Em cemitério de SP, média diária de abertura de covas vai de 50 para 300

Treze máquinas retroescavadeiras foram empregadas na abertura das sepulturas em área que estava desativada há 30 anos no cemitério da Vila Formosa

Daniel Motta e Bruna Gavioli da CNN, em São Paulo
18 de abril de 2020 às 19:11
Cemitério da Vila Formosa
Cemitério da Vila Formosa, em São Paulo: mais de 300 covas foram abertas neste sábado (18), medida é esforço para atender a demanda de sepultamentos no coronavírus
Foto: Sindsep/Divulgação

Pelo menos 300 sepulturas extras foram abertas neste sábado (18) no cemitério da Vila Formosa para atender a demanda de mortes provocadas pelo coronavírus. O dado é do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais e a expansão do cemitério é uma das medidas do plano de contingência funerária anunciada esta semana pelo prefeito Bruno Covas.

De acordo o diretor do Sindicato do Servidores Públicos Municipais (Sindsep), Manoel Noberto, que também é sepultador no cemitério da Vila Formosa, treze máquinas retroescavadeiras foram empregadas na abertura das sepulturas. Segundo ele, a área onde as covas foram abertas, estava desativada há 30 anos.

Norberto conta que, antes da pandemia, a média diária de covas abertas era de 50, depois aumentou para 100 e agora serão 300. “É uma situação muito preocupante para todos nós e ainda mais porque a periferia tem registrado ainda mais mortes e a tendência é que isso superlote ainda mais os cemitérios”, disse.

Em nota, a Prefeitura informou que “a ação no cemitério de Vila Formosa faz parte do Plano de Contingência do Serviço Funerário, que será detalhado nos próximos dias.” Ainda segundo a nota, a ação de planejamento “segue o decreto nº 59.358, de 15 de abril de 2020, que criou o grupo executivo intersecretarial”.

“Vamos fazer tudo o que for possível para que não termos em São Paulo as cenas lamentáveis que vimos pelo mundo. Do Equador a Nova York, a questão do enterro dos mortos vítimas desta pandemia tem sido um desafio”, afirmou o prefeito Bruno Covas em nota publicada pelo Serviço Funerário Municipal. “Queremos estar preparados e organizados para minimizar a dor das famílias e garantir, dentro das limitações que o momento impõe, que as pessoas possam ter um sepultamento digno e organizado”

A prefeitura informou que outros cemitérios deverão ser atendidos pelo plano de contingência.