Morte de jovem gera protestos na zona sul de São Paulo

Jovem de 15 anos morador da região que desapareceu na noite de domingo (14) e foi encontrado morto hoje; família acusa PMs

Carolina Figueiredo Da CNN, em São Paulo
15 de junho de 2020 às 19:58 | Atualizado 15 de junho de 2020 às 21:45
Protestos na região de Americanópolis, periferia da zona sul de São Paulo, pela morte de Guilherme Silva Guedes (15.jun.2020)
Foto: Carolina Figueiredo


Moradores protestam, na noite desta segunda-feira (15), em Americanópolis, periferia da zona sul de São Paulo, pela morte de Guilherme Silva Guedes, um jovem de 15 anos morador da região que desapareceu na noite de domingo (14) e foi encontrado morto hoje. A família acusa policiais militares de serem responsáveis pela morte. 

As manifestações começaram na rua Rolando Curti, onde mora a família de Guilherme. Na avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, na mesma região, ônibus foram incendiados. Viaturas de quatro batalhões e o Choque estão no local.

Leia também:

Durante pandemia, traficantes do Rio distribuem medicamentos nas favelas

Na reabertura do comércio de rua, fiscais impedem ambulantes de vender em SP

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) diz que o caso foi encaminhado ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para investigações, e a Polícia Militar também acompanha a apuração. “Se for comprovada participação policial, as medidas cabíveis serão adotadas”, diz a pasta em nota. 

Sete equipes do Corpo de Bombeiros foram enviadas ao local para conter os focos de incêndio.