Vale indenizará em até R$ 250 mil trabalhadores sobreviventes de Brumadinho


Estadão Conteúdo
26 de abril de 2020 às 02:15
Acordo com seis sindicatos prevê assistência psicológica e psiquiátrica

Acordo com seis sindicatos prevê assistência psicológica e psiquiátrica aos trabalhadores sobreviventes até janeiro de 2022

Foto: Washington Alves - 04.fev.2019/Reuters

A Vale pagará indenizações de até R$ 250 mil por danos morais e materiais a trabalhadores sobreviventes e lotados nas minas Córrego do Feijão e Jangada, ambas em Brumadinho (MG), tanto próprios quanto terceirizados. 

Em nota, a mineradora explicou que foram homologados na última quarta-feira (22), pela 5.ª Vara da Justiça do Trabalho de Betim (MG), acordos com seis sindicatos que representam trabalhadores terceirizados os quais prestavam serviço à companhia.

As indenizações de maior valor - R$ 250 mil - serão pagas àqueles que estavam trabalhando em Córrego do Feijão no momento do rompimento da barragem. O acordo inclui assistência psicológica e psiquiátrica até janeiro de 2022.

Leia também:
Vale doa mais de 5 milhões de máscaras de proteção ao governo federal
Vale adiantará R$160 mi a fornecedores em pacote de ajuda por crise da COVID-19

Há ainda o pagamento de R$ 80 mil para os trabalhadores lotados, próprios e terceirizados, que trabalhavam na mina Córrego do Feijão em 25 de janeiro de 2019, mas não estavam presentes no momento do acidente. O mesmo valor será pago aos que estavam lotados na mina Jangada no dia do rompimento.

Aqueles que estavam lotados nas duas minas, mas afastados há mais de 30 dias na data da tragédia, receberão R$ 40 mil, segundo a Vale.