pai aos 16 anos, a pulseira do hospital que ela usava ao dar à luz ou a medicação anti-ansiedade que ela começou a tomar aos 40 e poucos anos.

    Ao longo dos anos, Iweins dedicou em média 15 horas semanais ao projeto. Colocar ordem no caos tornou-se uma espécie de “terapia” que a ajudou a superar não apenas o divórcio, mas a subsequente morte do namorado.

    ele admitiu sentir uma conexão com todas as posses / Barbara Iweins

    “Quando comecei, eu realmente acreditava que estava exausta de mudar de casa e mudar minhas coisas”, disse ela. “E então eu percebi que não era sobre isso. Era mais como um ato de autopreservação — que fazer algo (para a série) todos os dias era realmente organizar minha vida na minha cabeça, um processo positivo.

    “Agora que o projeto está concluído e identifiquei quais objetos são valiosos, posso começar a viver”, acrescentou. “Tudo estava lá por uma razão, eu acho.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original