Toni Garrido: 'Jovens pretos estão em risco de vida o tempo todo'

Vocalista ainda disse acreditar que, no momento em que a comunidade negra ganhar força, o Brasil será o país 'que as pessoas imaginam e querem'

Da CNN, em São Paulo
29 de maio de 2020 às 16:37

Vocalista da banda Cidade Negra, Toni Garrido falou à CNN, nesta sexta-feira (29), sobre racismo e a repercussão da morte de George Floyd - homem negro de 46 anos que foi asfixiado por um policial branco na cidade de Minneapolis, no estado norte-americano de Minnesota.

Garrido voltou o olhar para o Brasil e disse que casos como o de Floyd "acontecem todo dia na Baixada Fluminense". "É uma grande loucura, é uma selva. O que acontece lá e mobiliza o país inteiro ocorre em um bairro três ou quatro vezes por noite, e ninguém fala nada", criticou.

Leia também:

Após três dias de protesto, policial que matou George Floyd é preso nos EUA
Repórter da CNN é detido durante cobertura de protestos em Minneapolis
Terceiro dia de protestos contra morte de George Floyd tem saques e incêndios

O cantor ainda afirmou que "os jovens pretos têm mais insegurança e enorme facilidade para morrer". "Esse é um ponto que tem que ser discutido e resolvido. Todo mundo tem que ter segurança para viver, mas os jovens pretos estão em risco de vida o tempo todo independente da classe social. O preconceito é racial. Entenderam durante muitos anos que a cor de pele mais escura vale menos", disse.

O músico fez relato de casos de racismo na indústria musical, disse que o álbum "Negro no Poder" foi boicotado pelo setor por colocar os negros no protagonismo e cobrou que o posicionamento antirracista venha de quem está no poder.

"Isso tem que mudar a partir do comando. Não pode tratar a gente que nem arroba ou com preconceito. O comando tem que entender que a gente faz parte desse Brasil, que demos o sangue e que o Brasil já miscigenou. O sangue africano de origem está correndo nas veias de todo mundo, então vamos respeitar", afirmou.

Garrido ainda disse acreditar que, no momento em que a comunidade negra ganhar força, o Brasil será o país "que as pessoas imaginam e querem". "Com tudo o que tem, o Brasil só não é o que deveria ser porque a população é minimizada, detonada e assassinada".