Após protestos contra STF, governo do Distrito Federal demite comandante da PM

Interlocutores de Ibaneis Rocha afirmam que ele ficou insatisfeito com atuação de policiais responsáveis pela segurança do local

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
14 de junho de 2020 às 20:04
O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB)
Foto: Paulo Carvalho/Agência Brasília

Após a reclamação de ministros do Supremo Tribunal Federal, indignados com protestos que ocorreram em frente à corte, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), demitiu o subcomandante-geral da Polícia Militar, coronel Sérgio Luiz Ferreira de Souza. 

A exoneração foi publicada em edição extra do Diário Oficial do DF. De acordo com interlocutores de Ibaneis, ele não gostou dos policiais não terem conseguido evitar o uso de fogos de artifício em uma área em que a segurança é atribuição da Polícia Militar.

Leia e assista também

MPF determina abertura de inquérito sobre lançamento de fogos contra STF

Toffoli reage a ataques: Supremo jamais se sujeitará a nenhum tipo de ameaça

Antes da demissão, o presidente do STF, Dias Toffoli, publicou que "infelizmente, na noite de sábado, o Brasil vivenciou mais um ataque ao Supremo Tribunal Federal, que também simboliza um ataque a todas as instituições democraticamente constituídas". Toffoli afirma também que a manifestação era ilegalmente financiada e que o STF não iria se sujeitar a isso.

Também integrantes do governo Bolsonaro, que vinha em rota de colisão com o STF, manifestaram solidariedade ao Supremo. "Ataque ao STF ou a qualquer instituição de Estado é contrário à nossa democracia, prejudica nosso país, e deve ser repudiado. Atitudes e pensamentos individuais não são mais importantes que nossos ideais", afirmou o ministro da secretaria-geral da presidência, Jorge Oliveira, em suas redes.