Bolsonaro publica trecho de vídeo de reunião e reforça ideia de armar população


Estadão Conteúdo
23 de maio de 2020 às 10:21
Pesquisa apontou que 59% dos brasileiros não querem renúncia de Bolsonaro

Presidente da República, Jair Bolsonaro, em Brasília. 

Foto: Adriano Machado - 3.abr.2020/ Reuters

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), reforçou neste sábado (23) a ideia de armar a população como forma de evitar uma ditadura. O chefe do Executivo compartilhou em suas redes sociais um trecho do vídeo da reunião ministerial, ocorrida em 22 de abril, em que prega o posicionamento de armar o povo para "impedir uma ditadura no país".

"Como se começa uma ditadura? Desarmando o povo. O bem maior do homem? Sua liberdade", escreveu. No vídeo, Bolsonaro exige providências do ministro da Defesa, Fernando de Azevedo e Silva, e do então ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Em observação, o presidente acrescenta na publicação ainda que o trecho do vídeo tem "tem palavrões".

Assista e leia também:
Reunião ministerial de Bolsonaro: assista ao vídeo na íntegra e leia transcrição
Investigadores próximos a Aras consideram que vídeo não fortalece inquérito
Autoridades repercutem vídeo de reunião ministerial

"Por isso que eu quero, ministro da Justiça e ministro da Defesa, que o povo se arme! Que é a garantia que não vai um filho da puta aparecer pra impor uma ditadura aqui! Que é fácil impor uma ditadura! Facílimo! Um bosta de um prefeito faz uma bosta de um decreto, algema, e deixa todo mundo dentro de casa. Se estivesse armado, ia para a rua", disse o presidente no vídeo. No trecho, Bolsonaro cita também que, se ele fosse ditador, ia querer desarmar a população.

A gravação da reunião ministerial do dia 22 de abril foi liberada na sexta-feira (22), pelo ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF) e relator do inquérito que investiga uma suposta interferência política na Polícia Federal (PF).

O vídeo é uma das provas do caso indicada pelo ex-juiz Sergio Moro de que Bolsonaro queria fazer mudanças na PF.