Gorinchteyn culpa banalização de medidas no interior de SP por aumento de casos

Novo secretário fala sobre novo recorde infecções em 24h em SP

Da CNN
23 de julho de 2020 às 10:53 | Atualizado 23 de julho de 2020 às 10:55

O governo de São Paulo confirmou na quarta-feira (22) que o estado registrou 16.777 casos de Covid-19 em 24 horas, um novo recorde entre os dados apresentados diariamente pelo governo. No total SP já confirmou 439.466 infectados e mais de 20 mil mortos pela doença.

Em entrevista à CNN na manhã desta quinta-feira (23), Jean Gorinchteyn, novo secretário Estadual de Saúde de SP, afirmou que a banalização de medidas por algumas cidades do interior influenciou no aumento desses casos.

Para o secretário, flexibilizações que não seguiram os protocolos indicados pelo governo colocaram a população mais exposta ao vírus, consequentemente, aumentando os números do estado.

"São Paulo ainda tem 20% dos seus municípios aumentando o número de casos, e isso era algo que já era previsto. Nós, como médicos, já sinalizávamos a banalização de medidas por algumas cidades do interior que faziam vistas grossas ao que acontecia em São Paulo.

"Vale lembrar que tais medidas fizeram com que as estratégias tomadas na capital retardassem a chegada da pandemia no interior, pelo menos no período de 4 a 5 semanas", exemplificou. 

Assista e leia também:

'É uma injeção de ânimo', diz primeira voluntária a receber vacina em SP

Com avanço da Covid-19, Limeira (SP) decreta lockdown por dois fins de semana

 

E acrescentou: "Desta maneira, na medida em que as flexibilizações não foram realizadas de forma lenta e gradual, claramente as pessoas se expuseram muito mais. Isso acabou fazendo com que muitas regiões de saúde do estado se sobrecarregassem".

Na avaliação do médico, o estado tem investido em ações de prevenção para impedir o colapso da rede de saúde. Gorinchteyn acredita que o diagnóstico precoce e a orientação correta dos casos fez com que a capital conseguisse 'dar respiro' aos leitos nas unidades de saúde do município.

"A gente aprendeu muito com a doença e a evolução da pandemia. Essa é uma doença silenciosa e nós fazemos o acompanhamento bem próximo para a realização do diagnóstico precoce e para evitar a ida ao hospital. As pessoas devem se antecipar e procurar o hospital caso tenham sintomas recorrentes da doença (...) O governo do Estado também se antecipou e aumentou o número de leitos no interior e esta precaução foi essencial", finalizou.