Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    O que realmente é moda plus size? Especialistas avaliam evolução do termo

    Nos últimos anos, houve um maior compromisso com a diversidade de tamanhos das marcas de roupas, dizem especialistas

    Ashley Graham posa para fotógrafos na chegada ao amfAR Cinema Against AIDS beneficente durante o Festival de Cinema de Cannes em 25 de maio
    Ashley Graham posa para fotógrafos na chegada ao amfAR Cinema Against AIDS beneficente durante o Festival de Cinema de Cannes em 25 de maio Vianney Le Caer/Invision/AP

    Kristen Rogersda CNN

    Ter um corpo maior e mais curvilíneo, e precisar de um tipo de roupa que o acomode ou mesmo o realce, tornou-se (um pouco) mais aceito pelas indústrias de moda e varejo. Nos últimos anos, houve um compromisso maior com a diversidade de tamanhos das marcas de roupas e a ascensão de modelos plus size, como Ashley Graham, Paloma Elsesser, Precious Lee e Tess Holliday.

    Mas o que realmente é considerado um corpo ou roupa plus size?

    A “resposta insatisfatória” é que é “meio impossível de definir”, disse Lauren Downing Peters, professora assistente de estudos de moda no Columbia College Chicago e autora do novo livro “Fashion Before Plus-Size: Bodies, Bias, and the Birth of an Industry”.

    Embora não haja critérios universais para roupas de tamanho grande, a percepção geral do que constitui tamanho grande mudou ao longo do tempo.

    “Há aquela citação que sempre diz: ‘Bem, Marilyn Monroe era tamanho 48/GG'”, observou Carmen Keist, professora associada do departamento de ciências da família e do consumidor da Bradley University, em Illinois. “Esses números realmente não significam nada, porque um GG nos anos 50 era algo totalmente diferente do que significa agora”.

    A maioria das roupas vintage são pelo menos algumas vezes menores do que seus tamanhos equivalentes hoje. Nas tabelas de tamanhos de 1915 a 1920, o tamanho grande – então conhecido como “tamanho robusto” – começava com uma cintura de 76 centímetros e um busto de 106 centímetros, de acordo com Downing Peters. Mas hoje, isso equivale a um tamanho 42/M ou 44/G.

    Monroe não seria considerada plus size pelos padrões de hoje, já que “vimos uma inflação de tamanho nos últimos 100 anos”, continuou Downing Peters. “O tamanho é uma construção e mudou ao longo do tempo, à medida que as ideias sobre o que constitui um corpo (tamanho grande) também evoluíram”.

    Tess Holliday desfila no desfile Primavera-Verão 2020-21 da Chromat na Semana de Moda de Nova York / Mike Coppola/Getty Images

    Tanto nos Estados Unidos quanto no Reino Unido, a mulher média hoje é um tamanho 50/GG. Downing Peters disse que 67% das mulheres americanas são consideradas plus size. Mas o maior tamanho que muitos varejistas oferecem é o 46/G, de acordo com o site Statista.

    “Portanto, há muito mais incentivo para varejistas e marcas entrarem no setor plus size”, acrescentou.

    Como os corpos maiores são dimensionados?

    Quando se trata de dimensionamento, rótulos e varejistas podem fazer suas próprias regras. “A maioria das marcas usará seus próprios modelos de ajuste apenas para designar seus blocos de padrão”, explicou Downing Peters, “o que significa que suas convenções de tamanho serão baseadas no corpo desse modelo – e variarão muito de marca para marca”.

    Essas práticas de dimensionamento explicam em parte por que qualquer pessoa, independentemente de ser plus size ou tamanho padrão, pode ter um tamanho em uma loja e outro em outro lugar – ou por que duas roupas de marcas diferentes são, digamos, tamanho 46/G, pode caber no corpo de um possível comprador de maneira muito diferente.

    A gama plus size de alguns varejistas vai de 46/G a 48/GG, enquanto marcas focadas exclusivamente em roupas plus size vão muito além, disseram especialistas. Outras marcas, principalmente no espaço da alta moda, não acomodam clientes de tamanho grande.

    A necessidade de agrupar os clientes em tamanhos discretos pode ser rastreada até o final do século 19, quando a Revolução Industrial inaugurou uma nova era de roupas prontas para vestir produzidas em massa, disse Emma McClendon, professora assistente de estudos de moda na St. John’s University em Nova York.

    Manequins para confecção de vestidos plus size pendurados ao lado de amostras de roupas na sede do Specialty Fashion Group em Sydney, em 5 de dezembro de 2012 / Tim Wimborne/Reuters

    Feitos em escala, esses processos substituíram em grande parte a alfaiataria artesanal tradicional, enquanto incentivavam os fabricantes de roupas a atender às formas e proporções corporais mais comuns.

    Keist recomenda que as pessoas usem medidas objetivas e tabelas de tamanhos das próprias marcas para encontrar roupas que se encaixem bem, em vez de simplesmente seguir o número nas etiquetas de qualquer marca.

    A diferença entre plus size e curvilínea

    O termo “curva” denota um impulso em direção a uma linguagem mais inclusiva para roupas maiores – particularmente entre aqueles que consideram o termo “tamanho grande” uma linguagem depreciativa que “injustamente diferente” mulheres de certos tipos de corpo, disse Downing Peters.

    Curvilínea também descreve modas adequadas para pessoas cujas proporções corporais são mais curvilíneas do que a média, independentemente de seu peso ou tamanho, disseram os especialistas. A moda curvilínea “geralmente é para pessoas que têm um corpo mais parecido com uma pera”, disse Keist, esclarecendo que “o formato do corpo não é o tamanho do corpo”.

    “Meus quadris são a parte mais larga do meu corpo”, acrescentou ela. “Portanto, a curva é para acomodar – especialmente em calças – onde o quadril é mais largo do que seria um tamanho estatisticamente proporcional”.

    “Os jeans curvos podem ser plus size, mas os tamanhos padrão também podem ser curvilíneos”, disse Downing Peters. “Esses jeans são basicamente cortados em um bloco de padrão mais curvilíneo, em vez de um que seja mais jovem e reto para cima e para baixo”.

    Roupas femininas plus size são expostas na loja de departamentos El Corte Inglés, na Espanha / Jeff Greenberg/Universal Images/Getty Images

    O equivalente masculino do tamanho grande é tipicamente “grande e alto”, e existem algumas lojas grandes e altas dedicadas a isso.

    “Mas, no geral, a moda masculina tende a incluir mais tamanhos, o que significa que, se você for um homem maior, poderá comprar essencialmente em uma seção, onde terá uma variedade muito maior de tamanhos”, disse Downing Peters. “Isso é apenas um reflexo da maneira como as mulheres maiores são percebidas e marginalizadas em nossa sociedade e estão muito envolvidas em ideais de beleza”.

    O custo de roupas maiores

    A produção de roupas plus size pode custar um pouco mais, mas a despesa extra não é tanto sobre materiais adicionais quanto sobre pesquisa e desenvolvimento, disse Downing Peters.

    “Isso significa olhar para quem é o consumidor”, explicou ela, “e também olhar para as tendências demográficas na proporção de mulheres plus size”.

    “O que é ainda mais caro”, ela acrescentou, “é criar todos os novos padrões para tamanhos maiores, porque você não pode simplesmente pegar os blocos em que está trabalhando e torná-los maiores, você tem que reconceber completamente as proporções”.

    Historicamente, essa despesa extra foi para os clientes; é coloquialmente conhecido como “imposto de gordura”, que pode tornar as roupas de tamanho grande até 25% mais caras do que os equivalentes de tamanho padrão, disse Downing Peters.

    Mas em meio ao crescente movimento de positividade do corpo – por trás do qual está a ideia de aceitar com orgulho o próprio corpo, mesmo que não esteja de acordo com os ideais sociais – algumas marcas introduziram preços iguais absorvendo os custos adicionais ou aumentando ligeiramente os preços em todas as suas linhas, disse Keist.

    Arara de roupa / Moda
    Despesa extra das roupas maiores é repassada aos clientes, tornando-as até 25% mais caras do que os equivalentes de tamanho padrão / Foto: Hannah Morgan / Unsplash

    Uma indústria em mudança – para melhor e para pior

    O quão inclusiva ou representativa é uma linha plus size também pode depender dos valores ou estética da empresa. “Você não pode contestar o fato de que a indústria da moda nos Estados Unidos se tornou mais inclusiva”, disse Downing Peters. “Mas não atingimos a equidade de tamanho real, por qualquer extensão da imaginação”.

    Algumas marcas “aproveitam o visual da inclusão apresentando modelos plus size visivelmente maiores do que a média em seus materiais publicitários”, disse Downing Peters.

    Mas, com muita frequência, as ofertas das marcas para clientes de tamanho grande “são muito limitadas” em escopo, disse Keist.

    As marcas de luxo podem ser ainda menos complacentes e são “muito mais francas sobre o fato de que o consumidor plus size não é seu consumidor-alvo”, disse Downing Peters.

    Conseguir modelos plus size ou curvilíneas nas campanhas ou desfiles dessas marcas ainda é uma batalha difícil, disse a agente de modelos da IMG, Mina White, à CNN em abril. White, que representa modelos como Ashley Graham e Paloma Elsesser, costuma ouvir que produzir tamanhos maiores é considerado um “elevador financeiro” demais, afirmou ela.

    “Não acredito que seja”, disse ela. “Acredito que as pessoas não estão sendo educadas adequadamente sobre como fazer isso da maneira certa”.

    Paloma Elsesser desfila no desfile LuisaViaRoma & British Vogue “Runway Icons” em Florença em 14 de junho / Jacopo Raule/Getty Images

    Com essa cultura de exclusão de longa data ainda por desvendar, e o renascimento da “heroína chique” dos anos 90 e da moda Y2K (que se refere aos anos 2000) esbelta, alguns especialistas estão levantando preocupações renovadas sobre o estado de inclusão e diversidade de tamanho (ou falta dela) na moda. “Muitos temem que os ganhos que obtivemos em inclusão na indústria da moda sejam perdidos”, disse Downing Peters.

    Porque mesmo que as tendências culturais estejam valorizando a magreza, os corpos têm, estatisticamente, aumentado ao longo dos anos.

    “Estou pasma que as empresas não sejam mais inclusivas em suas roupas, porque isso literalmente significa apenas mais dinheiro para elas”, disse Keist. A escassez de roupas plus size aumenta o estigma que faz com que as pessoas com corpos maiores se sintam marginalizadas, acrescentou ela.

    “Eu cresci quando a ‘heroína chique’ era muito popular e havia muito pouca roupa para mim. Não podia ir às compras com as minhas amigas porque eram mais magras do que eu e tinha de arranjar razões para não experimentar nada, porque tinha vergonha”, explicou. “Porque foi isso que a sociedade me fez sentir, que eu deveria ter vergonha do meu tamanho”.

    Alguns varejistas, no entanto, não estão apenas oferecendo tamanhos mais diversificados – eles estão se desviando de características de peças de tamanho grande agora vistos como problemáticos, como cores, padrões ou ajustes que assumem que as pessoas de tamanho grande querem, ou deveriam, esconder seus corpos.

    Outras lojas, entretanto, pararam de separar roupas padrão e plus size em diferentes departamentos, o que pode ajudar a eliminar o estigma, disse Keist. Marcas que foram elogiadas por desenvolver um espaço plus size mais inclusivo incluem Meijer, Universal Standard, Wild Fang, 11Honore, Dia & Co. e Lane Bryant. Algumas marcas de alta moda, incluindo Christian Siriano e Michael Kors, também fizeram algumas incursões.

    “Sendo uma pessoa plus size tentando se vestir neste mundo”, disse Keist, “estou muito animada com isso, pensando em (como) até mesmo uma empresa como a Torrid não existia quando eu era adolescente e como minhas experiências teriam sido muito diferentes se eu tivesse roupas com mais opções disponíveis nos meus tamanhos”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original