Após 125 anos, STF encerra disputa de posse do Palácio Guanabara


Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
02 de setembro de 2020 às 11:17 | Atualizado 02 de setembro de 2020 às 14:16

O Supremo Tribunal Federal (STF) encerrou definitivamente nesta semana o processo no qual a família Orleans e Bragança reivindica a posse do Palácio Guanabara (sede do governo do Rio de Janeiro). Os ministros decidiram manter a decisão da quarta turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que determinou que o local pertence à União, e não à família real.

O julgamento foi realizado no fim de junho, mas somente na sexta-feira (28) o processo teve baixa definitiva, após 125 de sua abertura.

Em dezembro de 2018, o STJ determinou, por unanimidade, que o Palácio Guanabara é de domínio da União, e não deveria ser paga nenhuma indenização à família real, que não teria nenhum direito de posse sobre o imóvel.

Assista e leia também:
Orleans e Bragança vê aproximação com Centrão como necessária para reformas
Itamaraty chama bisneto da princesa Isabel de 'alteza imperial', título extinto

Fachada do Palácio Guanabara, sede do governo fluminense

Palácio Guanabara, sede do governo do estado do Rio de Janeiro

Foto: Divulgação / Procuradoria Geral do RJ

O caso era considerado a disputa judicial mais antiga em tramitação no Brasil. Os processos chegaram a ser extintos nos anos 1960, mas foram reabertos após sucessivas apelações. Somente em 2018, as ações foram incluídas em pauta. O julgamento chegou a ser adiado ao menos três vezes.

A família Orleans e Bragança argumentava não ter sido indenizada após o esbulho (retirada do bem de seu legítimo possuidor) do palácio com a proclamação da República, como estaria previsto no ordenamento jurídico do final do século 19.

Os advogados dos herdeiros afirmavam que o imóvel tinha sido adquirido como dote após o casamento da princesa Isabel, filha de Dom Pedro II, com Gastão de Orleans, o Conde D´Eu, motivo pelo qual pertenceria à família imperial.

O estado do Rio de Janeiro e a União, por outro lado, defendiam que o local sempre pertenceu ao estado, tendo sido apenas concedido como habitação ao casal, que nele morou por 26 anos. Após a proclamação da República, esse privilégio teria chegado ao fim. Tais argumentos foram acolhidos pelo relator do caso, o ministro Antônio Carlos Ferreira.

Após uma extensa exposição sobre leis antigas e atuais, e a longa tramitação da disputa na Justiça, Ferreira afirmou que a princesa e o conde tinham a posse do palácio “tão somente para fins de direito de habitação, não tendo domínio sobre o imóvel”. O ministro acrescentou que “a propriedade sempre foi do estado”.

(Com Agência Brasil)